Geral

Missa é marcada por homenagens a Eduardo Campos

Publicado por Branca Alves, em 13.09.2014 às 20:44

Filha de Eduardo e Renata Campos leu uma mensagem em nome da família (Foto: Felipe Ribeiro/Folha de Pernambuco)

Na data que marca um mês da morte do ex-governador de Pernambuco e ex-presidenciável Eduardo Campos (PSB), familiares, amigos, admiradores e correligionários se reuniram, no fim da tarde deste sábado (13), em uma missa em homenagem ao socialista, na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Casa Forte. O ex-governador faleceu vítima de grave acidente aéreo em Santos (SP).

Renata Campos, ex-primeira-dama do Estado, esteve acompanhada todo o tempo pelos cinco filhos do casal – Maria Eduarda, João, Pedro, José e Miguel –; pela mãe de Campos, Ana Arraes; pelo irmão do ex-governador, Antônio Campos.

Assim como os familiares, muitos na igreja vestiam branco, cor que o ex-governador sempre trajava. Além do branco, houve quem vestisse camisas com a frase ‘Não vamos desistir do Brasil’ e adesivos de Marina Silva, candidata do PSB à Presidência, e Eduardo Campos.

Igreja estava lotada de familiares, amigos, admiradores e correligionários (Foto: Felipe Ribeiro/Folha de Pernambuco)

Entre as figuras políticas, o governador do Estado, João Lyra Neto (PSB), que chegou com atraso; o prefeito Geraldo Julio (PSB); o candidato da Frente Popular ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB), que também chegou quando a missa já havia começado; além do presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, Guilherme Uchoa (PDT), deputados e ex-secretários estaduais. A igreja estava lotada, inclusive com muitos presentes assistindo ao ato de pé. O presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro, foi prestar solidariedade à família, ao lado da esposa, Cláudia Portela.

Durante a missa, João, Pedro e José fizeram as leituras. Coube à filha Maria Eduarda, em nome da família, ler uma mensagem que havia sido publicada mais cedo no perfil oficial do ex-governador no Facebook. Neste momento, toda a família estava reunida para acompanhar a leitura, num dos momentos mais emocionantes da celebração. Ao terminar de ler o texto, visivelmente emocionada, ela foi bastante aplaudida pelos presentes e os familiares se abraçaram.

A missa foi celebrada pelo pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, padre Edwaldo, e pelo bispo emérito de Palmares, Dom Genival. Coube aos religiosos dar o tom político à ocasião.

Dom Genival falou sobre a importância do ‘homem público”. “Por sua natureza, a política percorre um caminho necessário ao bem comum”, disse. “Eduardo Campos seguiu uma vocação que o tornou um homem público. É bom que os homens e mulheres que já exercem e os que buscam o exercício do poder, pela via do voto, tenham clareza sobre a natureza do que é público”, continuou.

“A morte do ex-governador Eduardo Campos aconteceu em pleno processo eleitoral. As causas do acidente, ainda não totalmente esclarecidas ou pelo menos divulgadas, interromperam sua carreira política”, afirmou ele, que ainda lembrou os resultados do Ideb e o programa Mãe Coruja, comandado pela ex-primeira-dama Renata Campos.

Também na homilia, Padre Edwaldo pediu que se votasse com consciência e criticou a compra de votos. “Quem se oferece para comprar seu voto não presta. Quem vende seu voto não presta. Voto não se vende, não se compra”, declarou o religioso, sendo aplaudido. Ele ainda pediu que “entre os melhores, escolha o melhor”.







Missas lembram um mês da morte de Campos e de assessores

Publicado por Branca Alves, em 13.09.2014 às 15:32

Família de Carlos Percol se reuniu em cerimônia na Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem (Foto: Clemilson Campos/Folha de Pernambuco)

Por Luiz Filipe Freire, do FolhaPE, e André Filipe Baptista, da Folha de Pernambuco

Há exatos 30 dias aconteceu o trágico acidente que vitimou o ex-governador Eduardo Campos e os seus assessores. E como tradicionalmente ocorre, missas foram encomendadas pelas famílias. A do ex-governador Eduardo Campos será celebrada neste sábado (13), às 19h, na Paróquia Sagrado Coração de Jesus. A igreja, a mesma onde aconteceu a solenidade de sétimo dia, fica na Praça de Casa Forte, na Zona Norte do Recife. A cerimônia será presidida pelo padre Edvaldo Gomes, pároco local.

