Dilma pode adiar nomeação de Armando e Kátia Abreu

A presidente Dilma Rousseff (PT) teria desistido de nomear oficialmente a senadora Kátia Abreu (PMDB) para o Ministério da Agricultura e o senador Armando Monteiro Neto (PTB) para o Desenvolvimento, nesta quinta-feira (27), para deixar claro que eles integram a cota política, e não técnica, do novo governo. A informação da possível desistência é da coluna Painel, da Folha de São Paulo.

A expectativa é de que a petista anuncie a nova equipe econômica do governo nesta quinta-feira. Os nomes incluem Nelson Barbosa para o Planejamento e Joaquim Levy para a Fazenda. Alexandre Tombini permaneceria à frente do Banco Central.

De acordo com a publicação, Dilma quis evitar que o PMDB alegasse que a senadora Kátia Abreu será parte da equipe econômica e pedisse outras cinco pastas para manter sua porção na Esplanada dos Ministérios. Desta forma, a petista pode deixar a aliada por tempo indefinido aos ataques do PT.


Enquanto isso…


Uchoa, Renata e Lyra recebem distinção

Do site Roberta Jungmann

O presidente da Assembleia, deputado Guilherme Uchoa (PDT), recebe,na próxima na quinta (4 de dezembro), a Medalha Condecorativa Eduardo Campos, concedida pela Defensoria Pública de Pernambuco. A honraria é um reconhecimento à contribuição do parlamentar para o fortalecimento e valorização da instituição.

A cerimônia de entrega da comenda, que vai homenagear personalidades e autoridades como o governador João Lyra Neto e a ex-primeira-dama do Estado, Renata Campos, será realizada às 19h, no Teatro de Santa Isabel.


Ex-diretor entrega conta de operador do PMDB

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa revelou em sua delação premiada que o homem apontado como operador de uma ala do PMDB no esquema de cartel e corrupção na estatal, Fernando Antônio Falcão Soares, o Fernando Baiano, recebeu R$ 2,5 milhões da cota de 1% da propina cobrada pelo PP e apontou o banco onde foi feito o depósito no paraíso fiscal de Liechtenstein.

Paulo Roberto Costa disse ainda que recebeu R$ 3 milhões de Fernando Baiano e que os dois viajaram à Suíça, quando soube da conta do operador.

As revelações do ex-diretor de Abastecimento podem levar Fernando Baiano a também fechar acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato. Conforme o jornal O Estado de S. Paulo revelou ontem, a suspeita é de que o PMDB tinha vários operadores na Petrobras.

Negativa
Sob risco de ser condenado a uma pena superior à que foi aplicada ao operador do mensalão, Marcos Valério – 37 anos – , Fernando Baiano está recolhido na Custódia da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 17 de novembro.

Ele afirmou que “nunca recebeu qualquer valor de Paulo Roberto”, em depoimento no dia 21. Indagado se tem recursos depositados no exterior, respondeu ter duas contas em Liechtenstein, mas negou ser operador do PMDB ou envolvimento no esquema alvo da Lava Jato.

As revelações de Costa, no entanto, colocam em xeque a versão de Fernando Baiano. O ex-diretor de Abastecimento afirmou que não só deu dinheiro da cota do PP a Fernando Baiano, como recebeu dele R$ 3 milhões. Costa declarou ter ouvido dele a informação da existência de “R$ 4 milhões no exterior”, durante uma reunião que tiveram na Petrobras.

“(Fernando Baiano) enviou para uma das minhas contas a quantia de R$ 3 milhões”, revelou Costa, que fez delação e confessou os desvios em troca de redução de pena. Ele comprometeu-se a devolver R$ 70 milhões. “Em um encontro na diretoria de Abastecimento ele (Fernando Baiano) me disse que tinha depositado R$ 4 milhões em uma conta no exterior.”

“Uma vez eu fui com Fernando para a Suíça. Lá, eu soube da conta dele em Liechtenstein”, contou o ex-diretor, que apontou ainda o nome do “responsável pelas contas” do operador do PMDB. “Ele enviou dinheiro meu para a Liechtenstein.”

Fernando Baiano declarou à Polícia Federal uma conta em Liechtenstein que está em seu nome e outra em nome de sua empresa, a Technis Engenharia e Consultoria. Baiano garantiu que movimenta nessas duas contas apenas recursos próprios “e de forma oficial”.

