Datafolha: Humberto e Mendonça, os mais rejeitados

No quesito rejeição, a pesquisa Datafolha do Recife, em parceria do jornal Folha de S.Paulo com a TV Globo, revelou que o senador Humberto Costa (PT) e o deputado federal Mendonça Filho (DEM) lideram os índices dos eleitores que não votariam no petista e no democrata. Ambos pontuaram 29%. Em terceiro, aparece a ex-vereadora Edna Costa (PPL), com 26%; Jair Pedro (PSTU), 23%; Roberto Numeriano (PCB), 19%; o deputado estadual Daniel Coelho (PSDB), 16%; e por último Geraldo Julio (PSB); 12%.

Datafolha: Geraldo empata com Humberto: 29%

O democrata e o petista tiveram o crescimento na taxa de rejeição 3% e 5%, respectivamente. Mendonça subiu de 26% para 29% e Humberto, de 24% para 29%. Geraldo foi o único que diminuiu a rejeição, caindo de 16% para 12%. Edna Costa (PPL) cresceu de 18% para 26%; a Jair Pedro (PSTU), de 17% para 23%; a Roberto Numeriano (PCB), de 15% para 19%; e a Daniel Coelho (PSDB), de 15% para 16%.

Eleitores que disseram votar que qualquer um dos candidatos somaram 5%, enquanto os que disseram não querer eleger nenhum dos prefeituráveis totalizou 6%. Não souberam ou preferiram não opinar contabilizou 9%.

A pesquisa do Datafolha ouviu 832 pessoas, entre os dias 28 e 29 deste mês. A margem de erro é de 3%, para mais ou menos. A amostragem foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) sob o número 80/2012.


Datafolha: Geraldo empata com Humberto: 29%

Nova rodada de pesquisa do Datafolha, em parceria do jornal Folha de S.Paulo com a TV Globo, divulgada nesta quarta-feira (29), para Prefeitura do Recife (PCR) revelou um crescimento de 22 pontos do candidato Geraldo Julio (PSB). O socialista está empatado com o senador Humberto Costa (PT) na liderança, com 29% das intenções de voto cada. Na terceira colocação, aparece o deputado Daniel Coelho (PSDB), com 12%; e na quarta, Mendonça Filho (DEM), com 9%. Edna Costa (PPL) e Roberto Numeriano (PCB) foram lembrados por 1%, enquanto Jair Pedro (PSTU) não pontuou. Esteves Jacinto (PRTB), por conta da impugnação da candidatura, não foi relacionado.

Entre as quatro candidaturas mais bem posicionadas, Geraldo Julio e Daniel Coelho foram as únicas que obtiveram crescimento em relação à última amostragem, há mais de um mês. O socialista avançou 22 pontos nessa rodada e saiu da quarta colocação para a primeira, empatado com Humberto. Em julho, o candidato do PSB pontuou 7%.

Já o tucano saiu de 8% para 12%, mantendo a terceira posição, em relação à primeira pesquisa. Mendonça Filho foi quem mais sofreu o “baque”, caindo de 22% para 9%, amargando a quarta colocação. O petista Humberto Costa teve variação negativa de 6%, reduzindo de 35% para 29%.

Os votos brancos e nulos caíram de 13% para 10%, enquanto que pessoas que não souberam responder pontuaram 9%. A pesquisa, registrada sob o número 08/2012, no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), ouviu 832 pessoas, entre os dias 28 e 29 deste mês. A amostragem teve uma margem de erro de 3%.


Em caso de mudança, Armando herdaria votos

Da Folha de Pernambuco

Um percentual representativo dos eleitores ouvidos na pesquisa Exatta referente ao município de Olinda – 33% – afirma que ainda pode mudar seu voto. E o candidato do DEM, Armando Sérgio, pode ser o principal “herdeiro” desta mudança. Além de contar com o menor indíce de rejeição – 27% -, o democrata conta com a simpatia de muitos eleitores de seus adversários, figurando como segunda opção para uma parte dos participantes da pesquisa.

