Publicidade

Blog em recesso

O Blog da Folha estará em recesso durante o Carnaval. No entanto, as notícias sobre política e economia poderão ser encontradas no Portal da Folha (www.folhape.com.br). Na quarta-feira de Cinzas este blog retoma as atividades.


Presidenta do PCdoB marcou presença na abertura do carnaval do Recife ao lado do seu marido, o deputado Waldemar Borges (Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco)

Cotada como candidata à Prefeitura de Olinda, a deputada Luciana Santos (PCdoB) ainda desconversa sobre sua postulação. Ela também tenta não opinar sobre outros vários nomes que podem entrar na disputa. No entanto, questionada sobre um possível rompimento da Frente Popular e da candidatura do escritor Antônio Campos (PSB), a parlamentar disse que projetos pessoais não devem se sobressair as questões políticas.

“Se a gente for ficar na referencia das pessoas a gente se perde né? Eu acho que sempre que se coloca os projetos pessoais, acima dos interesses políticos nunca dá certo”, disse, em entrevista ao Blog da Folha, durante abertura do Carnaval do Recife, nesta sexta-feira (5).

Dentre tantos cenários políticos, Luciana afirma que o partido seguirá a mesma estratégia. “Nós andamos juntos com o PSB e o PT. Fazemos isso e gostaríamos de continuar”, relatou.


Vereador de Gravatá, Luiz Prequé (PSB) se mostrou indignado com a saída da sua filha, Renata Patrícia Prequé, da coordenação geral de uma unidade do Detran-PE  no município.  O Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (5) informa ai exoneração de sua filha.

O legislador afirmou que o motivo da saída de Patrícia Prequé foi por retaliação política. Com a atitude, o vereador promete que saíra do PSB.

“Estou só esperando o carnaval passar para enviar minha carta de desfiliação. Isso não é o PSB de Miguel Arraes, de Eduardo Campos, é um PSB raivoso”, criticou o vereador.

O seu outro filho, o vice-prefeito Rafael Prequé, fez inúmeras criticas ao processo de intervenção de Gravatá.

Questionado sobre a saída de Renata Patrícia do Detran, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, informou não é prática do partido “retaliar quem quer que seja”.

“Essa discussão (da saída de Renata Prequé) compete aos quadros do Detran. Não há prática do PSB ou do governo de retaliar quem quer que seja”, afirmou Sileno, ao Blog da Folha, antes da abertura oficial do Carnaval do Recife, nesta sexta.

O Blog da Folha tentou entrar em contato com a assessoria do Detran para saber sobre o caso, mas não obteve retorno.


Governador disse que população deve agir coletivamente contra o inseto (Foto: Alex Ribeiro/Blog da Folha)

Com tantos alertas sobre a disseminação do Zika Vírus pelos órgãos de saúde, o governador Paulo Câmara (PSB) garantiu que as pessoas que chegarem ao Estado no período da folia de Momo estarão bem informadas sobre a precaução contra o mosquito. Presente na abertura do Carnaval do Recife, nesta sexta-feira (5), o socialista também destacou que é preciso ter uma ação coletiva da população para diminuir os riscos de contaminação.

“As pessoas que chegarem a Pernambuco terão todo o tipo de informação necessária. Informação para tomar as precauções que o momento exige, mas é um desafio permanente. A gente hoje tem o desafio de saúde pública muito grande no Brasil, mas o governo está trabalhando, as prefeituras estão trabalhando”, afirmou o gestor.

“Informando muito (que) essa questão do mosquito é uma questão coletiva. Informando se o vizinho está olhando ou não os reservatórios. Um trabalho permanente que não vai se restringir só no carnaval não. A população bem informada cumpre o sue papel ela não se descuida”, disse.

Apesar do momento delicado na economia, Câmara relatou que a qualidade do Carnaval do Estado será mantida. “(Iremos) oferecer condições de infraestrutura, ter o policiamento na rua, os hospitais dando as informações, recebendo quem tem que receber”, resumiu o governador.