Diretorias
Na ação penal sobre desvios na refinaria de Abreu e Lima, o doleiro Alberto Youssef e Costa afirmaram que PT, PMDB e PP controlavam diretorias na Petrobras, por meio das quais arrecadavam propina para partidos e campanhas. Apontaram Fernando Baiano como operador do PMDB atuando via Diretoria Internacional.

A Polícia Federal suspeita que o reduto de ação de Fernando Baiano na Petrobras seja mesmo tal diretoria, que foi comandada por Nestor Cerveró, personagem emblemático da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, indicado pelo PMDB ao cargo.

A Justiça Federal já bloqueou quase R$ 9 milhões em suas contas e nas de suas empresas – além da Technis, a Hawk Eyes Administração de Bens Ltda.

Cerveró e o PMDB negam relações irregulares com Fernando Baiano. O advogado de Fernando Baiano, Mário Oliveira Filho, disse desconhecer a possibilidade de seu cliente fazer delação premiada. “Ele (Fernando Baiano) disse na PF que não é isso tudo que lhe atribuem.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Fonte: Estadão Conteúdo)


Dilma contra a nova Dilma

Por Eduardo Sol
Da Coluna Folha Política

O Governo só conseguiu aprovar a alteração na meta fiscal (manobra que libera recursos usados nas obras do PAC dos esforços para o superávit) na segunda reunião da Comissão de Finanças. Na terça-feira, quis votá-la. Não conseguiu (pasme) por falta de quórum da base. Na próxima terça, nova tentativa. O anúncio da equipe econômica, marcado para hoje, estava condicionado à vitória governista. No papel, perfeito. Os chefões da economia do novo mandato começariam sem ter de se preocupar com essas trucagens. Nada: como não deve adiar mais o anúncio, pois seria uma vergonha, terão de assumir no meio da confusão. Que transição é essa? Deveria ser simples como eleição de grêmio estudantil. Mas os erros acumulam-se. Em 1º de janeiro, Dilma passará a faixa para si mesma: a velha, já enfraquecida, para a Dilma do segundo mandato, esperança da maioria dos eleitores para o tenebroso 2015. Se eu fosse a nova, denunciaria a herança maldita da anterior.

Governo preocupou-se com os nomes para economia, mas anda faltando é especialista em transição

E agora, o que fazer?
Esses dias serão de muita negociação. Se o Governo recuar novamente do projeto ou se for derrotado (cá para nós, nesse caos tudo é possível) ficará enfraquecido; muito mesmo. O ministro das Relações Institucionais tem de aparecer imediatamente. Será novo, com autoridade, aberto ao diálogo: o ideal. Lula também tem de botar banca. Dilma não consegue só.


Composição já é especulada

(Foto: João Bita/Alepe)

Por Tauan Saturnino
Da Folha de Pernambuco

Apesar de não falarem abertamente sobre a futura eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, nos bastidores, alguns nomes já são cotados para os cargos secundários e sobre as possibilidades do atual presidente Guilherme Uchoa (PDT) pleitear um novo mandato. Os partidos com bancadas intermediárias estão de olho nas vagas de primeiro e segundo vice-presidentes e de segundo, terceiro e quarto secretários.

No PP, que elegeu quatro deputados, é unânime o desejo de que Cleiton Collins, que obteve a maior votação na última eleição, tenha um cargo na Mesa. O comentário é de que ele seria o segundo vice-presidente. “Estamos começando a discutir dentro do PP e por enquanto todos concordam com a indicação de meu nome para um cargo na Mesa. Pelo critério antigo, o deputado mais votado na eleição seria o presidente, mas eu não tenho essa pretensão, a não ser se for algo consentido entre os deputados. Acredito que, em dezembro, as bancadas vão dialogar mais, pois a eleição já é em janeiro”, comentou.

O PTB, que terá a segunda maior bancada, também está em processo de consulta interna para indicar o seu representante na primeira vice-presidência. Os nomes cotados para o cargo seriamos dos deputados Silvio Costa Filho e Augusto César. Apesar disso, não houve nenhum entendimento com os demais partidos que farão oposição ao governador eleito Paulo Câmara (PSB). Em conjunto, os oposicionistas pleiteiam três cargos para a Mesa Diretora e o assunto será discutido na próxima reunião, no dia 15 de dezembro.

O deputado estadual Tony Gel é avaliado para a quarta secretaria, na vaga que seria reservada, caso se siga o critério de proporcionalidade, ao PMDB. Entretanto, ele disse que não houve consulta sobre isso. Por sua vez, a segunda e terceira secretarias estariam sendo pleiteadas pelo PT e PR, respectivamente.


