Política

O PSOL-PE lançou uma nota se solidarizando com os artistas locais que possivelmente denunciaram uma suposta cobrança de propina para contratação no São João do Governo do Estado. Na terça (23) dois homens, que se identificaram como os cantores André Rio e Cezzinha, se mostraram insatisfeitos com a contratação de shows em áudios divulgados por um grupo de Whatsapp de artistas locais.

Na sexta (24), o deputado federal Daniel Coelho (PSDB) e a deputada estadual Priscila Krause (DEM) também se solidarizaram com os artistas do Estado.

Leia a nota na íntegra:

O artista André Rio denunciou esquema de corrupção na Empetur e Fundarpe, em que artistas e grupos culturais teriam que repassar parte de seus cachês a agentes públicos.

Seria uma espécie de propina no meio artístico. A denúncia acontece em meio a um dos nossos maiores ciclos festivos e de contratação de artistas pelas agências do Estado, o ciclo junino, em que o caso Wesley Safadāo em Caruaru ganhou manchetes nacionais e, contraditoriamente, Alcymar Monteiro, artista genuinamente pernambucano e popular, está sendo boicotado.

O governo do Estado, através das secretarias de Turismo e Cultura, ao invés de esclarecer e se explicar, fez uma nota em tom ameaçador, isentando-se e jogando para terceiros quaisquer responsabilidades.

O PSOL solidariza-se com André Rio, Alcymar Monteiro, Cezzinha e demais artistas que estão se revelando contra estes desmandos na gestão da Cultura em nosso estado.

Estamos nesta luta também. Vamos exigir apuração das denúncias e explicações decentes do governador Paulo Câmara. Nossa arte e nossos artistas não podem ser achacados, chantageados, obrigados a participar de esquemas fraudulentos nos governos.


Nas redes sociais, deputada Priscila Krause se solidarizou com artistas (Foto: Divulgação)

Pré-candidatos à Prefeitura do Recife, o deputado federal Daniel Coelho (PSDB) e a a deputada estadual Priscila Krause (DEM) embarcaram na defesa dos artistas locais que possivelmente denunciaram uma suposta cobrança de propina para contratação no São João do Governo do Estado.

Na terça (23) dois homens, que se identificaram como os cantores André Rio e Cezzinha, se mostraram insatisfeitos com a contratação de shows em áudios divulgados por um grupo de Whatsapp de artistas locais.

O deputado Daniel Coelho alertou, em sua conta no Twitter, que o governador esteja atento ao caso.

 

Além de também se solidarizar, a deputada Priscila Krause pediu, em sua conta no Facebook,  o esclarecimento dos  fatos pelos órgãos fiscalizadores do Estado.

“Ofereço minha solidariedade à nossa classe artística, tantas vezes desprestigiada, aproveitando para solicitar aos órgãos fiscalizadores a efetivação de medidas que possam esclarecer os fatos, preservando assim um dos mais preciosos ativos de Pernambuco, a riqueza e diversidade cultural”, disse.


Depois de receber oito, Geraldo dá dez a Câmara

Publicado em 23.06.2016 às 12:10

Depois de receber uma nota oito do governador Paulo Câmara (PSB), o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), avaliou a gestão do correligionário de uma forma mais generosa. Segundo o chefe do Executivo municipal, “a nota dele, do governador Paulo Câmara, é dez, sem dúvida nenhuma”. O prefeito participou de encontro com representantes dos 50 projetos selecionados pelo Porto Social, na manhã desta quinta-feira (23).

Leia também:
Câmara dá nota 8 a Geraldo e menor a ele mesmo

Para sustentar sua avaliação, Geraldo Julio explicou que Pernambuco tem “uma sorte muito grande de estar sendo governado por Paulo Câmara” no atual momento de crise econômica.

“O Brasil passa pela crise econômica mais grave que já viveu em sua história e precisa de uma pessoa que saiba administrar, que saiba tomar conta de um governo do tamanho do Governo de Pernambuco num momento como esse, que as receitas são escassas, que a economia não tem dinâmica, saber cuidar das contas, saber priorizar, saber fazer os pagamentos daquilo que é prioritário, cortar onde é possível cortar e manter os serviços essenciais funcionando”, afirmou o prefeito.