Da Folhapress

O ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Azevedo e o ex-diretor da empresa Elton Negrão, que foram presos na Operação Lava Jato, vão passar o Carnaval em casa. Os dois assinaram acordo de delação premiada com a PGR (Procuradoria Geral da República) -agora, serão transferidos para o regime de prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica. O acordo ainda precisa ser homologado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Os executivos ganharão a liberdade nesta sexta-feira (5). Ambos foram presos em junho, na 14ª fase da Lava Jato.

No acordo assinado pelos executivos, eles se comprometeram a revelar informações sobre temas como a construção de estádios de futebol para a Copa do Mundo e os pedidos de doações para a campanha de 2014 da presidente Dilma Rousseff envolvendo figuras centrais do seu governo, como o assessor especial da presidência Giles Azevedo e o ministro-chefe da Secretaria de comunicação, Edinho Silva.

Entre os estágios em que a Andrade atuou estão a reforma do Maracanã, no Rio, o Mané Garrincha, em Brasília, o Beira-Rio, em Porto Alegre, e a Arena da Amazônia, em Manaus. Eles também devem falar de obras relacionadas ao setor elétrico, como as usinas de Belo Monte, no Pará, e Angra 3, no Rio.

A colaboração não contempla fatos sobre o senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG) nem sobre a empresa Gamecorp, que tem entre os sócios Fábio Luís Lula da Silva, filho mais velho do ex-presidente. Com a assinatura do acordo, o juiz Sergio Moro suspendeu o andamento do processo, que já estava em fase da apresentação das alegações finais da defesa.

A Andrade foi acusada, juntamente com a Odebrecht, de pagar R$ 632 milhões de propina em contratos da Petrobras. A Odebrecht é considerada a maior empreiteira do Brasil, enquanto a Andrade ocupa o terceiro lugar.

Procurado, o advogado Celso Vilardi, que costurou a delação, não quis se pronunciar.


Caso envolve denúncia que foi oferecida pela PGR contra o senador em 2013 (Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco)

Da Folhapress

Um dia após tirar o sigilo de um dos inquéritos que investiga o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o STF (Supremo Tribunal Federal) voltou a determinar que o processo fique em segredo de Justiça. O caso envolve a denúncia que foi oferecida pela Procuradoria-Geral da República contra o senador em janeiro de 2013. No processo, a Procuradoria acusa o senador de falsificar documentos para justificar que pagou com recursos próprios, e não de um lobista da empreiteira Mendes Junior, uma pensão a uma filha que teve fora do casamento, além de acusá-lo de desvio de recursos na contratação de uma empresa com recursos do Senado.

O escândalo à época provocou a renúncia de Renan da presidência do Senado, cargo que voltou a ocupar no ano passado. Só agora, três anos depois, o ministro do STF Luiz Edson Fachin liberou a denúncia para entrar na pauta de julgamento pelo plenário do STF. Procurado, o STF ainda se manifestou sobre a volta do sigilo.

Na denúncia, a Procuradoria disse que Renan não possuía recursos disponíveis para custear os valores repassados à jornalista Mônica Veloso entre janeiro de 2004 e dezembro de 2006, e que inseriu “informações diversas das que deveriam ser escritas sobre seus ganhos com atividade rural, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante, qual seja, sua capacidade financeira”.

Outro lado

A defesa de Renan, porém, argumenta que “não há um único centavo na conta sem a correspondente justificativa” e que o único “equívoco operacional” do senador foi não abrir uma conta bancária específica para as operações de gado. Segundo a defesa, há dificuldades para identificar depósitos da venda de gado porque açougues usam cheques de terceiros (consumidores) ou dinheiro em espécie para pagar os frigoríficos que, por sua vez, repassam esses pagamentos ao criador. Diz ainda que Renan tinha disponibilidade financeira para pagar a pensão alimentícia.

De acordo com sua assessoria de imprensa, a iniciativa de pedir a investigação foi do próprio senador Renan Calheiros.

“Ele reafirma que prestou todas as informações e que é o maior interessado no esclarecimento cabal das falsas imputações”, informou a assessoria.