Confira as manchetes do dia dos principais jornais

Folha de Pernambuco
Internet grátis em 74 pontos

Diario de Pernambuco
O mapa da internet grátis no Recife

Jornal do Commercio
Petrolão já afeta emprego

Folha de S. Paulo
Justiça autoriza Haddad a aumentar IPTU em 2015

Agora S. Paulo
Salário mínimo da doméstica subirá para R$ 905 em janeiro

O Globo
Derrota do governo adia pacote e posse de ministros

Correio Braziliense
Guarda de filho terá de ser compartilhada

Zero Hora
Lava­Jato complica negociação da Arena

Jornais internacionais

The New York Times (EUA)
EUA ampliam frota de aviões para varrer ISIS

The Washington Post (EUA)
‘Quase­-colisões’ entre drones e aviões cresce

The Guardian (Reino Unido)
Escócia terá controle sobre Imposto de Renda

Le Monde (França)
Crescimento: Europa ficou para trás na disparada dos EUA

El País (Espanha)
Caso ‘Güertel’ golpeia governo e força Rajoy a dispensar Ana Mato


Câmara quer novas parcerias com o Banco Mundial

Governador eleito esteve reunido com a presentante do Bird nesta quarta (26) (Foto:Divulgação/Assessoria)

O governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), conversou com a representante do Banco Mundial (Bird), Deborah Wetzel, nesta quarta-feira (26), em Brasília. Durante a conversa, o socialista lembrou que a sua gestão será de continuidade do trabalho iniciado pelo ex-governador Eduardo Campos.

“Pernambuco tem se diferenciado. O Estado tem crescido mesmo quando o País não cresce. Não vão faltar projetos e ideias nos próximos quatro anos”, afirmou Câmara.

De acordo com o novo gestor, alguns pontos do seu programa de governo foram destacados na reunião. As escolas em tempo integral, a ampliação da rede de hospitais, a manutenção e o aprofundamento do Pacto pela Vida e a melhoria da infraestrutura de Pernambuco nas áreas de abastecimento d`água, saneamento e rodovias foram elencados.

Pernambuco tem três projetos em andamento com o Banco Mundial: o Educar, para desenvolvimento da Educação e gestão pública no Estado, no valor de US$ 154 milhões; o Projeto Pernambuco Rural Sustentável (Prorural), no valor de US$ 100 milhões, e o Projeto de Sustentabilidade Hídrica do Estado de Pernambuco (PSH-PE), no valor de US$ 190 milhões.


Sigilo impediu Graça de revelar corrupção da SBM

A Petrobras divulgou nota nesta quarta-feira (26) contrariando as acusações feitas pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM) de que a presidente da empresa, Graça Foster, teria mentido ao Congresso sobre irregularidades no contrato firmado com a holandesa SBM para o afretamento de sondas e plataformas.

Segundo o deputado, Graça teria afirmado não ter conhecimento das irregularidades, mas, neste mês, admitiu ter sido informada pela própria SBM que a empresa teria pago propina para ser beneficiada em contrato com a estatal. Mas a estatal argumenta que Graça não informou anteriormente ter conhecimento do caso por questão de sigilo.

A Petrobras informou que Graça teve conhecimento de desvio de recursos pela primeira vez por meio da imprensa, em fevereiro, quando determinou a abertura de uma auditoria interna, que, por fim, não encontrou nenhuma irregularidade nos contratos com a SBM. Em 23 de maio teria recebido telefonema do presidente da SBM, que admitiu o pagamento de propina, e, quatro dias depois, a confirmação chegou em carta enviada pela empresa holandesa.

“Neste momento em que a empresa SBM fechou acordo com o Ministério Público da Holanda e este, em 12/11/2014, deu publicidade às informações referentes a existência de pagamentos indevidos no Brasil, entendeu-se que a menção ao recebimento dessas comunicações não estaria mais sob sigilo. Até hoje a Petrobras não conhece oficialmente quem poderia ter recebido o suposto suborno e o respectivo valor”, afirma a Petrobras, em nota.

(Fonte: Estadão Conteudo)


Engenheiro diz ter sido consultor de empreiteira

O engenheiro Shinko Nakandakari foi consultor da empreiteira Galvão Engenharia, afirmou seu advogado, Rogério Fernando Taffarello. “Ele (Nakandakari) foi procurado pela Galvão Engenharia com a finalidade de fazer consultoria para buscar o reequilíbrio financeiro de contratos (com a estatal). Jamais atuou como pessoa interposta da Petrobras ou qualquer órgão público”, disse o defensor.

