Internacional

Uruguaios vão às urnas para escolher presidente e renovar o Congresso

Publicado por Branca Alves, em 24.10.2014 às 11:52

Agencia Brasil/EBC (Montevidéu) – Os uruguaios vão as urnas no domingo (26) para eleger presidente e vice-presidente e renovar a totalidade do Congresso. A Frente Ampla, no poder desde 2005, é a favorita. Todas as pesquisas de opinião indicam que o candidato Tabaré Vasquez tem entre 43% e 49% das intenções de voto – número insuficiente para conquistar a vitória no primeiro turno e a maioria parlamentar.

Pela legislação uruguaia, os eleitores são obrigados a votar em candidatos do Executivo e do Legislativo do mesmo partido. “Eu votei nos dois governos anteriores, da Frente Ampla, porque acho que fizeram muito pelo país. O desemprego caiu de dois dígitos para um e nossos jovens não têm que sair do Uruguai para buscar trabalho”, disse à Agencia Brasil o comerciante Diego Villega, que apoia Tabaré Vasquez.

No entanto, no primeiro turno, ele votará num partido menor, sem chance de chegar à Presidência. “Não quero dar todo o poder a um só partido, precisamos ter um equilíbrio mais democrático”, justificou o comerciante.

Villega não é o único que pensa assim o que, segundo analistas políticos, explica os resultados das últimas pesquisas de opinião. Os principais concorrentes de Tabaré Vasquez – que governou o Uruguai de 2005 a 2010 – são filhos de ex-presidentes. Luís Lacalle, do Partido Nacional, conhecido como Blanco, teria entre 32% e 35% das intenções de voto, enquanto que Pedro Bordaberry, do Partido Colorado, entre 12% e 18%.

Adversários históricos, Blancos e Colorados já se uniram contra a Frente Ampla no passado. “Tudo indica que o presidente só será eleito em novembro, no segundo turno, e dificilmente terá maioria parlamentar”, disse o presidente da consultora política Factum, Eduardo Bottinelli.

No domingo, os uruguaios também irão às urnas para decidir – em plebiscito – se querem baixar a maioridade penal de 18 para 16 anos. A insegurança está no topo da lista de preocupações dos eleitores, mas apenas 6% dos crimes são cometidos por menores.







Oposição pede a Maduro reabertura do diálogo político

Publicado por Branca Alves, em 14.10.2014 às 11:00

Agência Lusa (Caracas) – O dirigente da oposição na Venezuela Henri Falcón pediu nesta terça-feira (14) ao presidente Nicolás Maduro a reabertura do diálogo político, por meio da convocação de uma reunião extraordinária do Conselho Federal do Governo.

“O conselho é uma instância constitucional de diálogo, concertação, de trabalho, onde os governadores e prefeitos podem explorar, juntamente com o Executivo nacional, soluções concretas”, disse aos jornalistas.

Para Henri Falcón, ex-antigo militante do Partido Socialista Unido da Venezuela, de Hugo Chávez e do agora presidente Maduro, a convocação de um Conselho Federal de Governo “seria o primeiro passo positivo para o restabelecimento do diálogo político no país”.

O objetivo, disse, é “estabelecer uma agenda de trabalho que aborde a crise, os problemas prioritários”, como “o alto custo de vida, a insegurança, as deficiências nos serviços, a falta de medicamentos”, problemas que “devem ser abordados com urgência” para buscar soluções concretas, sem retórica.

“Outro tema para análise no Conselho Federal de Governo seria a implicação da queda dos preços do petróleo no orçamento de 2015″, acrescentou.

Em 10 de abril, o governo e a oposição decidiram iniciar um processo de diálogo, tendo como mediadores o Vaticano, Brasil, Equador e a Colômbia, os três últimos em nome da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Um mês depois, no dia 13 de maio, a oposição suspendeu a participação em protesto pela “repressão brutal” das forças de segurança contra as manifestações pacíficas das forças oposicionistas e por considerar que o diálogo não estava dando resultado.

No fim de setembro, a oposição venezuelana pediu à Unasul que retome os esforços para reativar o diálogo entre o governo e a coligação opositora Mesa de Unidade Democrática.







Cessar-fogo entre Israel e Palestina é respeitado

Publicado por Branca Alves, em 27.08.2014 às 10:45

Agência Brasil (Jerusalém) – O cessar-fogo permanente acertado nessa terça-feira (26) entre Israel e os palestinos, depois de 50 dias de combate, foi respeitado durante a noite, disse nesta quarta-feira um porta-voz militar israelense.

