Política

Homenagem até 2 de outubro

Publicado por Branca Alves, em 20.08.2014 às 09:20

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Não será dividido entre Paulo Câmara e Eduardo Campos o programa eleitoral do candidato a governador do PSB, que terá sua primeira exibição hoje. A produção visa a consolidar uma presença viva do neto de Miguel Arraes sobre a Frente Popular e o Estado. A pauta não deve ser o que Eduardo Campos fez, mas as ações que ele, na visão figurada, está fazendo. Aposta é dar sobrevida ao seu modo de governar. Se Campos morreu, a lógica do vídeo de estreia será grifar que o projeto está vivo. A morte do líder-mor do PSB situou-se como marco para que o País todo o conhecesse. Transmitiu, ao mesmo tempo, a sensação de que as pessoas perderam o que mal tinham conhecido. A propaganda de Paulo Câmara, na tradução de membros da campanha, deve ser “uma declaração de amor do povo de Pernambuco a Eduardo Campos”. E as homenagens não devem cessar por aí. O guia deverá ser “todo em homenagem a Eduardo até o dia 2 de outubro”, revela um interlocutor da Frente Popular.







Fazendo o que Campos faria

Publicado por Branca Alves, em 19.08.2014 às 09:15

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Antes que Renata Campos chegasse à Blue Angel, ontem, o senador Jarbas Vasconcelos resumia: “A presença é importante. A ausência também”. Em outras palavras, a dimensão que Eduardo Campos tomou vai pesar, sim, no processo eleitoral. Alçada à condição de protagonista, “dona Renata” tem as missões de manter viva a imagem do marido e de pregar o engajamento. Há de inibir eventual debandada. O discurso de Renata durou pouco mais de dois minutos. Disse ter a sensação de ter que participar “por dois”, pediu empenho em favor do “time”. Antes do acidente, a Frente Popular já sentia aliados em cima do muro e o desafio maior era fazer o Estado saber quem era o candidato a governador abençoado por Campos, segundo ele próprio. Se o risco de perder espaço para o adversário já era iminente, com a partida do líder-mor, qualquer 24 horas a menos poderia fatal, uma vez que em política não existe espaço vazio. Eduardo Campos, se vivo estivesse, não esperaria – teria, logo, chamado o feito à ordem.







Senado adia sessão solene em homenagem a Campos

Publicado por Branca Alves, em 18.08.2014 às 19:32

Agência Brasil (Brasília) – A sessão solene do Senado que iria homenagear o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República Eduardo Campos, na próxima quarta-feira (20), foi adiada. A previsão é que a homenagem ocorra no dia 2 de setembro, quando a Casa estará em semana de esforço concentrado.

O líder do PSB no Senado, Rodrigo Rollemberg (DF), disse que solicitou ao presidente Renan Calheiros (PMDB-AL) o adiamento da sessão porque ela aconteceria no mesmo horário em que o partido estará reunido para definir o futuro da chapa presidencial.

Eduardo Campos morreu em um acidente de avião na última quarta-feira (13). A candidata à vice-presidente, Marina Silva, deve assumir a cabeça de chapa no lugar de Campos. O partido se reunirá novamente na quarta-feira à tarde para definir oficialmente as candidaturas.

“Tem um perfil já definido [para ser vice] que é o de ser uma pessoa ligada organicamente ao partido, ser da confiança de Eduardo Campos e ter uma boa relação com Marina Silva”, disse hoje o líder.

Um dos nomes mais cotados para assumir o posto é o deputado Beto Albuquerque (PSB-RS). Segundo Rollemberg, Albuquerque reúne essas características. No entanto, outros nomes também estão sendo sondados, de acordo com o líder.

Rollemberg disse ainda que a opinião da viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, “é muito importante” e que ela será consultada sobre a escolha do vice. Renata está sendo cotada como uma das pessoas que poderá assumir a candidatura.