A família de Carlos Percol se reuniu no período da manhã em uma cerimônia na Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, na Zona Sul da capital pernambucana. “Não é um sentimento só. Não é só saudade, não é só tristeza. Mas também é gratidão por ter feito parte da história dele”, disse emocionada Ana Braga, irmã de Percol. Também estavam presentes na cerimônia as outras duas irmãs, e a mãe dele, Dona Alzira. A viúva do assessor e também jornalista, Cecília Ramos, está em São Paulo a trabalho, entretanto, ela deve participar de uma missa em homenagem ao marido, ainda neste sábado, na Paróquia de São Francisco de Assis, localizada no bairro de Vila Clementino.

Bruno Macena foi um dos amigos que compareceram ao rito de homenagem ao ex-jornalista. Nas mãos, ele trazia uma camisa do Sport Club do Recife – time para o qual Percol torcia – com o nome do amigo estampado. “Essa foi uma forma de lembrar da nossa amizade. Vários familiares ganharam uma réplica”, afirmou.

No fim da tarde, às 17h, a despedida será para o cinegrafista Marcelo Lyra, na Igreja Nossa Senhora da Piedade, em Santo Amaro, área central da Cidade. Já o fotógrafo Alexandre Severo foi lembrado em ato religioso na última quinta-feira (11).

Campos, Percol, Lyra e Severo morreram em um acidente aéreo em Santos, no litoral de São Paulo, no último dia 13 de agosto. Além do piloto e do copiloto, também estava na aeronave o assessor político sergipano Pedro Valadares. O avião tinha saído do Rio de Janeiro após compromissos de campanha do ex-governador de Pernambuco, que, um dia antes, fez sua última aparição na TV durante entrevista ao Jornal Nacional, da Globo, e ao Jornal das 10, da Globo News.

O corpo das vítimas só chegou ao Recife três dias após o acidente. Eduardo Campos, Carlos Percol e Alexandre Severo foram velados na Praça da República, em frente ao Palácio do Campo das Princesas, onde aconteceu uma missa campal presidida pelo arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. Já o corpo de Marcelo Lyra foi velado e sepultado no cemitério Morada da Paz, em Paulista, no Grande Recife, mesmo local onde, horas depois, ocorreu a cremação de Severo.

Já a despedida a Carlos Percol ocorreu no cemitério de Santo Amaro, na área central do Recife. O corpo de Eduardo Campos, por fim, foi enterrado no mesmo local, no fim da tarde do dia 17 de agosto, após quase 24 horas de velório e dois cortejos fúnebres acompanhados por cerca de 160 mil pessoas.







Família de Campos divulga nota sobre um mês de sua morte

Publicado por Branca Alves, em 13.09.2014 às 15:22

(Reprodução/Facebook)

A família do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo em 13 de agosto, publicou neste sábado (13) no perfil do ex-candidato à Presidência pelo PSB na rede social Facebook, uma mensagem em homenagem ao primeiro mês de seu falecimento.

O texto começa com a viúva de Campos, Renata, lembrando dos versos de Mário Quintana, citados por ele no último dia dos namorados. Na sequência, ela lembra que há um mês, “nossos filhos perderam um maravilhoso pai e eu, o melhor marido”. “Mas o Brasil ganhou um exemplo”, emenda.

“O Brasil lhe descobriu e chorou conosco sua perda”, segue o texto, acrescentando que Campos se tornou aquilo que acreditava, se transformando em seus ideais. “Sua vontade de melhorar a vida das pessoas, sua luta e sua resistência se transformaram em coragem para mudar. O homem se tornou ideia. E, como diz aquela frase de Victor Hugo que você tanto gostava ‘não há nada mais poderoso do que uma ideia cujo tempo chegou’.”

A mensagem finaliza com Renata e os filhos falando para que Campos fique tranquilo. “Sua bandeira é agora a bandeira de todos os brasileiros. Seu amor e sua dedicação são nossa maior herança. Não, não vamos desistir do Brasil sob hipótese alguma”, diz o texto, assinado por Renata e os filhos Maria Eduarda, João, Pedro, Zé e Miguel.

(Fonte: Estadão Conteudo)







Cartazes são rasgados e deixados em frente à casa da família Campos

Publicado por Branca Alves, em 13.09.2014 às 14:20

(Foto: Cortesia)

No dia em que completa um mês da morte do ex-governador de Pernambuco e ex-presidenciável Eduardo Campos (PSB), materiais de campanha que deveriam servir de propaganda eleitoral foram rasgados e deixados em frente à casa da família de Campos, no bairro de Dois Irmãos, Zona Norte do Recife.