O gestor ainda citou que o correligionário tem feito, ainda, inaugurações de obras, a exemplo dos terminais de integração e escolas técnicas entregues recentemente.

“Não tenho dúvida nenhuma que Pernambuco tem uma sorte muito grande de ter um governador como esse num momento como esse. A nota dele, do governador Paulo Câmara, é dez, sem dúvida nenhuma, exatamente porque ele é a pessoa certa para tomar conta do Estado de Pernambuco nesse momento. Não tenho dúvida que a nota dele é essa”, afirmou.

Geraldo Julio, no entanto, não quis fazer uma autoavaliação, a exemplo de Paulo Câmara. Nessa quarta-feira (22), Câmara disse que, “se eu fosse me autoavaliar, eu talvez me desse menos que oito”.

Com informações de Marcílio Albuquerque, da Folha de Pernambuco.


Por Renata Bezerra de Melo
Da coluna Folha Política

O governador Paulo Câmara assinou, na tarde desta quarta-feira (22), o ato de nomeação de Evandro Avelar que estará à frente, a partir de agora, da vice-presidência de Suape. Antes de formalizar o regresso do tucano ao Governo do Estado, o chefe do Executivo estadual telefonou para o presidente estadual do PSDB, Antônio Moraes comunicando. “Do meu ponto de vista, não traz nenhum tipo de incômodo”, avaliou o dirigente tucano.

Evandro fez várias consultas a amigos, familiares e lideranças políticas antes de desistir de concorrer à Prefeitura de Jaboatão. Considerou o volume de opções do prefeito Elias Gomes, que, até então, contava com quatro alternativas: Heraldo Selva, Mirtes Cordeiro, Conceição Nascimento, além do próprio Evandro. Agora, ficaram três opções.

Elias avisara que decidiria antes do São João, mas, agora, deixou o anúncio para o próximo dia primeiro de julho. Pretende fazer um ato com grande volume de lideranças presentes.


Silvio afirma que o PSB foi ingrato com a presidente Dilma (Foto: Divulgação)

Um dia depois de a Polícia Federal executar a Operação Turbulência, que investigou um esquema de financiamento ilegal para campanha do ex-governador Eduardo Campos, o deputado federal Silvio Costa (PTdoB) decidiu voltar à carga contra o PSB, partido do qual é adversário no Estado.

Em uma dura nota, o parlamentar classifica a legenda adversária de ingrata, cobra explicações sobre a operação da PF dos dois principais nomes da legenda no Estado, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, e o governador Paulo Câmara.

Um dos mais fiéis integrantes da tropa de choque da presidente afastada Dilma Rousseff lembrou, na nota, que as gestões socialistas receberam “inigualável apoio” dos Governo Lula e Dilma, que trouxeram grandes investimentos para o Estado.

“Em troca, os socialistas pagaram com a ingratidão. Seguindo as orientações do governador Paulo Câmara e do prefeito Geraldo Júlio, ambos do PSB, 19 dos 25 deputados da bancada de Pernambuco votaram a favor do impeachment da presidente Dilma na Câmara Federal”, disparou Silvio Costa.

O deputado do PTdoB diz lembrar que os parlamentares do PSB disseram que estavam votando pela saída da petista “para restaurar a ética no Brasil.

“Eles foram profundamente cruéis com uma mulher digna, que lutou pela democracia, não cometeu nenhum crime e foi eleita por 54 milhões de brasileiros”.

Ao afirmar que acompanha desde a manhã de terça-feira (21) o desenrolar da Operação Turbulência, Silvio diz que esperou ansioso um esclarecimento do PSB. “Mas, lamentavelmente, este partido está fugindo do debate, em um nítido desrespeito ao povo pernambucano e aos brasileiros. A Operação Turbulência, um dos maiores escândalos de corrupção do Brasil, não pode ficar sem esclarecimentos do Partido Socialista Brasileiro”, provocou.