A informação contrapõe a versão da defesa do executivo Erton Fonseca, da Galvão Engenharia, que alegou ter sido ameaçado por Nakandakari a pagar R$ 8,3 milhões em propinas. Segundo Fonseca, o engenheiro era “emissário” da Diretoria de Serviços da Petrobrás. “O sr. Shinko não era e nunca foi emissário (da Diretoria de Serviços)”, disse Taffarello. “Ele é um engenheiro conhecido e respeitado no mercado, formado pela Escola Politécnica. Fez carreira internacional. Possui uma trajetória de décadas de grandes obras de infraestrutura.”

Nakandakari recentemente tornou-se consultor e foi requisitado por algumas empreiteiras, segundo o advogado. “A Galvão Engenharia o procurou. Ele prestou consultoria para a Galvão. É diferente de ser emissário (da Diretoria de Serviços da Petrobras)”, disse Taffarello.

Nakandakari esclareceu, por seu advogado, que para participar das concorrências na Petrobras a Galvão “tinha que jogar o preço lá embaixo”. Segundo o advogado, durante a execução do contrato, “por vezes era necessário buscar um aditivo, que é um direito licitatório previsto expressamente, para buscar o reequilíbrio econômico financeiro, com as devidas justificativas, quando fosse o caso”.

“Essa verdadeiramente a finalidade da consultoria, a natureza do serviço da consultoria que o sr. Shinko prestava”, afirma o advogado. Segundo ele, “como o sr. Shinko fez uma carreira em obras de infraestrutura e é um engenheiro renomado, ocasionalmente foi procurado pela Galvão e prestou o serviço”. “Ele não deveria estar na operação (Lava Jato). Não o consideramos numa situação equiparável a de outros (empreiteiros). Está sofrendo um grande desgaste.”

(Fonte: Estadão Conteudo)


Matuto divulga balanço de gestão do primeiro biênio

Prefeito do Paulista realizou uma coletiva de imprensa para falar de ações no município(Foto: Divulgação/Assessoria)

O prefeito do município do Paulista, Junior Matuto (PSB), prestou contas e divulgou o conjunto de ações realizadas nos dois primeiros anos de sua gestão. De acordo com o socialista, a sua administração tratou de quatro eixos temáticos: saúde, educação, cidades e pessoas.

“O grande desafio da gestão foi olhar pra cidade como um todo. Para isso, construímos um processo político participativo nos quatro cantos da cidade. Também considero que foi muito proveitoso adotar o modelo bem sucedido de monitoramento do Governo do Estado na gestão municipal”, avaliou Junior Matuto.

No balanço das obras realizadas constavam na área de saúde a construção de oito novas unidades, a revitalização de 13 centros médicos e reforma de outros cinco postos, totalizando. O programa Remédio em Casa também foi lembrado pelo socialista.

Outras ações no setor de educação (como a aquisição de quatros ônibus escolares), infraestrutura (obras de calçamento e pavimentação de 30 ruas), mobilidade urbana (com a compra de novos veículos), serviços públicos (modernização da frota da iluminação pública) foram destacas pelo prefeito Junior Matuto.


Vereadora protesta de forma inusitada em Aracaju

Vereadora exibiu uma calcinha (Foto: Reprodução/Facebook)

A vereadora de Aracaju Lucimara Passos (PCdoB) subiu à tribuna da Câmara, na terça-feira (25), e discursou em tom de crítica ao também vereador Agamenon Sobral (PP). Em uma fala inusitada e em forma de protesto, a parlamentar tirou uma calcinha do bolso e mostrou aos colegas presentes. O discurso fez alusão ao dia 25 de novembro – Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher.

Durante o discurso, ela chegou a chamar o progressista de “criminoso” e o desafiou a lhe dar “uma surra”. Isso porque, na semana passada, ele teria chamado uma mulher que quis se casar sem a peça íntima de “vagabunda” e teria dito ainda que ela merecia “uma surra”.

Direcionada ao vereador, ela solta: “Hoje vim com um vestido mais curto. Também trouxe a minha calcinha no bolso. Alguém pode me chamar de vagabunda? Alguém pode dizer que tenho de ser surrada?”

A vereadora ainda questionou os parlamentares afirmando que eles não poderiam julgá-la ou “julgar uma mulher pela roupa que ela veste, em função da calcinha que usa ou se não usa. Isso não define o meu caráter”.