Os cartazes danificados trazem imagens de Eduardo Campos e da atual candidata à Presidência pelo PSB, a ex-senadora Marina Silva, além do candidato da Frente Popular ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB). O material amanheceu em frente à casa da família Campos, mas já foi retirado do local.

Outros pontos da Zona Norte do Recife também amanheceram da mesma forma. Entre eles, a avenida Rosa e Silva e a Estrada do Arraial.

Neste sábado (13), uma missa será realizada em homenagem ao ex-governador, morto em grave acidente aéreo em Santos (SP), no dia 13 de agosto, na Paróquia de Casa Forte, no bairro de mesmo nome.

(Foto: Cortesia)







Confira os principais fatos que marcaram esta semana

Publicado por Branca Alves, em 13.09.2014 às 11:00

(Foto: Jedson Nobre/Folha de Pernambuco)

O senador Armando Monteiro Neto (PTB), candidato a governador pela coligação Pernambuco Vai Mais Longe, cobrou esclarecimentos de seu principal adversário, o postulante da Frente Popular, Paulo Câmara (PSB). As indagações focaram principalmente na questão da propriedade do jato Cessna que caiu em Santos vitimando o ex-governador Eduardo Campos (PSB), e a concessão de incentivos fiscais do Governo do Estado para a Bandeirantes Pneus. O senador ainda pediu a opinião de Paulo Câmara sobre uma série de denúncias que envolvem a compra do Cessna. Além disso, ele ingressou com uma representação junto ao Ministério Público Eleitoral (MPE), na quinta-feira (11), pedindo a investigação sobre a isenção fiscal dada à Bandeirantes Pneus e a ligação da empresa com o postulante Paulo Câmara (PSB). A Bandeirantes estaria envolvida na compra do jato Cessna.







Confira as manchetes dos principais jornais do País

Publicado por Branca Alves, em 13.09.2014 às 08:54

Folha de Pernambuco
Obras atrasadas, BRTs na garagem

Diario de Pernambuco
Petrobras abre 8.088 vagas para concurso

Jornal do Commercio
Petrobras no foco da disputa política

Folha de S. Paulo
Haddad recua e libera faixas de ônibus para táxis

Agora S. Paulo
INSS é proibido de cortar os auxílios conseguidos na justiça

O Estado de S. Paulo
Dilma tem 39% e Marina, 31% no 1º turno, diz Ibope

O Globo
Marina: PT pôs diretor para assaltar Petrobras

Correio Braziliense
Cresce a pressão pela renúncia de Arruda

Jornais internacionais

The New York Times (EUA)
Cientistas americanos preveem longa batalha contra Ebola

The Washington Post (EUA)
“Esta paz não irá durar”

The Guardian (Reino Unido)
“Eu fui abusada no orfanato. Eu denunciei, mas não houve apoio, aconselhamento, nem punições. Isto era comum”

Le Monde (França)
A ansiedade dos judeus da França frente ao impulso antissemita







Confira as manchetes dos principais jornais do País

Publicado por Branca Alves, em 12.09.2014 às 08:26

Folha de Pernambuco
Estado venderá energia

Diario de Pernambuco
Infância perdida; infância resgatada

Jornal do Commercio
Paulo Câmara cresce e puxa Fernando Bezerra

Folha de S. Paulo
Inflação só volta para o centro da meta em 2016

Agora S. Paulo
Troca de aposentadoria faz benefício subir do piso ao teto

O Estado de S. Paulo
Ata do BC vê inflação perto da meta só em 2016

O Globo
Marina: PT pôs diretor para assaltar a Petrobras

Valor Econômico
Produção elevada e preços baixos marcam a nova safra

Correio Braziliense
Arruda perde no TSE e está nas mãos do STF

Estado de Minas
Depois da tragédia, o risco ambiental

Jornais internacionais

The New York Times (EUA)
Árabes dão apoio fraco à luta contra o Estado Islâmico

The Washington Post (EUA)
Ameaça de multa do governo faz Yahoo ceder

The Guardian (Reino Unido)
Varejistas sob pressão para apoiar o voto contra a separação da Escócia