Dos eleitores de Renildo Calheiros, 28% afirmaram que, caso mudassem seu voto, esta mudança poderia favorecer Armando. Dos eleitores de Izabel Urquisa, 21% têm o DEM como segunda opção. Apesar disso, mais uma vez, os números de indecisos e nulos é alto. Entre os eleitores de Renildo, 54% não saberia em quem votar, caso mudasse o voto; dos de Isabel, 11% não votariam em ninguém e 58% não tem uma segunda opção; e entre os de Armando, 8% não votariam em ninguém e 58% teria um segundo candidato.

Por outro lado, se levarmos em consideração o percentual de eleitores que tem o voto nulo como primeira opção, observamos que 7% votaria em Izabel como alternativa; 4% em Armando Sérgio; e 70% não sabe ou não opinou. Renildo não ganharia votos dessa parcela. Já entre os indecisos, 2% consideraria Renildo em caso de mudança de ideia; 12% ficariam com Izabel; 86% continuariam indecisos e nenhum deles votaria em Armando.

Com relação à expectativa de resultados, 60% dos entrevistados acreditam que Renildo conquistará a reeleição; 7% acreditam na vitória de Izabel Urquisa; 3% tem fé no sucesso de Armando; e 30% não sabem ou não quiseram opinar. O nicho que mais acredita na reeleição do prefeito é aquele formado por entrevistados com nível superior completo: 77% acreditam na vitória do comunista.


Lula é o político com maior influência

(Foto: Divulgação)

Da Folha de Pernambuco

A presidenta Dilma Roussef (PT) e o governador Eduardo Campos (PSB) seguem com altos índices de aprovação em Olinda. A petista apresentou na pesquisa Exatta, um percentual de 86% de aprovação e o socialista teve um resultado ainda melhor: 89%. Dilma apresentou ligeira queda com relação à pesquisa semelhante realizada em abril, quando contava com 88% de aprovação; e Eduardo Campos teve ligeira melhora, subindo de 87 para 89%. Apesar disso, os números ficam dentro da margem de erro da pesquisa, podendo ser considerados estáveis.

Mas apesar dos números positivos apresentados pelos líderes do executivo nacional e estadual, na eleição de 2012 em Olinda quem manda mesmo é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Quando os entrevistados foram questionados sobre qual é o político que tem maior poder de influência em seu voto, 40% deles indicaram o ex-metalúrgico. O governador Eduardo Campos ficou em segundo lugar com 11%; seguido pela deputada federal Luciana Santos (PCdoB), com 5%; e pela presidente Dilma com 4%.

Outros políticos como o deputado federal e candidato a vice-prefeito do Recife João Paulo (PT); e o senador Armando Monteiro Neto (PTB) também foram citados, embora com percentuais menos expressivos. Eles conquistaram, respectivamente, 2% e 1%. Para 26% dos entrevistados, nenhum nome pode influenciar a decisão, pois esta é uma escolha pessoal, enquanto 10% não souberam ou não quiseram opinar.

Na avaliação da gestão, Dilma apresentou uma queda no julgamento positivo. Na pesquisa de abril, a petista contava com 24% de ótimo; 41% de bom; 29% de regular; 3% ruim e 4% péssima. No novo levantamento, a gestora conquistou 22% de ótimo; 34% de bom;  35% de regular; 3% ruim; 5% péssimo; e 2% não souberam ou não opinaram. Já Eduardo Campos apresentou pouca alteração. As avaliações de que seu governo tem sido ótimo e bom permaneceram estáveis, respectivamente em 26% e 43%. O índice de regular da gestão socialista caiu de 24 para 21%; a avaliação ruim permaneceu em 4%; péssima subiu de 4% para 5%; e indecisos de 1% para 3%.


Gestão reprovada por 50% dos olindenses

(Foto: Arquivo Folha)

Da Folha de Pernambuco

Comparado com a última pesquisa Exatta o índice de reprovação da gestão Renildo Calheiros teve pouca alteração. Em abril, 44% aprovava o governo, enquanto 54% desaprovava. Na nova pesquisa, 47% aprovam a gestão do comunista enquanto 50% desaprovam. Levando em consideração a margem de erro de 4,38 pontos percentuais para mais ou para menos, o índice pode ser considerado estável. O número de eleitores que não sabem ou preferiram não opinar também teve uma leve alteração, subindo de 3% para 4%.