Renata fala da importância de eleger majoritária

Publicado por Branca Alves, em 18.08.2014 às 14:50

Um dia após o sepultamento do ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB), a ex-primeira-dama do Estado Renata Campos participou de reunião com as principais lideranças aliadas, nesta segunda-feira (18), e declarou engajamento na campanha da chapa majoritária da Frente Popular. Em um discurso curto, lido para os militantes que lotavam o salão, ela afirmou: “Vim porque sei da vontade dele (Eduardo) e da importância de eleger Paulo, Raul e Fernando e todo esse time”.

“A gente comentava sempre, depois de todos esses anos, de tanto trabalho, de tantas coisas feitas, de tantas transformações, sabendo que muita coisa ainda precisa ser feita, outras consolidadas, a gente pensava ‘precisamos garantir essa vitória’. Pois só assim é possível ver esse sonho ir adiante. Acho que só depende de nós. Estou aqui com Duda, João, Pedro, José e Miguel para dizer: Paulo, Raul e Fernando, contem com a gente”.

A ex-primeira-dama justificou a sua ida ao evento. Ela lembrou que esteve em vários momentos ao lado do marido, como aconteceu quando ele pediu para que fosse agendada a reunião. Disse também que, depois da tragédia, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, perguntou o que deveria ser feito. “Mantém tudo como ele queria”.

Ela argumentou que, como sempre participou de campanhas, não será diferente nessa. “Pelo contrário, tenho a sensação que tenho que participar por dois”, afirmou.

Em vários pontos do discurso, ela lembrou do marido. “Pode parecer que o nosso maior guerreiro não está na luta, mas seus sonhos estarão sempre vivos em nós”, disse. E agradeceu a força e o carinho recebidos pela família do povo pernambucano.

Ao final, ela disse que não desistiria do Brasil. “Fica tranquilo, Dudu. Teremos a sua coragem para mudar o Brasil. Não desistiremos do Brasil. É aqui que cuidaremos dos nossos filhos”.







Do adeus, a duas novas campanhas

Publicado por Branca Alves, em 18.08.2014 às 09:45

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Entre o dia da queda do avião de Eduardo Campos, na última quarta, e o domingo, no qual o Recife assistiu ao imponderável – uma caminhada, no meio da campanha eleitoral, destinada a conduzir o caixão do ex-governador até o cemitério de Santo Amaro – passaram-se quatro dias. Tempo suficiente para que as campanhas das coligações “Frente Popular” e “Unidos pelo Brasil” tenham sido resetadas. O enterro do neto de Miguel Arraes, ontem, deu sobrevida a um projeto de terceira via, na corrida presidencial, com Marina Silva à frente. Simultaneamente, em Pernambuco, o processo sucessório, liderado pelo PSB, também fez o caminho de volta à estaca zero. Numa inversão da lógica original, agora, é Eduardo, que empurrado pela comoção popular, impulsiona Marina. No Estado, o reinício é marcado pela transição do papel da viúva, Renata Campos: de coadjuvante passa à protagonista. Em sinal de que assume as rédeas, ela fará o primeiro chamamento à tropa, hoje, às 10h, na Blue Angel.







Lyra: temos que dar continuidade ao projeto de Eduardo para o Brasil

Publicado por Branca Alves, em 17.08.2014 às 14:04

Por Luiz Filipe Freire, do FolhaPE

Após a missa em homenagem a Eduardo Campos, o governador de Pernambuco, João Lyra Neto, disse estar impressionado com as manifestações de carinho que partiram da população desde a chegada do corpo do político, na noite do último sábado (16). “Foi uma coisa fantástica, manifestações de crianças, adolescentes, homens e mulheres, todos chorando emocionados, agradecendo por tudo aquilo que Eduardo Campos fez pelo povo pernambucano e queria fazer pelo povo brasileiro”, disse, se referindo ao cortejo fúnebre realizado após o desembarque do caixão na base aérea do Recife.

Lyra também agradeceu o empenho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, na liberação dos corpos do ex-governador e de assessores do político, e lembrou da trajetória que teve ao lado de Campos nas eleições de 2006 e 2010. “Agora, nós temos que dar continuidade ao projeto que ele realizou em parte e pensou para o Brasil, mesmo sentindo sua falta. Eduardo, não vamos desistir do Brasil. Vamos em frente”, declarou.