Le Figaro (França)
Déficits: Berlim se exaspera com os erros franceses

Le Monde (França)
Obama quer erradicar o Estado Islâmico na Síria







Confira as manchetes dos principais jornais do País

Publicado por Branca Alves, em 11.09.2014 às 08:35

Folha de Pernambuco
Paulo ultrapassa Armando

Diario de Pernambuco
CPI convoca delator da Petrobras

Jornal do Commercio
Tudo embolado

Folha de S. Paulo
Marina e Dilma empatam em 1º e 2º turno

Agora S. Paulo
Saiba conferir se o cadastro do INSS tem todos os seus empregos

O Estado de S. Paulo
Base aliada age para esfriar denúncias sobre a Petrobras

O Globo
Dilma desmoralizou a reeleição, acusa Aécio

Valor Econômico
Conta de luz pode subir para pagar indenizações

Correio Braziliense
Raça é uma só. Chega de preconceito

Estado de Minas
Alerta e problemas antes da tragédia

Jornais internacionais

The New York Times (EUA)
Obama, em discurso sobre o Estado Islâmico, promete reforçar ações contra militantes

The Washington Post (EUA)
Obama delineia luta contra Estado Islâmico

Le Figaro (França)
O naufrágio

Le Monde (França)
Governo paralisado pelo fracasso da política econômica

El País (Espanha)
Morre Emílio Botín, o homem que revolucionou o sistema bancário espanhol







TRF: Acusados por morte de Paiva devem ser julgados

Publicado por Márcio Didier, em 10.09.2014 às 21:00

Brasília – Por unanimidade, a 2ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região negou habeas corpus para os cinco militares acusados do assassinato e ocultação de cadáver do ex-deputado Rubens Paiva, em janeiro de 1971. Os desembargadores entenderam que a Lei de Anistia não se aplica a crimes de lesa-humanidade. O advogado Rodrigo Roca, que defende os militares, vai recorrer. A ação havia sido trancada por liminar concedida pelo desembargador Messod Azulay Neto, no fim de agosto. Audiências agendadas foram suspensas. Com a decisão dos desembargadores, a ação será retomada.

Os militares reformados José Antônio Nogueira Belham, Rubens Paim Sampaio, Jurandyr Ochsendorf e Souza, Jacy Ochsendorf e Souza e Raymundo Ronaldo Campos foram denunciados pelo Ministério Público Federal pelo homicídio doloso, ocorrido no Destacamento de Operações de Informações (DOI) do I Exército, na Tijuca, Rio de Janeiro, ocultação de cadáver, associação criminosa armada.

A procuradora Silvana Batini rebateu, durante a audiência, os argumentos da defesa, segundo os quais os crimes estão prescritos e se enquadram naqueles perdoados Lei de Anistia. “A primeira tese do MPF é que a Lei de Anistia, promulgada em 1979, não pode ter efeito para o futuro, não pode pretender alcançar e extinguir a punibilidade de crimes que não estivessem suficientemente exauridos na data de sua entrada em vigor”, afirmou.

Em nota divulgada pelo MPF, Silvana considera a decisão “histórica”. “Foi a primeira vez que a Justiça brasileira reconheceu que determinados crimes cometidos durante o período da ditadura militar configuram crimes contra a humanidade. E o Brasil é signatário de convenções internacionais que afirmam que os crimes contra a humanidade são insuscetíveis tanto da prescrição quanto da anistia”, afirmou a procuradora.

Em seu voto, o desembargador federal Messod Azulay, afirmou que a Lei de Anistia não foi tão ampla, já que excluiu crimes praticados por militantes armados. “Se a Lei de Anistia não alcançou militantes armados, não pode ser interpretada favoravelmente àqueles que sequestraram, torturaram, mataram, e ocultaram corpos pelo simples fato de terem agido em nome da manutenção do regime”, afirmou. Seu voto foi acompanhado pelos desembargadores André Fontes e Simone Schreiber.

O advogado Rodrigo Roca, que defende os cinco militares, informou que vai entrar com recurso ordinário constitucional no Superior Tribunal de Justiça. “Essa é uma decisão entre outras, e vai ser respeitada. Mas vamos recorrer. Em outros casos, como Mário Alves (morto no quartel de Polícia do Exército, na Tijuca) o atentado do Riocentro e o Araguaia, os desembargadores foram favoráveis à tese da defesa. Não existe Tribunal do Júri federal as penas estariam prescritas e a Lei de Anistia incide sobre o caso”, afirmou Roca.