Leia Mais


Em visita à Folha de Pernambuco, nesta terça-feira (21), o assessor chefe da presidência do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco, Henrique Melo explicou as mudanças que ocorrerão no pleito municipal deste ano. A campanha na rádio, TV, mídias sociais e a utilização de materiais foram explicados por Melo.

Confira vídeo:


A deflagração da Operação Turbulência, da Polícia Federal, trouxe a tona suspeitas de envolvimento de amplo esquema de lavagem de dinheiro no pagamento de propina da Refinaria Abreu e Lima e desvios de contrato de terraplanagem da Transposição do Rio São Francisco.

Essas investigações estão ligadas com inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) envolvendo o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), e do deputado federal Arthur de Lira e do senador Benedito de Lira, ambos de Alagoas.

De acordo com a delegada Andréa Pinho, o senador Fernando Bezerra Coelho teria sido responsável por aporte na campanha do governador Eduardo campos, segundo informação do processo que tramita no STF. Esse aporte teria sido pago no ano seguinte através de pessoas investigadas no esquema da Operação Turbulência.

“A OAS deposita R$ 18,8 milhões de uma das empresas de fachada sob suposto pagamento de terraplanagem da Transposição do Rio São Francisco. Na campanha de Eduardo Campos de 2014, esses dados da OAS, que estaria vinculado ao avião estaria vinculada a 2014. Fora isso, tem o (inquérito) do STF das obras da Refinaria Abreu e Lima”, afirmou.

“Não tem como informar a ligação dele (FBC) com as empresas de fachada. Isso (a investigação) é alvo de inquérito específico do STF. E o fórum apropriado é o tribunal”, disse, ainda, Andréa.

A suspeita é de que os recursos tenham sido retirados da Refinaria Abreu e Lima e de obras da Transposição do Rio São Francisco. O senador Fernando Bezerra Coelho é alvo de inquérito no STF por suposto envolvimento no esquema de corrupção da Operação Lava Jato. O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou, em delação premiada, que o parlamentar pediu R$ 20 milhões para a campanha de reeleição do então governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB).


Deputado diz que desde 2009 vem realizando cobrança aos gestores estaduais (Foto: Rinaldo Marques/Alepe)

As seis mortes ocorridas neste domingo (19) em acidente automobilístico na ponte sobre o Rio Canhoto, na PE-177, levaram o deputado Álvaro Porto a atacar a falta de empenho do governo do estado em sinalizar a rodovia e garantir segurança a quem trafega por ela. Em discurso na Assembleia nesta segunda-feira (20), ele destacou que desde 2009 cobranças vem sendo feitas aos gestores estaduais, mas sem resultado.

Lembrou que quando o governador Paulo Câmara esteve em Canhotinho em março deste ano, mostrou a ele, pessoalmente, os riscos oferecidos pela ponte e pediu urgência na sinalização.

“É impossível não me indignar e me associar aos milhares de moradores do Agreste Meridional, que estão exigindo uma atitude do Governo do Estado. Nas cidades, nas redes sociais e nas conversas, a queixa é geral. As pessoas estão, com toda razão, absolutamente revoltadas. E já ameaçam, inclusive, interditar a estrada e realizar, ela própria, o que o Estado não faz”, disse.

De acordo com o deputado, há quem planeje quebrar o asfalto para colocar tartarugas e até mesmo fazer uma lombada física nas proximidades da ponte. “Tenho conversado com as pessoas e pedi para que elas deem um prazo de uma semana para o Estado solucionar o problema”, acrescentou.

Diante desse quadro, o deputado fez um novo apelo ao Governo, à Secretaria de Transportes e ao DER e aproveitou para atacar o descaso da gestão com a situação.

“Em nome da população do Agreste Meridional, evitem novas mortes e que mais famílias sofram com o fim trágico dos seus entes queridos. Se não querem dar ouvidos a quem representa a região aqui na Assembleia, pelo menos se atentem aos pedidos dos moradores e ofereçam o mínimo de segurança a quem precisa trafegar pela PE-177”.