Antônio Campos retrata coincidência histórica

Publicado por Branca Alves, em 17.08.2014 às 13:30

Por Marília Neves, do Blog dos Concursos

“Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo”, disse o poeta Carlos Drummond de Andrade. A frase está gravada no túmulo de Miguel Arraes, mesmo local onde será enterrado o neto dele, Eduardo Campos, falecido no último dia 13 de agosto, mesma data em que morreu Arraes, há nove anos, relembrou o único irmão do candidato à Presidência da República, Antônio Campos.

Ele, que também é filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), falou com a imprensa logo após a missa de corpo presente, realizada neste domingo (17), no Palácio do Campo das Princesas, sede do Governo do Estado, situado na Praça da República, Área Central do Recife.

“Infelizmente os dois faleceram no mesmo dia, dia 13 de agosto, o que é algo simbólico. E essas duas árvores – de tanta luta -serão sepultadas lado a lado, onde está uma frase do profeta Drummond, de predileção do meu avô Miguel: “tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo”. Duas mãos e o sentimento do mundo que tiveram Arraes e Eduardo, numa sensibilidade social de sempre se ligar às causas dos menos favorecidos”, falou Antônio.







Projeto de renovação interrompido dia 13

Publicado por Branca Alves, em 17.08.2014 às 08:36

Por Carol Brito
Da Folha de Pernambuco

Com 49 anos de idade e carreira política em ascensão, o ex-governador Eduardo Campos liderava processo de renovação de quadros no Estado, particularmente no PSB. Comandante de uma ampla base de apoios e grande popularidade, ele utilizava seu capital político para iniciar a formação de novos quadros, que viviam à sombra das suas estratégias e decisões. O socialista investiu no lançamento de nomes da cozinha da sua gestão e com perfil técnico na expectativa que seus apadrinhados assumissem a liderança da Frente Popular no futuro. Entretanto, o processo foi interrompido com sua morte prematura e os representantes da coligação terão que aprender a andar com suas próprias pernas.

Apesar de nenhum dos seus seguidores terem a liderança necessária para assumir o posto deixado por ele, restará aos remanescentes da aliança conduzir o último processo de renovação iniciado por Campos: a eleição do candidato ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB). Sem alguém que assuma de imediado a condução, a avaliação é que as decisões terão de ser tomadas de forma conjunta para evitar uma divisão prematura entre os integrantes da Frente Popular.

Nos últimos meses, Eduardo Campos começou a dar espaço para lideranças conduziremo processo da sua sucessão no Governo do Estado. O núcleo de confiança incluía o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB). Envolvido na campanha nacional, Eduardo delegou a Geraldo a função de coordenador geral do projeto do Estado. Contudo, o desempenho do socialista acumula insatisfações na base aliada. Lideranças locais recorriam ao ex-governador para reclamar da condução da campanha.

Eduardo Campos também era o responsável por amenizar as disputas internas dos diferentes grupos do PSB. A indicação do cabeça da chapa revelou rivalidades internas e fogo-amigo entre os socialistas. Foi preciso um freio de arrumação do ex-governador para estancar a sangria do partido. As ambições e projetos da base governista também eram controladas pelo presidenciável. A tarefa de definir as lideranças que iriam disputar ou não o pleito era função de Campos que, com sua habilidade política, fez aliados desistirem das suas candidaturas. “Nenhuma liderança do PSB tem a força que Eduardo tinha para colocar ordem na Frente”, revelou uma fonte governista, em reserva.







Armando: Campos tinha uma liderança forte em PE

Publicado por Branca Alves, em 16.08.2014 às 16:05

O senador Armando Monteiro Neto (PTB), adversário político do ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB), teceu elogios ao socialista, em visita à ex-primeira-dama do Estado Renata Campos, neste sábado (16). De acordo com o petebista, Campos tinha uma liderança forte em Pernambuco, além de “uma capacidade de diálogo impressionante”.

Na avaliação de Armando, Eduardo Campos fazia a disputa de uma forma dura, mas isso porque ele tinha a compreensão do que era a política.

O petebista também não quis comentar sobre a conjuntura política depois da morte do ex-governador, vítima de grave acidente aéreo, na última quarta-feira (13), e afirmou que não tinha elementos para fazer cálculos agora. “Neste momento, não há adversários políticos”, garantiu.