Na avaliação administrativa, mais uma vez tem destaque a insatisfação popular. Do total, 6% dos entrevistados consideram a administração ótima; 19% boa; 28% regular; 11% ruim; e 33% péssima. Apesar do alto índice de classificação péssima, a gestão apresentou melhoras, se comparada ao resultado da pesquisa anterior quando o percentual de olindenses a considerar a administração péssima chegava a 37%; ruim 11%; regular 24%; boa 20% e ótima 6%.

Com relação aos serviços, o mais criticado (53% de péssimo) foi o saneamento. Se considerarmos também o percentual dos que consideram o serviço ruim, a insatisfação sobe para 70%. Logo em seguida vem a limpeza de canais: 53% péssimo e 14% ruim, totalizando 67%; e saúde, com 51% péssimo e 10% ruim, num total de 61%. O serviço mais bem avaliado foi a iluminação pública: 2% considera ótimo; 38% bom; 25% regular; 9% ruim e 25% péssimo. O percentual mais alto de insatisfação com saneamento por faixa etária ficou com os entrevistados com idade entre 35 e 44 anos: 69% consideram o serviço péssimo. Quando a divisão passa a ser por idade, o maior indice de avaliação péssima ocorre por parte de participantes da classe A1 e A2, que estão insatisfeitos com a limpeza dos canais (75%).

O cidadão insatisfeito credita a maior parte da responsabilidade pelos serviços com avaliação negativa para a prefeitura. Questionados sobre a instância de governo – se Federal, Estadual ou Municipal – responsável pelo saneamento, 40% respondeu que é o município; 10% Governo Federal; 7% estadual; 1% parceira entre governos Estadual e Federal; 1% parceria governos Federal e Municipal; e 4% parceira entre governos Estadual e Municipal. Um número significativo – 35% – considera que a responsabilidade é de todos e 2% não souberam ou não quiseram opinar.


Olinda: 33% votarão branco ou nulo

Por Monaliza Brito
Da Folha de Pernambuco

Se a eleição em Olinda fosse hoje, o prefeito Renildo Calheiros (PCdoB) estaria reeleito com 34% dos votos. É o que indica a última pesquisa realizada pelo Instituto Exatta. Os outros candidatos do município, Izabel Urquisa (PMDB) e Armando Sérgio (DEM), teriam respectivamente, 11% e 6% dos votos. Mas o fato que mais chama a atenção neste novo levantamento é o alto índice de eleitores que não votam em nenhum dos candidatos registrados – 33% – ou que não sabem ou não opinaram – 16%. A 41 dias da eleição, eles somam juntos 49% do total de eleitores do universo pesquisado, percentual incomum nas grandes cidades.

“Nunca vi algo assim nas grandes cidades pernambucanas”, avaliou o diretor do Instituto Exatta, João Matos. “Isso pode ser um reflexo do alto índice de eleitores pessimistas com relação ao futuro da cidade”, explicou. Em Olinda, 38% dos entrevistados se declaram pessimistas quanto ao futuro do município e 3% afirmaram estar muito pessimistas. “Acredito que até a eleição, o percentual de votos indecisos e nulos deve diminuir, mas o número de olindenses com perspectiva negativa do futuro da cidade não deve mudar”, completou o diretor.

O índice de votos indecisos e nulos traz à tona uma crença popular na qual, caso o percentual de votos nulos a­tinja o índice de 50% mais um do total nas urnas, o pleito será cancelado e uma nova eleição será convocada, respeitando o prazo legal. Mas no site do TSE é possível ter acesso a uma declaração do ministro Marco Aurélio Melo desmentindo a tese. Votos brancos e nulos não têm o poder de interferir no processo, tendo em vista que não são computados como votos válidos. A nulidade a qual se refere o artigo 224 do código eleitoral diz respeito a fraude ou algum fator ilícito no decorrer do processo, segundo o previsto nos artigos 222 e 223 do código.