Justiça solta presos da fase ‘Triplo X’

Da Folhapress

O juiz federal Sergio Moro, que cuida da Operação Lava Jato, determinou nesta sexta-feira (5) a soltura da publicitária Nelci Warken e do empresário Ademir Auada, presos na última fase da operação, na semana passada, batizada de “Triplo X”. Ambos haviam sido presos temporariamente, mas o próprio Ministério Público Federal informou que eles estão colaborando com as investigações e, por isso, ficava desnecessária a manutenção da prisão -mesmo tendo Auada sido flagrado destruindo provas.

A força-tarefa da Lava Jato apura se Warken usou a estrutura de uma empresa sediada no Panamá para ocultar patrimônio e lavar dinheiro em favor do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e da cunhada dele, Marice Correa de Lima. Já Auada figura como procurador da offshore Murray Holdings, que aparece como proprietária de um apartamento no edifício Solaris, o mesmo em que o ex-presidente Lula teria um triplex no Guarujá (SP).

Eles, porém, ficam proibidos de deixarem o Brasil ou mudar de endereço sem autorização judicial, além de obrigados a comparecer a todos atos do processo. Também foi determinado que entreguem seus passaportes à Polícia Federal.

“Apesar do contexto de falsificação, ocultação e destruição de provas, (…) na qual um dos investigados foi surpreendido, em cognição sumária, destruindo quantidade significativa de provas, a aparente mudança de comportamento dos investigados não autoriza juízo de que a investigação e a instrução remanescem em risco”, escreveu Moro ao justificar a soltura.


Campanha está sendo divulgada nas redes sociais (Foto: Reprodução)

Antes da abertura oficial do carnaval, a Prefeitura do Recife lançou nas redes sociais um manual “de como não ser babaca” no carnaval. O assédio contra as mulheres é a principal temática na campanha.

A PCR também informa que a Central da Mulher estará na Rua do Observatório, oferecendo atendimento com uma equipe formada por psicólogas, advogadas e serviço social. O serviço do Disque Orientação do Clarice Lispector, cujo número é 0800 281 0107, estará funcionando nos dias da folia. O link da campanha nas redes sociais é https://www.facebook.com/media/set/?set=a.824175431025814.1073741865.315883798521649&type=3.


Da Agência Brasil

Investigados na Operação Lava Jato, o ex-deputado federal Pedro Corrêa e o pecuarista José Carlos Marques Bumlai devem ser transferidos ainda nesta sexta-feira (5) da carceragem da Superintendência da Polícia Federal (PF) no Paraná para o Complexo Médico Penal (CMP), em Curitiba (PR).

A transferência foi autorizada pelo juiz Sérgio Moro, a pedido da própria PF, que alegou que o espaço ocupado por Bumlai e Corrêa é utilizado para abrigar presos provisórios ou custodiados. Segundo a PF, a permanência na carceragem de qualquer pessoa detida pode comprometer a movimentação de outros presos e de eventuais operações.

Bumlai foi preso em novembro, em caráter preventivo, durante a Operação Passe Livre, 21ª fase da Lava Jato. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o pecuarista usou contratos firmados com a Petrobras para quitar empréstimos com o Banco Schahin.

Segundo os procuradores, depoimentos de investigados que assinaram acordos de delação premiada revelam que o empréstimo de cerca de R$ 12 milhões se destinava ao PT e foi pago mediante a contratação, em 2009, da Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras. Em dezembro de 2015, ele foi denunciado por crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva e gestão fraudulenta.

Pedro Corrêa foi condenado em novembro de 2015 a 20 anos sete meses e dez dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Corrêa foi acusado de receber R$ 11,7 milhões em propina decorrente do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. Quando foi preso, em abril de 2015, durante a 21ª fase da Lava Jato, o ex-deputado cumpria prisão em regime aberto pela condenação na Ação Penal 470, o chamado processo do mensalão.

A Agência Brasil tentou contato com os advogados de Bumlai e do ex-deputado federal, mas não obteve retorno até a publicação da matéria.