Ainda segundo o senador, “os que conviveram com Eduardo Campos sabem da perda enorme de Pernambuco”. Por fim, Armando Monteiro Neto declarou que o socialista é “referência e exemplo para a gente”.

Com informações de Amanda Figueirôa, do Site Roberta Jungmann.







“Mercado deseja Marina”

Publicado por Branca Alves, em 16.08.2014 às 09:10

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Membros da Rede Sustentabilidade iniciaram processo de ausculta de vários empresários. Os contatos visam à construção de um ambiente propício para que Marina Silva assuma a bandeira que Eduardo Campos vinha empunhando. Ainda ontem, Sérgio Xavier, aliado de primeira hora da vice, procurou representantes do setor e obteve retorno. Preferiu não revelar nomes. Citou comunhão com Guilherme Leal, da Natura, doador da campanha de 2010, mas que, de lá para cá, passou a não caminhar mais tão próximo do grupo. Nos últimos dias, propagara-se a ideia de que o setor empresarial estaria avesso à ex-ministra. “Isso está sendo desconstruído por dois motivos: primeiro porque, se Marina não for candidata, Dilma ganha no primeiro turno. Faltando um mês e meio não dá para inventar candidato”, assinala Sérgio Xavier. “O mercado não quer que Dilma ganhe no primeiro turno, não quer que ganhe nem no segundo. O próprio mercado deseja Marina mesmo com restrições”, garante Xavier.







Autoridades confirmam presenças

Publicado por Branca Alves, em 16.08.2014 às 08:34

Da Folha de Pernambuco

Até esta sexta-feira (15), algumas autoridades já haviam confirmado presença no sepultamento do ex-governador Eduardo Campos. A presidente Dilma Rousseff (PT), o senador Aécio Neves (PSDB), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avisaram que virão. Também estarão presentes os governadores Tião Viana (AC), Luiz Fernando Pezão (RJ), Rosalba Ciarlini (RN), Geraldo Alckmin (SP), Beto Richa (PR), Renato Casagrande (ES), Cid Gomes (CE), Jacques Wagner (BA), Alberto Pinto Coelho (MG) e Agnelo Queiroz (DF). Todos serão recepcionados pelo governador João Lyra Neto (PSB), no Palácio do Campo das Princesas.

O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), e os candidatos majoritários da Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), Raul Henry (PMDB) e Fernando Bezerra Coelho (PSB) virão no avião da Força Aérea Brasileira, acompanhando os corpos das vítimas do acidente que ocorreu na última quarta-feira. Os três últimos estão em São Paulo, há quatro dias, acompanhando o trabalho de identificação. Geraldo foi ontem para a capital paulista para se juntar ao grupo.







Processos sobre corrupção com prioridade de tramitação

Publicado por Márcio Didier, em 15.08.2014 às 22:54

BRASÍLIA (Agência Senado) – Os processos penais que tratam de crimes relacionados com corrupção poderão ter prioridade de tramitação. É o que prevê o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 49/2013, que está pronto para ser votado na Comissão de Constituição do Senado, Justiça e Cidadania (CCJ).

Do deputado Fábio Trad (PMDB-MS), o projeto altera o Código Penal para dar prioridade aos processos que tratam dos crimes de peculato, concussão, corrupção passiva, corrupção ativa, tráfico de influência, impedimento, perturbação ou fraude de concorrência, crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores e crimes de responsabilidade.

O autor argumenta que o projeto é uma forma de oferecer ao povo brasileiro a oportunidade de ter uma resposta rápida para os delitos que “agridem frontalmente os interesses da nação”. Segundo Fábio Trad, a população já não suporta mais a demora no julgamento dos crimes de corrupção nem a sensação de impunidade. Ele acrescenta que, por conta dos prejuízos aos cofres públicos, esse tipo de crime tem influenciado negativamente a prestação de serviços como saúde, segurança e educação.

A matéria conta com o apoio do relator, o senador licenciado Eduardo Amorim (PSC-SE). No relatório, Amorim diz que a definição de prioridades de julgamento é legítima, não encontra óbice na Constituição e expressa a vontade da população, de que crimes que atingem os cofres públicos demandam resposta punitiva mais rápida do Estado.