Apesar disso, o número é alarmante porque demonstra um grande número de olindenses insatisfeitos com as atuais opções de voto. Os índices de rejeição também são significativos. Entre os entrevistados, 39% não votariam em Izabel Urquisa; 37% não votariam em Renildo; 27% não votariam em Armando Sérgio; e apenas 22% não rejeitam nenhum dos nomes apresentados. As mulheres representam o maior percentual de votos indecisos – 17% – e nulos – 36% -, já que 53% delas não têm candidato ou não vota em ninguém. Se os eleitores forem separados por grau de instrução, esse percentual pode atingir índices ainda maiores. Entre os entrevistados com nível superior completo, 69% não votam em ninguém até o momento, sendo deste total 46% de nulos e 23% de indecisos.
Apesar disso, 33% afirmam que ainda podem mudar o voto, contra 67% que se declaram decididos. Os mais seguros são justamente os que não votam em ninguém: 84% não pretendem mudar de opinião. Em seguida vêm os eleitores de Renildo: 77% deles estão certos a respeito do que fazer ao chegar as urnas.


Pesquisa: Russomanno com 31% e Serra com 27%

Pela primeira vez, Celso Russomanno (PRB) aparece numericamente à frente do tucano José Serra na disputa pela Prefeitura de São Paulo.

Pesquisa Datafolha realizada ontem mostra Russomanno com 31% das intenções de voto, 4 pontos a mais que Serra. Como a margem de erro da pesquisa é de 3 pontos para cima ou para baixo, eles continuam tecnicamente empatados.

Em relação ao levantamento anterior, de 19 e 20 de julho, Russomanno cresceu 5 pontos. No mesmo período, Serra caiu 3.

Esta é a última pesquisa de intenção de voto para prefeito de São Paulo antes do início do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV, que começa hoje.
Leia Mais


Lula é quem mais exerce influência entre os eleitores

(Foto: Instituto Lula)

Da Folha de Pernambuco

Quando os entrevistados foram questionados sobre que lideranças políticas influenciariam nas suas decisões para o voto, as respostas em Caruaru surpreenderam, já que o bem avaliado governador do Estado, Eduardo Campos (PSB), apareceu em penúltimo lugar na lista, ganhando em influência apenas para o seu vice, João Lyra Neto (PDT), ficando atrás, inclusive, do ex-prefeito e atual deputado estadual Tony Gel (DEM). A liderança que mais repassa votos em Caruaru é o ex-presidente Lula (PT), que foi citado por 34% dos que responderam ao levantamento.

Ainda de acordo com a consulta, 19% afirmaram que não se deixariam influenciar por nenhuma liderança, já que o voto é uma escolha pessoal. Em terceiro lugar no ranking de prestígio entre os eleitores do município está a presidente Dilma Rousseff (PT), que recebeu a confiança de 12% dos entrevistados. Empatado com a presidente Dilma com os mesmos 12% aparece o deputado Tony Gel e, só então, chega a vez do governador, que ficou com 10%. João Lyra influenciaria o voto de apenas 3% e 9% não souberam responder ou não opinaram.

EXPECTATIVA
Apesar de a maioria do eleitorado está do lado de Miriam Lacerda, quando os entrevistados foram perguntados sobre quem eles acreditavam que iria ganhar a eleição, houve um empate entre os dois principais candidatos com um índice de 37%. Para o diretor de pesquisa da Exatta, João Matos, esse quadro pode ter relação com o fato de Queiroz ser o prefeito e ter muito apoio. “Esse dado mostra que uma parte das pessoas que votam em Miriam não acreditam que ela será eleita, talvez por acharem que Queiroz tem muita força e apoio político na região”, supôs. Ainda de acordo com o levantamento 26% não souberam responder ou não opinaram.


Atual administração é aprovada por 55%

Da Folha de Pernambuco

No cenário em que se coloca a gestão do atual prefeito de Caruaru, José Queiroz, na berlinda, se observa também um crescimento do gestor com relação à última pesquisa, realizada em maio. A evolução, porém, foi discreta, tanto quanto foi seu crescimento na intenção de votos. O pedetista passou de 53% de aprovação em maio para 55% agora em agosto. Contudo, a queda na desaprovação foi maior, já que na pesquisa realizada em maio 46% dos entrevistados declararam desaprovar a atual gestão e agora esse número passou para 39%. Ainda de acordo com o levantamento 6% dos entrevistados não souberam responder ou não opinaram sobre o tema.