“Não foram disparados rockets (foguetes) sobre o território israelense e não houve nenhum ataque aéreo na Faixa de Gaza desde a noite de terça-feira”, acrescentou o porta-voz.

Israel e os palestinos anunciaram ontem um acordo para o cessar-fogo permanente, depois de um conflito armado que causou 2.143 mortos palestinos e 70 israelenses e devastou a Faixa de Gaza.

O cessar-fogo, que entrou em vigor às 19h dessa terça-feira, prevê, segundo o mediador egípcio, o levantamento do bloqueio imposto desde 2006 por Israel e que asfixia 1,8 milhão de habitantes da Faixa de Gaza.







Israel retoma ataques contra Hamas após cessar-fogo

Publicado por Branca Alves, em 8.08.2014 às 10:20

Agência Lusa (Jerusalém) – O Exército israelense anunciou nesta sexta-feira (8) ter retomado os ataques contra o movimento de resistência islâmica Hamas, depois do reinício de disparos de foguetes, a partir da Faixa de Gaza, no termo de um cessar-fogo bilateral.

“Esta manhã, depois de disparos de foguetes contra Israel, as Forças Armadas alvejaram locais terroristas na Faixa de Gaza”, informou em comunicado o Exército, pouco depois de o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, ter ordenado uma resposta vigorosa contra novos ataques do Hamas.

Uma porta-voz militar disse que nenhum soldado israelense entrou em Gaza para concretizar os ataques.

O Hamas recusou o prolongamento da trégua em vigor há três dias, que chegou ao fim nesta sexta-feira, após um mês de guerra na Faixa de Gaza.

Israel iniciou a Operação Margem Protetora em 8 de julho. Mais de 1.900 pessoas morreram, principalmente do lado palestino.

O Exército israelense registrou uma “barragem de artilharia” de mais de uma dezena de foguetes contra Israel, agora de manhã. Pelo menos um foguete foi interceptado sobre Ashkelon (Sul de Israel), acrescentou a porta-voz.

A Jihad Islâmica, aliada do Hamas que controla a Faixa de Gaza, reivindicou três disparos de foguetes, dirigidos a Ashkelon.







Gaza: Israel anuncia retirada total de tropas

Publicado por Branca Alves, em 5.08.2014 às 10:00

Agência Lusa (Jerusalém) – O Exército israelense anunciou nesta terça-feira (5) ter retirado todas as tropas da Faixa de Gaza. “Todas as nossas forças saíram de Gaza”, disse o general Moti Almoz à Rádio Militar, depois de ter entrado em vigor, no início da manhã, um novo cessar-fogo de 72 horas, acertado nessa segunda-feira.

No dia 8 de julho, Israel deu início à operação militar Margem Protetora, com ataques aéreos para responder ao disparo de foguetes palestinos, a partir da Faixa de Gaza, contra o seu território.

Em 17 de julho, o Exército israelense começou manobras terrestres para destruir a rede de túneis construída pelo movimento radical palestino Hamas, que controla a região desde 2006 e é usada para ataques em zonas fronteiriças.

Mais de 1.850 palestinos morreram em 28 dias de ofensiva. Do lado israelense, morreram cerca de 60 pessoas.







Operação israelense em Gaza sem data para acabar

Publicado por Branca Alves, em 2.08.2014 às 18:40

Agência Brasil (Brasília) – A ação de Israel irá continuar na Faixa de Gaza e nem recuar até que o país se sinta seguro em relação ao Hamas, informou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

“Prometemos, desde o início, o regresso à calma para os cidadãos de Israel, e continuaremos a agir até que tenhamos atingido esse objetivo. Isso levará tanto tempo quanto necessário e utilizaremos toda a força exigida”, declarou Netanyahu à imprensa em Telaviv.

“A operação continua. O Exército continua a atuar com todas as suas forças para levar a bom termo as suas missões, o regresso à calma, a segurança para os cidadãos de Israel, apenas provocando danos à infraestrutura terrorista”, acrescentou. “As nossas Forças Armadas estão prestes a conseguir a neutralização dos túneis de Gaza”.

Neste sábado (2), o Exército israelense anunciou a retirada de soldados das cidades de Beit Lahiya, no Norte da região. Com essa medida, veículos internacionais de comunicação chegaram a noticiar que a operação israelense estaria chegando ao fim.

A operação israelense, que começou 8 de julho, causou mais de 1,6 mil mortos do lado palestino, entre eles 296 crianças e adolescentes, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Do lado israelense, foram mortas 63 pessoas.