(Fonte: Estadão Conteúdo)







Câmara de Gravatá cria Fundo Especial para o Interior

Publicado por Alex Ribeiro, em 10.09.2014 às 17:00

A Câmara de Vereadores do município de Gravatá aprovou a criação do primeiro  Fundo Especial do Nordeste que atuará no interior de Pernambuco. A FECAM terá como principais fontes de receitas os saldos orçamentários nos finais dos exercícios e os resultados das aplicações realizados nos bancos.

Por outro lado, os valores resultantes dessas receitas para a FECAM estão vinculados às despesas como a capacitação de servidores públicos, aquisição de bens, reformas em seus prédios e construção de sede própria, sendo terminantemente proibido pela lei que o criou, pagamentos de folhas de pessoal ou gratificações de qualquer tipo.

O fundo ainda rege-se pela fiscalização tanto interna, pelo Conselho de Administração e o Conselho Fiscal, quanto externamente, pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE).

O Projeto de Lei que aprovou a criação da FECAM foi aprovado em primeira e segunda votação na última terça-feira (9) na Casa Legislativa de Gravatá. Ela tem como base legal o artigo 167 inciso IX da constituição federal, além do art. 71 da lei 4.320/64.

No Nordeste, apenas as câmaras de Recife, Salvador e Fortaleza, e no norte, Manaus, instituíram os seus Fundos Espaciais.







Confira as manchetes dos principais jornais do País

Publicado por Branca Alves, em 10.09.2014 às 08:15

Folha de Pernambuco
Cai o número de alunos que conseguem se formar

Diario de Pernambuco
Onde os imóveis mais se valorizaram no Recife

Jornal do Commercio
Esquenta a guerra de acusações

Folha de S. Paulo
Agência de risco Moody’s ameaça cortar nota do Brasil

Agora S. Paulo
Justiça confirma antecipação dos atrasados da revisão dos auxílios

O Estado de S. Paulo
Pela 1ª vez em 10 anos, cai nº de formandos no ensino superior

O Globo
Número de formandos no ensino superior cai 5,7%

Valor Econômico
Minério em queda pode comprometer projetos

Correio Braziliense
Arruda sofre nova derrota na Justiça

Estado de Minas
Quando a Justiça é o único remédio

Jornais internacionais

The New York Times (EUA)
Obama pronto para autorizar ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria

The Washington Post (EUA)
Obama pronto para atacar insurgentes na Síria

The Guardian (Reino Unido)
Líderes trabalhistas vão à Escócia

Le Monde (França)
Ebola: bem-vindo ao inferno

El País (Espanha)
Alaya prepara outro grande processo contra corrupção na Andaluzia

Clarín (Argentina)
Dívida: aprovada a lei que permite o pagamento pelo Banco Nación







Aécio pede “devassa” na Petrobras

Publicado por Márcio Didier, em 9.09.2014 às 16:42

(Foto: Orlando Brito/ Coligação Muda Brasil)

O candidato a presidente Aécio Neves (PSDB) disse nesta terça-feira (9), em Goiânia (GO), que, se eleito, pretende fazer uma devassa na Petrobras para investigar práticas de corrupção na empresa. Ele também acusa o Palácio do Planalto de ter “fraudado a CPI” para que não viessem a público escândalos na estatal. “(Faria uma devassa) sem dúvida, faria uma auditoria direto. E nós não vamos fazer como a presidente Dilma Rousseff que fez que olhou e disse que estava tudo bem. E não será apenas devassa. Vamos devolver a Petrobras para os brasileiros”, prometeu.

O tucano, que está em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto e aposta nos novos escândalos da Petrobras para recuperar espaço político definindo-se como a verdadeira oposição, falou em fraude na CPI. “Agora compreendo porque o Palácio (do Planalto) se envolveu, junto com a direção da Petrobras, para fraudar a CPI. Os funcionários do governo quiseram fazer uma blindagem dos depoentes que foram convocados a depor, fraudando a CPI. Está aí: temiam que esse descontrole da empresa viesse à luz. Será que ninguém sabia?”, perguntou o candidato.

E atacou a petista diretamente. “Ela (Dilma) comandou a Petrobras com mão de ferro e fazia questão que todos soubessem, como ministra de Minas e Energia e presidente do conselho. Quando foi para a Casa Civil não transferiu a presidência do conselho para o ministro de Minas e Energia, preferiu ela continuar como presidente do conselho, e depois como presidente da República. Nunca escondeu de ninguém que ela é que mandava.”