A estrada liga os municípios de Canhotinho e Angelim. De acordo com o parlamentar, “tragédias com vítimas fatais são tão recorrentes no local que a ponte passou a ser chamada de ‘ponte da morte’”. Morreram no acidente de domingo, Adelson Francisco Oliveira, de 44 anos; Irenilda Oliveira, 40 anos; Leigila Oliveira, 15 anos; Alex da Silva Oliveira, 17 anos; Anderson Henrique Madeira, 20 anos; e Josenido Bernardo de Souza, 41 anos.


No Uruguai, Humberto denuncia a descontinuidade democrática (Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco)

Os aliados da presidente afastada Dilma Rousseff mantêm a pressão sobre o presidente interino, Michel Temer. Após o afastamento do terceiro ministro da gestão do peemedebista, o senador Humberto Costa (PT-PE) afirmou que as demissões têm repercutido negativamente no mundo todo. O parlamentar está em Montevidéu para participar de reunião do Parlamento do Mercosul (Parlasul) e intensificar a pressão internacional sobre o Brasil por ruptura da ordem democrática.

“Vamos denunciar aqui no Uruguai a situação alarmante que o país vive. Não é possível que assistamos a tudo isso que as investigações estão mostrando sem tomar nenhuma providência. Eles rasgaram a Constituição Federal num ato antidemocrático para tirar uma presidenta legitimamente eleita pela maioria do povo brasileiro com o objetivo de barrar a Lava Jato e saírem impunes”, diz.

Segundo o senador, que é membro da Comissão Especial do Impeachment do Senado, autoridades públicas do mundo todo acompanham o processo de afastamento de Dilma Rousseff com preocupação, em meio a um quadro político que se agrava cada vez mais desde a saída da presidente.

“Com esse clima de quebra da ordem democrática, de protestos pelas ruas das cidades brasileiras contra o golpe aplicado a Dilma e de revelações da Lava Jato sobre tentativas de estancar a sangria das investigações, o Brasil não possui condições de sediar um evento de parlamentares do continente inteiro. Vamos organizá-lo em outro país”, comentou Humberto, que integra o Conselho de Administração do ParlAmericas.


Parlamentares acompanharam o senador durante a agenda (Foto: Divulgação)

Em visita a quatro municípios do Sertão pernambucano neste final de semana, o senador Armando Monteiro (PTB) ressaltou o papel de destaque que o partido visa obter na eleições de outubro. O petebista se reuniu com aliados e lideranças em Serra Talhada, no sábado, e em Betânia, Santa Cruz da Baixa Verde e Custódia, neste domingo.

“Essa campanha será feita com os recursos que a lei permite que sejam utilizados. Nós temos recursos modestos do fundo partidário e algumas contribuições de pessoas físicas que nós seguramente iremos mobilizar. Mas eu diria que contamos sobretudo com o entusiasmo, com a motivação política dos nossos companheiros, porque eleição se ganha primeiro com uma causa justa para defender, quando a gente tem de um compromisso com a comunidade e deseja servir e atender às expectativas da população”, afirmou o senador.

A agenda do senador começou no sábado (18), em Serra Talhada, onde conversou com o grupo de Nega Magalhães, pré-candidato pelo PTB à prefeitura do município. Neste domingo, o primeiro compromisso foi com Mário da Caixa (PTB), também postulante ao Executivo municipal. Em seguida, Armando esteve com os prefeitos de Santa Cruz da Baixa Verde, Tássio Bezerra (PTB), e de Custódia, Luiz Carlos Gaudêncio (PT) – ambos candidatos à reeleição. A agenda foi acompanhada pelo deputado federal Silvio Costa (PTdoB) e pelo deputado estadual Augusto César (PTB).