Desde a última sexta (1), Israel já tinha decidido que não fecharia um acordo com o Hamas para pôr fim às hostilidades, mas que atuaria por própria iniciativa até estarem cumpridos todos os objetivos.

Enquanto não existe um cessar-fogo, o Egito procura mediar uma solução para os conflitos entre Israel e o Hamas, na Faixa de Gaza. Para o presidente egípcio, Abdel Fattah Sissi, a proposta egípcia representa uma “possibilidade real” para o fim dos confrontos.

A iniciativa egípcia, apresentada dias depois do início da ofensiva israelense, previa um cessar-fogo seguido de negociações. Foi aceita por Israel, mas rejeitada pelo Hamas, que exigia como condição prévia o fim do bloqueio em vigor desde 2006, a abertura da fronteira com o Egito e a libertação de prisioneiros por Israel.







Gaza: Israel anuncia fim de trégua após rapto

Publicado por Branca Alves, em 1.08.2014 às 10:35

Agência Brasil (Jerusalém) – O Exército de Israel declarou nesta sexta-feira (1°) o fim do cessar-fogo entre o país e a Faixa de Gaza. A trégua terminou, horas de depois do seu início, com o argumento de que um dos seus soldados foi capturado por palestinos. O cessar-fogo, que deveria durar três dias, tinha entrado em vigor às 8h locais (2h em Brasília).

“As indicações iniciais sugerem que um soldado foi raptado por terroristas num incidente em que violaram o cessar-fogo”, disse o porta-voz do Exército israelita, Peter Lerner.

Em contrapartida, o movimento islâmico palestino Hamas acusou Israel de violar o cessar-fogo.

“Foi a ocupação [de Israel] que violou o cessar-fogo. A resistência palestina agiu com base no direito de autodefesa para travar o massacre do seu povo”, disse o porta-voz do Hamas, Fawzi Barhum.

Fontes palestinas informaram que pelo menos 35 pessoas morreram e 200 ficaram feridas nos bombardeamentos de tanques e aviões na área de Rafah, no sul do enclave. Há confrontos também ao norte da Faixa de Gaza.

O exército israelita diz que pelo menos oito foguetes e morteiros foram disparados pelos militantes palestinos da Faixa de Gaza para Israel.

O acordo para uma trégua humanitária foi anunciado na noite de quinta-feira pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

*Com informações da Agência Lusa







Hamas nega ter aceitado cessar-fogo de 72 horas

Publicado por Branca Alves, em 29.07.2014 às 20:15

Agência Brasil (Brasília) – O movimento islâmico Hamas negou nesta terça-feira (29) ter aceitado um acordo para um cessar-fogo de 72 horas, contradizendo o secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina, Yasser Abed Rabbu, que havia proposto uma trégua após um suposto acordo entre o Hamas e a Jihad Islâmica.

“A declaração de Yasser Abed Rabbu sobre o Hamas ter concordado com um cessar-fogo durante 24 horas não é correta e não tem nada a ver com a postura da resistência”, disse o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri. “Vamos considerar um cessar-fogo quando Israel se comprometer com isso, observando as garantias internacionais”, completou. Minutos antes da declaração de Abu Zuhri, líderes palestinos haviam declarado que estavam “preparados” para um cessar-fogo humanitário imediato durante 24 horas prorrogáveis por mais 48 horas.

Já são 1.191 os palestinos mortos desde o início da recente ofensiva de Israel contra Gaza. Os ataques da artilharia israelense se intensificaram desde ontem (28) à noite, especialmente nas zonas de Bureij (centro), Jabaliya (norte) e Rafah (sul). Além disso, o exército israelense anunciou hoje ter matado cinco combatentes palestinos num túnel no interior da Faixa de Gaza.

Mais de sete mil pessoas ficaram feridas em três semanas de conflitos. Israel também registrou baixas militares ontem, com a morte de 10 soldados. O número de soldados israelenses mortos chega a 53, o maior desde a ofensiva contra o movimento xiita libanês Hezbollah, em 2006.

*Com informações das agências Lusa e Telam







Confrontos no leste da Ucrânia deixam 13 mortos

Publicado por Branca Alves, em 27.07.2014 às 16:00

Agência Brasil (Brasília) – Confrontos em Gorlivka, Leste da Ucrânia, fizeram pelo menos 13 mortos neste domingo (27), entre os quais duas crianças. Segundo autoridades locais, as mortes foram resultado de confrontos entre separatistas pró-russos e forças governamentais. Uma das crianças tinha 1 ano de idade e a outra tinha 5.

Segundo a administração regional de Donetsk, as equipas médicas presentes no teatro de operações, a 45 quilômetros a norte da cidade de Donetsk, estão “debaixo de fogo”.