Vaccarezza afirma que declaração faz parte do jargão político (Foto: Laycer Tomaz/ Câmara dos Deputados)



Da Folhapress

Investigado na Lava Jato, o ex-deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) quis rebater, em depoimento à Polícia Federal, declaração do dono da UTC, Ricardo Pessoa, afirmando que teria ouvido do petista a expressão: “Se precisar de algo, pode contar comigo”. Para se defender, Vaccarezza afirmou que a expressão nada mais é do que “um jargão político”.

Ricardo Pessoa aponta que acionou Vaccarezza, ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara, para interferir a favor da UTC junto ao Comitê de Obras Irregulares (COI), ligado a Comissão Mista de Orçamento do Congresso.

O empreiteiro afirmou ainda à PF que fez doação eleitoral para Vaccarezza, mas que não sabe afirmar se efetivamente ele interferiu no COI em favor da UTC.

O petista nega qualquer ação para favorecer a empreiteira. “Que nega ter realizado qualquer interferência no COI a pedido e ou a favor da UTC, que não possui conhecimento de qualquer relatório do TCU em desfavor da UTC por irregularidades na refinaria Getúlio Vargas”.

O ex-deputado afirmou ainda que não recebeu qualquer ligação de Ricardo pessoa, nem e-mail como pedido de interferência no COI, mas que seu e-mail público não era lido por ele, mas pela secretária.

A PF investiga se empreiteiras teriam sido favorecidas na fase de elaboração da lista de obras do governo federal, que contém indícios de irregularidades graves, uma atribuição da COI, que podem ficar com recursos bloqueados.


Atuação da Azul em debate na Assembleia

Para discutir os impactos econômicos e sociais da ampliação da atuação da companhia aérea Azul em Pernambuco, o deputado estadual Aluisio Lessa (PSB), presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico e Turismo da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), promove grande expediente especial, no dia 18, às 10h. O encontro ocorrerá no plenário do Palácio Joaquim Nabuco.

Considerado o melhor terminal do Brasil, segundo uma pesquisa de satisfação da Secretaria de Aviação Civil, o aeroporto do Recife fica a 300 quilômetros de três capitais, três aeroportos internacionais, dois aeroportos regionais, cinco portos internacionais e a 800 quilômetros de seis capitais, cinco aeroportos internacionais, dez portos internacionais.

O Aeroporto Internacional do Recife – Gilberto Freyre, segundo o Governo do Estado, comporta atualmente cerca de 7,1 milhões de passageiros (embarques e desembarques) anualmente. São 75.418 aeronaves circulando no terminal, entre pousos e decolagens, 40.889 toneladas de carga (exportações e importações) e 16.868 toneladas de mercadorias e produtos transportados via Correios (cargas e descargas).


Do Congresso em Foco

A Polícia Federal apreendeu documentos no escritório do pecuarista José Carlos Bumlai, em Campo Grande (MS), que reforçam a tese de que ele custeou parte da reforma de sítio usado pelo ex-presidente Lula e alguns de seus parentes em Atibaia (SP). Consta da documentação uma planilha com nomes de fornecedores de Bumlai, amigo do petista, entre eles a empresa Fernandes dos Anjos & Porto Montagens de Estruturas Metálicas, registro vinculado a pagamentos que chagaram a R$ 550 mil. As informações constam de reportagem do jornal O Globo desta sexta-feira (5).

O jornal lembra que, em depoimento ao Ministério Público de São Paulo, um representante dessa empresa disse ter recebido de Bumlai R$ 40 mil para a execução de reformas no sítio. Investigadores da Operação Lava Jato agora tentam identificar os responsáveis pelas obras de reforma no local, que está em nome de dois sócios de um dos filhos do ex-presidente, Fernando Bittar e Jonas Suassuna. Segundo reportagem veiculada no site da revista Época na última segunda-feira (1º de fevereiro), Lula e familiares visitaram o sítio 111 vezes nos últimos anos.

Ainda de acordo com a reportagem de O Globo, o documento com a menção à Fernandes dos Anjos foi apreendido em 24 de novembro de 2015, durante a 21ª fase da Lava Jato. Os registros apontam dois pagamentos à empresa – um no valor de R$ 455,3 mil; outro, de R$ 94,6 mil. Não há indicativo de datas relativas aos repasses. Essa lista está anexada a um dos processos de corrupção e lavagem de dinheiro contra Bumlai, acusado de empréstimo forjado firmado em nome do pecuarista no valor de R$ 12 milhões. Segundo as investigações, o objetivo da negociata era assegurar pagamento de propina ao PT por meio de fornecedor da Petrobras.