“Essas agendas foram de grande significado. O PTB possui hoje 70 pré-candidaturas a prefeito em todo o Estado. São pessoas que indiscutivelmente dispõem de credenciais para se apresentarem aos seus conterrâneos e se tornarem legítimos representantes no Executivo municipal. De nossa parte, eles terão toda a nossa solidariedade nessa caminhada. Estaremos juntos para construirmos grandes vitórias em outubro em todo o Estado”, comemorou Armando.

“Tenho muito orgulho de ter raízes sertanejas. Meu avô Agamenon Magalhães saiu dessa terra e percorreu todas as posições de destaque na vida pública brasileira. Governou Pernambuco, foi ministro do Trabalho e da Justiça, e deu exemplos de que é possível fazer a vida pública com dignidade, compromisso, honradez e bravura, que é a marca do povo sertanejo. A partir dessas raízes que a eleição tem um significado muito grande para nós. Por isso, estamos nos somando com essa frente política que se desenha nesta região. Vamos estar juntos na campanha e queremos estar sobretudo juntos para que possamos realizar grandes obras à frente das prefeituras”, concluiu o senador.


Senador diz que PV é alternativa diante da crise política (Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco)

Presente no encontro de lideranças do PV no Recife, neste fim de semana, o senador Álvaro Dias (PV) afirmou que diante da crise política e ética do País novos ‘azarões’ devem aparecer nas eleições municipais deste ano. Ao lado do pré-candidato à Prefeito do Recife pelo partido, Carlos Augusto, o parlamentar citou que a população está cansada do modelo político vigente.

“A população está a espera de novidades. Por isso eu vejo que o Carlos Augusto pode começar lá atrás, com 2% ou 3%, mas pode chegar la na frente”. Nós já tivemos esses episódios em outras eleições e me parece que o cenário atual está propício a repetição desse fenômeno, que é para buscar uma alternativa diferente”, explicou o senador.

Dias relatou que as questões sociais debatidas pelo PV o fizeram se filiar ao partido.

“É um partido diferenciado. Ele prioriza a questão ambiental, a questão de sociabilidade. Mas tem uma questão social importante: Essa questão de compatibilizar os interesses econômicos com a imprescindível questão da preservação ambiental, isso que diferencia, e o que me encantou a tomar essa passo de mudança e vir para o partido”, relatou.


E haja pedido para os ministros

Publicado em 19.06.2016 às 14:00

Mendonça Filho, Marcelo Calero e Bruno Araújo ouviram vários pedidos durante a festa de São João no Sítio Macambira, em Caruaru (Foto: Bruno Campos/Folha de Pernambuco)

Por Márcio Didier
Editor do Blog da Folha

Vida de ministro não é fácil. Por onde passam, ouvem pedidos. E foi assim na noite da última sexta-feira (17). Presentes à festa de São João promovida pelo ex-governador João Lyra Neto, no Sítio Macambira, em Caruaru, os titulares da pasta de Cidades, Bruno Araújo; de Educação, Mendonça Filho; e de Cultura, Marcelo Calero, quase não tiveram trégua.

Durante uma entrevista, Bruno Araújo foi interrompido por um casal que fizeram um pedido inusitado: “Ministro, faça um trem ligando Cauraru a Petrolina?”, indagou a mulher, complementando: “Acabamos de chegar da Itália e lá andamos muito de trem”.

O ministro, então, passou a um longo processo de esclarecimento, afirmando que há outras prioridades, outras urgências. De tão esquisito o pedido que uma pessoa próxima da conversa, comentou, em voz baixa.

“No dia que isso acontecer, e se acontecer, eu já terei morrido há muito tempo. O povo tem cada ideia”.

Evento foi promovido pelo ex-governador João Lyra e a deputada estadual Raquel Lyra (Foto: Bruno Campos/Folha de Pernambuco)

Pouco distante dali, Mendonça Filho era cercado por representantes do Instituto Federal de Pernambuco de Caruaru, que tinha uma série de pedidos a fazer e falavam sem pausa. O ministro pediu para um assessor anotar o número para entrar em contato em outro momento.

Mas o campeão de assédio foi o ministro da Cultura. Os políticos que já tinham tirado foto com os ministros pernambucanos, se espremiam para um registro com Calero, o último a chegar na festa, para usar nas redes sociais e na pré-campanha.