Hamas anunciou que aceita trégua de 24 horas

Publicado por Branca Alves, em 27.07.2014 às 11:50

Agência Brasil (Brasília) – O movimento islamita Hamas disse neste domingo (27) que aceita uma trégua humanitária de 24 horas na faixa de Gaza a partir das 14h locais (8h em Brasília), poucas horas depois de Israel ter retomado a ofensiva naquele território.

“Em resposta a um pedido das Nações Unidas, os movimentos da resistência aceitaram uma trégua humanitária de 24 horas que começará às 14h de hoje”, disse o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri, em comunicado. Zuhri disse que o cessar-fogo ocorrerá antes dos três dias de feriado muçulmano Eid al-Fitr, que marcam o fim do Ramadã e que deverá começar segunda-feira (28).

Ontem (26), o Hamas assumiu ter efetuado disparos de foguetes contra Israel ao final das 12 horas de cessar-fogo. Antes dos ataques, Israel havia anunciado que estava disposto a estender a trégua humanitária, que terminou às 20h (horário local). Segundo a Agência Lusa, Israel não reagiu ao anúncio do Hamas, e os ataques israelitas continuam em Gaza.

A operação em Gaza começou em 8 de julho e deixou, até agora, 1.053 palestinos mortos e 6 mil feridos. Na manhã de hoje, Israel anunciou que retomaria os ataques a Gaza, depois dos “incessantes” disparos do Hamas. Pelo menos oito palestinos morreram desde a retomada da ofensiva israelita no território. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% dos mortos são civis. Do lado israelense, 37 soldados morreram em combate, além de dois civis e um trabalhador rural tailandês, atingidos por tiros de morteiro.

* Com informações da Agência Lusa







Hamas assume ataques a Israel após trégua

Publicado por Branca Alves, em 26.07.2014 às 18:20

Agência Brasil (Brasília) – O movimento islâmico Hamas assumiu, no fim da tarde deste sábado (26), ter efetuado disparos de foguetes contra Israel ao final das 12 horas de cessar-fogo. Antes dos ataques, Israel havia anunciado que estava disposto a estender a trégua humanitária, que terminou às 20h (14h, no horário de Brasília).

A porta-voz do Exército de Israel, Avital Leibovich, já havia informado, em sua conta no Twitter, que os ataques do Hamas haviam reiniciado. Após perceber o terceiro ataque vindo de Gaza, Avital disse que “pararia de contar” as novas ofensivas. “Obviamente, o Hamas mandou sua mensagem violenta de mais terror para Israel”, escreveu.

O número de palestinos mortos desde o dia 8 de julho, quando começou a ofensiva, já passa de mil, entre eles 192 crianças. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% dos mortos são civis. Do lado israelense, 37 soldados morreram em combate, além de dois civis e um trabalhador rural tailandês, que foram atingidos por tiros de morteiro.

* Com informações da Agência Lusa







Israel aceita cessar-fogo por mais quatro horas

Publicado por Branca Alves, em 26.07.2014 às 16:40

Agência Brasil (Brasília) – O governo de Israel aceitou estender a trégua humanitária na Faixa de Gaza até meia-noite, no horário local (18h, horário de Brasília). Se a trégua for mantida, a população poderá continuar saindo às ruas de Gaza por esse período. O cessar-fogo de 12 horas entre Israel e o Hamas teve início às 8h deste sábado (26) , no horário local (2h, no horário de Brasília) e terminou às 20h (14h, no horário de Brasília).

Em Paris, os chanceleres dos Estados Unidos, do Reino Unido, da França, da Alemanha, da Itália, além do Catar e da Turquia já haviam pedido a ampliação da trégua. Não há, por enquanto, uma posição oficial do Hamas sobre o assunto.

Enquanto os chanceleres se reuniam na França, os serviços de socorro de Gaza retiraram 130 cadáveres que se estavam soterrados nos escombros dos edifícios destruídos pelos bombardeios de Israel em vários pontos da Faixa de Gaza. O número de palestinos mortos desde o dia 8 de julho, quando começou a ofensiva, já passa de mil, entre eles 192 crianças.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% dos mortos são civis. Do lado israelense, 37 soldados morreram em combate, além de dois civis e um trabalhador rural tailandês, que foram atingidos por tiros de morteiro.