Da Agência Brasil

Agentes da Polícia Civil de Minas Gerais apreenderam nesta sexta-feira (5) documentos e equipamentos em escritórios da Samarco, empresa mineradora responsável pela Barragem do Fundão, que se rompeu há exatos três meses, na região de Mariana (MG). O acidente matou 17 pessoas, deixou dois desaparecidos e devastou o distrito de Bento Rodrigues, que foi coberto pela lama tóxica e praticamente desapareceu.

A própria Samarco confirmou que os mandados judiciais estão sendo cumpridos desde o início da manhã desta sexta-feira, em escritórios de Belo Horizonte e de Mariana. A mineradora brasileira, que é controlada pela Vale do Rio Doce e pela anglo-australiana BHP Billiton, afirma colaborar com a diligência policial.

Todo o material apreendido será usado como prova no inquérito da Polícia Civil, que investiga as responsabilidades pelo acidente, considerado uma das maiores tragédias ambientais do país. Com metais pesados, a lama contaminou cerca de 650 quilômetros de rios, chegando à foz do Rio Doce, em Regência, no Espírito Santo.

A Polícia Federal (PF) já indiciou a Samarco e suas controladoras. Por danos ambientais, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou a Samarco em R$ 250 milhões. E o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) no Espírito Santo fecharam acordos com a mineradora, que se comprometeu a indenizar as vítimas, populações ribeirinhas afetadas e trabalhadores da empresa.


Dilma viaja a Porto Alegre para passar o carnaval

Da Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff viaja nesta sexta-feira (5) para Porto Alegre, onde passará o feriado do carnaval. A previsão é que ela embarque no início da tarde.

Dilma não tem previsão de compromissos na capital gaúcha, onde moram seu genro e sua única filha, Paula Rousseff, mãe dos seus dois netos, Gabriel, de 5 anos, e Guilherme, que nasceu no início de janeiro.

O ex-marido de Dilma, Carlos Araújo, também mora na cidade e costuma receber a visita da presidente.

Antes de viajar para o Rio Grande do Sul, Dilma tem reunião com o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini.


Ceder ou não a cabeça de chapa

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Em seu último ano de gestão, o prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio, mantém relação administrativa com o Governo do Estado, melhor do que tinha na época de Eduardo Campos, mas também nada tão estreito que o faça abrir mão da cabeça de chapa em favor do PSB. “Em 2017, vou sair. Evidentemente, nessa discussão partidária, nós vamos ter que conversar”, ponderou Lóssio à coluna. E prosseguiu: “O PSB não pode querer ser candidato a prefeito do Recife, ser candidato a governador e colocar o PMDB só na vice e lá (em Petrolina) querer a cabeça de chapa e a gente ficar sendo vice lá também. É preciso haver um diálogo em relação a isso. Se for para construir uma relação a nível estadual, a gente sentar e definir”. Lóssio diz que vai consultar o presidente estadual, Raul Henry, e o deputado federal Jarbas Vasconcelos sobre a possibilidade de o PMDB abrir mão da cabeça de chapa por lá. No entanto, Raul costuma dizer que, em Petrolina, quem comanda o diretório é Lóssio e, portanto, ele teria autonomia para resolver sua sucessão.

A despeito da cultura do PSB de não interferir nos diretórios municipais, Lóssio diz que quer ouvir Raul e Jarbas

Lóssio quer saber
Lóssio diz que vai dirigir-se a Jarbas Vasconcelos com a seguinte pergunta: “Olhe, vocês acham que a gente deve abdicar da cabeça de chapa em Petrolina?” Mas e o próprio Júlio Lóssio acha que deve abrir mão? “Todo partido que ter o poder. Inclusive, eu tava lendo (Friedrich) Nietzsche , que escreveu que onde há vida, há briga pelo poder”, devolve.