PSB vai ter que se readequar à realidade, diz Beto Grill

Publicado por Branca Alves, em 15.08.2014 às 18:12

O vice-governador do Rio Grande do Sul, Beto Grill (PSB), desembarcou no Recife, nesta sexta-feira (15), para prestar condolências à família do ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB). Em conversa com a imprensa, ele declarou que o partido ainda está num momento de luto, mas que vai ter que se readequar à nova realidade.

“Temos que, a partir dessa nova realidade, nos reorganizar, repensar todo nosso projeto e nosso futuro. A proposta de Eduardo, suas ideias e seus valores vão ser perenes. O PSB vai continuar defendendo as mesmas ideias do seu avô e dele mesmo”, assegurou Beto Grill.

Ao ser questionado sobre o impacto da morte de Eduardo Campos no Rio Grande do Sul, o vice-governador daquele Estado classificou como “intenso”.

“Lá, nós estávamos desenvolvendo um trabalho muito forte e tínhamos a plena convicção da possibilidade de sucesso. Eu, pessoalmente, não quero acreditar que o povo brasileiro não terá mais a possibilidade de votar em Eduardo Campos e transformar Eduardo Campos em presidente da República”, avaliou.

Com informações de Tauan Saturnino, especial para a Folha.







Vídeo em homenagem a Eduardo e equipe

Publicado por Márcio Didier, em 15.08.2014 às 15:29

Os aliados do ex-governador Eduardo Campos decidiram fazer uma homenagem ao líder e aos outros ocupantes do avião que caiu em Santos, provocando a morte de todos eles. Aproveitando um material que estava sendo preparado para a propaganda eleitoral gratuita, fizeram um vídeo que estão divulgando pelas redes sociais.

Com 1 minuto e 36 segundos, o material é narrado por Antônio Marinho e fala do novo Brasil, “um País diferente, mais exigente nas lutas”, lembrando as manifestações de junho do ano passado. Acrescenta que as “novas e velhas bandeiras tremulam constantemente”.

Com a imagem de Eduardo, o vídeo mostra a frase de que o País necessita de “alguém que escolha o diálogo e que possa unir o Brasil”. No momento seguinte, aparece a então vice na chapa, Marina Silva, que deve ser efetivada como candidata.

Ainda fala de Miguel Arraes e diz que o “Brasil vai dar um salto, levando para o Planalto Eduardo presidente”. E lembra a frase dita por Eduardo Campos na sua entrevista ao Jornal Nacional, um dia antes de morrer: “Não podemos desistir do Brasil”.

O vídeo termina lembrando, por ordem alfabética, os nomes de todos os mortos no acidente aéreo: “Uma homenagem a Alexandre Severo, Carlos Percol, Eduardo Campos, Geraldo da Cunha, Marcelo Lyra, Marcos Martins e Pedrinho Valadares”.







Queiroz: Eduardo era o timoneiro de Pernambuco

Publicado por Branca Alves, em 15.08.2014 às 14:30

Prefeito de Caruaru foi à casa da família de Campos (Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco)

O prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT), também lamentou a morte do ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB), vítima de trágico acidente aéreo, na última quarta-feira (13). Ele foi até à casa da família do socialista prestar condolências e conversou com a imprensa. O pedetista classificou o ex-governador como o “timoneiro de Pernambuco”.

Segundo Queiroz, não só Caruaru está impactada com a morte do socialista, mas o Estado como um todo. “Ainda estamos deixando a ficha cair. Todo mundo impactado. Procurando um norte. Quando se perde um timoneiro, a gente procura o norte. E é o que está acontecendo hoje, até que a gente refaça as forças, as energias e receba as próprias energias de Eduardo Campos para caminhar”, declarou.

Queiroz era defensor da candidatura de Eduardo Campos à Presidência da República, apesar de o seu partido caminhar com a presidente Dilma Rousseff (PT), nacionalmente, e com o senador Armando Monteiro Neto (PTB), em Pernambuco.

Com informações de Helena Dias, da Folha de Pernambuco.