(Fonte: Estadão Conteúdo)







Confira as manchetes dos principais jornais do País

Publicado por Branca Alves, em 9.09.2014 às 08:49

Folha de Pernambuco
Chuva; Frio; Perigo

Diario de Pernambuco
CPI e Petrobras querem as gravações

Jornal do Commercio
Risco de ficar de novo sem ônibus

Folha de S. Paulo
Dilma diz que nunca soube de ‘malfeitos’ na Petrobras

Agora S. Paulo
Saiba como barrar descontos indevidos na aposentadoria

O Estado de S. Paulo
Se houve desvio na Petrobras, ‘sangria estancou’, diz Dilma

O Globo
Dilma diz que ‘não tinha a menor ideia’ de crimes na Petrobras

Valor Econômico
Reativação americana já reduz o déficit bilateral

Correio Braziliense
Corrupção na Petrobras chega no horário nobre

Estado de Minas
Em meio à crise, Dilma rifa Mantega

Jornais internacionais

The Washington Post (EUA)
Cresce o apoio aos ataques americanos

Le Figaro (França)
Le Drian: “Devemos intervir na Síria”

Le Monde (França)
Impostos: mais de um milhão de casas reivindicam redução ao Fisco

El País (Espanha)
Rajoy diz possuir lista de medidas para impedir plebiscito na Catalunha

Clarín (Argentina)
Troca de acusações entre a presidente e as automotivas







Confira as manchetes dos principais jornais do País

Publicado por Branca Alves, em 8.09.2014 às 08:26

Folha de Pernambuco
Corrupção na Petrobras incendeia campanha

Diario de Pernambuco
O efeito Petrobras

Jornal do Commercio
Dia D para os rodoviários

Folha de S. Paulo
Apesar da crise, USP é a líder em 20 dos 40 maiores cursos

Agora S. Paulo
Confira os documentos que garantem a aposentadoria

O Estado de S. Paulo
Campanhas redesenham estratégia após delação

O Globo
Campanha de Dilma muda após delação de corrupção bilionária

Correio Braziliense
Políticos denunciados fogem do 7 de setembro

Jornais internacionais

The New York Times (EUA)
Destruir ISIS pode levar anos, dizem oficiais dos EUA

The Guardian (Reino Unido)
Última posição para manter a união

El País (Espanha)
Londres oferece mais direitos a Escócia ante ao auge separatista







Jarbas pede cautela com a denúncia

Publicado por Márcio Didier, em 7.09.2014 às 17:10

(Foto:Reprodução)

Assim como o candidato da Frente Popular ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB), o senador e candidato a deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB) divulgou nota em que pede cautela em relação às supostas denúncias de Paulo Roberto Costa. Para ele, o envolvimento do nome do ex-governador Eduardo Campos tem como “único objetivo atingir a candidatura de Marina Silva”.

“É necessário ter toda a cautela possível com essa inclusão do nome de Eduardo Campos nesse novo escândalo na Petrobras promovido pelo Governo do PT. Eduardo não está mais aqui para se defender. Ele se afastou do Governo justamente por discordar desse tipo de prática”, iniciou a nota, Jarbas Vasconcelos.

O senador afirma que Paulo Roberto fará de tudo para escapar da prisão, e que escolhe desse ou daquele só visa “poupar os principais pela degradação ética da estatal: o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff”.

“Não podemos aceitar que um réu confesso tente incluir nomes de inocentes nas falcatruas comandas pelo PT”, concluiu o senador.

Leia a nota:

Nota Jarbas Vasconcelos

É necessário ter toda a cautela possível com essa inclusão do nome de Eduardo Campos nesse novo escândalo na Petrobras promovido pelo Governo do PT. Eduardo não está mais aqui para se defender. Ele se afastou do Governo justamente por discordar desse tipo de prática.

O Paulo Roberto vai fazer de tudo para escapar da prisão e escolher este ou aquele, visando poupar os principais responsáveis pela degradação ética e administrativa dentro da maior estatal brasileira: o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff.

A inclusão do nome de Eduardo nesse lamaçal do PT tem o único objetivo de atingir a candidatura de Marina Silva, que representa hoje a mais viável possibilidade de mudar tudo isso que o PT instalou no Brasil.
Não podemos aceitar que um réu confesso tente incluir nomes de inocentes nas falcatruas comandas pelo PT.

Jarbas Vasconcelos
PMDB-PE