Eles só tiveram um pouco de tranquilidade quando sentaram protegidos pela mesa, de um lado e uma parede de um lado. Foi então que puderam comer e beber e curtir um pouco da festa.


Ministro faz balanço e volta a criticar Dilma

Publicado em 18.06.2016 às 16:40

Presente no São João da Macambira, promovido pelo ex-governador João Lyra (PSDB) e a deputada Raquel Lyra (PSDB), o ministro das cidades Bruno Araújo voltou a criticar a presidenta afastada Dilma Rousseff (PT). Em sua avaliação no primeiro mês a frente da pasta no governo interino de Michel Temer ele relatou que o legado deixado pela petista no ministério foi de ‘modelo de gestão ineficiente’.

Confira Vídeo:


Parlamentar palestrou no evento Brazil Forum UK 2016 (Foto: Divulgação)

O deputado federal Daniel Coelho fez, neste sábado (18), críticas ao sistema eleitoral brasileiro e aos partidos “sem ideologia política” que dificultam a realização de uma reforma política no País. Palestrando para uma plateia de estudantes durante o Brazil Forum UK 2016, na Universidade de Oxford, na Inglaterra, o parlamentar defendeu o fim das coligações eleitorais e disse que o sistema partidário brasileiro “está intrinsecamente ligado à corrupção”.

O evento começou na sexta-feira. Na mesa em que o pernambucano participou, também estiveram presentes o ministro do STF Luís Roberto Barroso, o deputado federal Alessandro Molon (REDE-RJ) e o ex-advogado-geral da União Luís Inácio Adams.

“A gente consegue identificar essa polarização entre PSDB e PT nas eleições presidenciais, mas quando a gente vai para o Parlamento é quando a gente percebe a fragilidade do nosso quadro político. A abertura de novos partidos, sem identidade ideológica e programática, virou um business no Brasil, virou um negócio. O cara faz um partido porque ali tem interesse, tem fundo partidário – que é dinheiro – e tem tempo de televisão a ser negociado em eleição, que vai virar a ocupação das estatais para fazer dinheiro através da corrupção”, criticou Daniel Coelho.

Segundo Daniel, embora seja polêmica, a cláusula de desempenho é essencial para a mudança no sistema atual.

“Há a necessidade de uma reforma política para a gente avançar na democracia brasileira. E eu não consigo ver uma reforma política, na nossa legislação, onde você precisa de 308 votos na Câmara dos Deputados, e você tem 29 partidos. Desses 29, vamos ser bem otimistas e dizer que quatro ou cinco têm posições ideológicas e programáticas. Na grande maioria, os outros estão ali por interesse, nesse jogo de ocupação de espaços. Dificilmente você cria um consenso com essa fragmentação, sem posição ideológica”, opinou.


Tadeu quer pressa na cassação de Cunha

Publicado em 17.06.2016 às 18:41

Socialista quer discutir outras pautas no plenário (Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco)

Crítico de Eduardo Cunha (PMDB), o deputado Tadeu Alencar (PSB) espera que a Câmara Federal consiga afastar rapidamente o peemedebista da presidência da Casa. Em entrevista à Rádio Folha FM 96,7, nesta sexta-feira (17), o socialista relatou que o parlamento precisa dar andamento em outras pautas que estão paradas por conta do empecilho político.

“Precisamos vencer rapidamente o episódio Cunha e fazer eleições para presidência da Câmara”, resumiu Alencar.

O parlamentar não acredita que o plenário da Casa não casse Cunha. “Se tem algum que é unanimidade nacional é o Eduardo Cunha, então espero que por muito pouco tempo o plenário faça o seu papel e casse Eduardo cunha, porque ele é indigno da função publica que ele foi delegada pelo povo brasileiro”, disparou.

O deputado Eduardo Cunha recorrerá a decisão do Conselho de Ética da Câmara – que encaminhou a votação de sua cassação no plenário -, à Comissão de Constituição e Justiça da Casa.