Ainda no discurso, ela pede punição ao colega e diz que ele já cometeu vários crimes na tribuna, entre os quais, afirmar que “tinha de pendurar bandido de cabeça para baixo”. “E essa Casa não fez nada para puni-lo “, afirmou.


PRB deve pleitear novo ministério

Em busca de maior representatividade no Governo Federal, o PRB deve pleitear um novo ministério na nova gestão da presidente Dilma Rousseff (PT). Atualmente, o partido está à frente da pasta de Pesca, que é comandada pelo pastor Eduardo Lopes (PRB).

“Em conversa com o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, ele me confessou que o partido vai querer um ministério maior que o da Pesca”, disse uma fonte parlamentar.

Vale lembrar que o Ministério da Pesca é suspeito de fraudar alianças. A Polícia Federal e o Ministério Público (MP) investigam uma denúncia de que houve um derrame de carteiras de pescador, para as pessoas que não praticam a atividade pesqueira, no período eleitoral.

No Estado, o PRB esteve ao lado do senador Armando Monteiro Neto (PTB), nas eleições para governador.


Câmara barra sistema de avaliação de alunos

Por Anderson Bandeira
Da Folha de Pernambuco

A Câmara do Recife rechaçou qualquer pretensão ainda este ano de aperfeiçoar a rede municipal de ensino criando um sistema de avaliação dos estudantes. Isso porque a emenda parlamentar do vereador André Régis (PSDB), que previa a implantação de um modelo de avaliação sem custos a gestão, foi rejeitada pela ampla bancada governista em sessão plenária. O sistema se baseava em moldes europeus trazidos pelo parlamentar durante passagem pelo Velho continente para conferir as novidades do setor para exportar.

Na justificativa do tucano, ele atestava que a ferramenta pretendia aperfeiçoar o sistema possibilitando a avaliação e evitando, com isso, que alunos passassem de serie sem saber ler ou escrever. Essa situação, inclusive, segundo ele, é um dos grandes problemas da atual rede municipal de ensino.

No seio da comissão de finanças, o texto do vereador chegou a ser alterado, tornando-se uma subemenda, e aprovado. No entanto, colocada em votação, a proposição, que estava inserida no Plano Plurianual (PPA) 2014-2017, foi despachada pela bancada governista seguindo a orientação do Governo. Antes disso, o autor da proposta chegou a questionar em plenário qual seria o papel dos parlamentares se não pudesse propor um sistema tão importante para a rede de ensino.

“Eu não sei qual a relevância desta Casa se ela não puder, no PPA, indicar que a Prefeitura seja obrigada a fazer o que é dever dela. Enquanto não dermos atenção à educação, estaremos discutindo temas irrelevantes e não o futuro”, argumentou Régis.

Mas, ao final, de nada valeu a retórica e o questionamento entoado pelo tucano. Venceu o governo com o rolo compressor. Porém, ao membro da bancada de oposição um alento: A votação foi bastante apertada – 19×12 – demonstrando a simpatia que muitos dos seus pares tiveram com o texto. Vale sublinhar que apesar da derrota da bancada oposicionista, os petistas já começam a tomar cara de oposição, votando em peso a favor da proposição.


Oposição em duas faces

Márcio Didier

O bate-boca que protagonizou com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), nesta quarta-feira (26) é mais uma etapa da postura mais incisiva adota pelo deputado federal pernambucano Mendonça Filho desde que foi alçado ao cargo de líder do DEM na Câmara Federal.

No debate sobre o projeto que altera a meta fiscal proposto pelo Governo, o parlamentar apareceu à frente das articulações da oposição e vem peitando a gestão da presidente Dilma Rousseff numa ação mais afirmativa.

Mas a atuação mais firme contra o Governo começou a ser desenhada, ainda antes da eleição, na luta pela instalação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar desmandos da Petrobras. Diante da possibilidade de o governo tratorar as investigações no Senado, a oposição conseguiu instalar uma comissão mista, tendo Mendonça participação ativa.

Mas uma análise mais tranquila dessa postura aponta que o parlamentar do Democratas não faz nada além do que lhe foi delegado pelas urnas: ser oposição e travar o bom debate, necessário para qualquer democracia.

Talvez se tivesse adotado a mesma postura no Estado, quando as urnas empurraram o partido para a oposição, o DEM não tivesse passado pelo processo de inanição em Pernambuco, que sofre desde 2006, quando o próprio Mendonça foi derrotado por Eduardo Campos.