* Com informações das agências Lusa e Telam







Número de mortos na Faixa de Gaza passa de 500

Publicado por Branca Alves, em 21.07.2014 às 10:20

Agência Brasil (Brasília) – As autoridades médicas da Faixa de Gaza informaram que nove palestinos da mesma família, sendo sete crianças, morreram nesta segunda-feira (21) após um ataque aéreo da aviação israelense. Segundo o porta-voz do Serviço de Emergência, Ashraf Al Qudra, as vítimas foram mortas quando aviões atacaram a casa onde estavam.

Hoje também foram encontrados corpos de 16 pessoas mortas em ataques aéreos ocorridos ontem (20) – dia mais sangrento desde o início da ofensiva militar israelense na região. Com as novas mortes, o número de pessoas mortas chegou a 502, e não para de crescer. As forças militares israelenses tiveram 18 baixas.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas manifestou ontem preocupação com o número crescente de mortes na Faixa de Gaza e lançou um apelo por um cessar-fogo imediato. O embaixador Eugene Richard Gasana, que lidera o órgão de 15 Estados, disse que os membros do Conselho de Segurança manifestaram preocupação sobre crescimento do número de vítimas e “pediram o fim das hostilidades” entre Israel e Gaza.

*Com informações da Agência Lusa







Dilma e Putin se encontram antes de reunião do Brics

Publicado por Branca Alves, em 14.07.2014 às 13:02

Agência Brasil (Brasília) – Antes de seguirem para a 6ª Reunião de Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que começa nesta segunda-feira (14), em Fortaleza, no Ceará, os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, e da Rússia, Vladimir Putin, reúnem-se em Brasília para assinar atos entre os países.

Os dois mandatários têm encontro reservado no Palácio Planalto, seguido de reunião ampliada, com a participação de ministros dos dois países. Está prevista ainda uma declaração à imprensa e depois almoço que será oferecido pela diplomacia brasileira no Palácio Itamaraty.

A partida da presidente Dilma Rousseff para Fortaleza está prevista para as 18h. Já o mandatário russo segue para a capital cearense à tarde. Os dois presidentes estiveram reunidos ontem (13), durante a final da Copa do Mundo, no Estádio do Maracanã. Na ocasião, Dilma passou, simbolicamente, a Putin a sede da Copa. O próximo mundial será realizado na Rússia, em 2018.

No encontro do Brics, empresários dos países que compõem o bloco vão debater o comércio e os investimentos entre os cinco países. Hoje se encontram também em Fortaleza os ministros das Finanças e os presidentes dos bancos centrais do bloco, além dos ministros do Comércio, e diretores de bancos de desenvolvimento dos cinco países.







Reunião da OEA discute dívida argentina

Publicado por Branca Alves, em 3.07.2014 às 21:30

Agência Brasil (Brasília) – Em reunião realizada nesta quinta-feira (3) em Washington pela Organização dos Estados Americanos (OEA), a pedido da Argentina, está sendo discutida a crise da dívida externa do país. O ministro da Economia argentino, Axel Kiciloff, expõe o caso argentino às autoridades.

O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo, viajou para os Estados Unidos e está no encontro. As delegações do Brasil e do Uruguai prepararam, ainda, um projeto de declaração favorável à posição argentina com respeito à reestruturação da dívida.

O documento, disponível no site da OEA, considera “essencial para a estabilidade e previsibilidade da estrutura financeira internacional a garantia de que os acordos alcançados entre os devedores e os credores, no contexto dos processos de restruturação das dívidas soberanas, sejam respeitados, permitindo que os fluxos de pagamento sejam distribuídos aos credores cooperativos”.

No último dia 26, a Argentina depositou US$ 1 bilhão destinados ao pagamento de 93% dos credores que aceitaram a reestruturação da dívida com o país. Entretanto, o juiz norte-americano Thomas Griesa ordenou a restituição da verba ao país, entendendo que os argentinos devem pagar a fundos especulativos, conhecidos como fundos abutres, que reclamam 100% do valor nominal dos títulos.

Nesta quinta-feira, antes do início da reunião, o chefe da Casa Civil da Argentina, Jorge Capitanich, disse esperar que, no dia 7 deste mês, data estabelecida por Daniel Pollak, mediador escolhido pelo juiz Griesa, tenha início o diálogo “para determinar as condições de negociação” com os fundos abutres. O ministro Capitanich ressaltou que os fundos “usam o Poder Judiciário para extorquir [dinheiro] dos governos”. Capitanich deu as declarações à imprensa, antes de discursar em uma universidade.

O Brasil já havia manifestado apoio à Argentina no início da semana, quando o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, disse que, como se tratava da reestruturação da dívida de um país soberano, a solução deveria ser diplomática, negociada entre devedor e credores.

*Com informações da Télam