Ao contrário de prefeito, o governador Eduardo Campos (PSB) registrou uma queda na avaliação de sua gestão  entre os caruaruenses. Em maio, Campos figurava no levantamento da cidade com uma aprovação de 90%, agora em agosto o governador caiu para 84%, ou seja uma redução de seis pontos percentuais. Por outro lado a desaprovação também subiu um pouco, passado de 8% em maio, para 11% na atual pesquisa. Cinco por cento dos entrevistados não souberam responder ou não opinaram sobre o tema.

Por sua vez, Dilma Rousseff também registrou uma queda na avaliação da sua atuação na Presidência da República, no município de Caruaru. Na pesquisa realizada pelo Instituto Exatta em maio deste ano, a gestora recebeu uma aprovação de 91% e caiu para 86% na consulta realizada agora em agosto. Contudo, a presidente continua mais bem avaliada do que o governador do Estado nessa região. A desaprovação, por outro lado, é a mesma recebida por Eduardo Campos, 11%, três pontos percentuais a mais do que a avaliação de maio, quando Dilma teve apenas 8% de desaprovação.

ELEITORADO
Um dado importante e curioso no município de Caruaru é que a cidade perdeu cerca de 20 mil eleitores para o pleito deste ano, isso porque essa parcela da população não se recadastrou no prazo determinado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). É importante lembrar que apenas aqueles que estão em situação regular com a Justiça Eleitoral poderão emitir seu voto nas eleições municipais de 7 de outubro deste ano.


Queiroz registra uma rejeição de 34%

Da Folha de Pernambuco

O atual prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT), registrou uma rejeição alta na pesquisa realizada pela Exatta. Quando perguntados em que candidato não votariam de maneira nenhuma, 34% dos 453 entrevistados disseram o nome do pedetista. Nesse cenário, a candidata do DEM, Miriam Lacerda, está numa situação mais confortável, já que obteve a menor rejeição, que foi de 25%.

O postulante do PSOL, Fábio José é o primeiro colocado nesse item, figurando no levantamento com 36% das respostas negativas. A Exatta apurou também que 19% dos entrevistados afirmaram que não rejeitam nenhum dos nomes apresentados e 6% não souberam responder ou não opinaram.

Para o diretor de pesquisa da Exatta, João Matos, entretanto, o percentual de rejeição de José Queiroz se deve ao fato de que ele é o mais julgado, já que está à frente da gestão. “Miriam ficou com um percentual menor, mas também tem o fato de que ele (Queiroz) é o prefeito, ele é quem responde pela administração atual, então isso reflete nessa questão”, presumiu o especialista.

Com relação à faixa etária dos entrevistados, a pior situação de José Queiroz ficou entre aqueles com idade que vai de 25 a 34 anos, onde ele recebeu 42% das respostas negativas. Já a menor rejeição do pedetista foi entre os pesquisados de 45 a 59 anos (22%). Miriam Lacerda foi mais rejeitada pelos entrevistados na faixa de 35 a 49 anos (29%) e recebeu o me­nor número de negativas en­tre aqueles com mais de 60 anos (20%).  O mais rejeitado na consulta, Fábio José, ficou pior posicionado entre aqueles com idade de 45 a 59 anos (40%) e sua menor rejeição foi na faixa etária de 35 a 44 anos (32%).

No que se refere ao grau de instrução, o atual gestor obteve uma maior rejeição entre aqueles com o segundo grau, pois 36% desse grupo afirmaram que não votariam de forma nenhuma em José Queiroz. O prefeito porém obteve um quadro melhor entre os entrevistados com nível superior, desta vez apenas 24% disseram não votar no pedetista. Exatamente onde Queiroz tem menor rejeição Miriam tem a maior, 40% do pesquisados com nível superior revelaram não votar na democrata. Sua menor rejeição ficou entre os analfabetos ou que apenas sabem ler e escrever (14%). Fábio José foi mais rejeitado entre aqueles com primeiro grau (39%) e teve a menor rejeição no grupo com segundo grau (34%).


Miriam Lacerda lidera em Caruaru

Por Amanda Seabra
Da Folha de Pernambuco

Apesar de ter uma confortável retaguarda de apoio com 17 partidos, o atual prefeito de Caruaru e candidato à reeleição, José Queiroz (PDT), ficou em segundo lugar na pesquisa realizada pelo Instituto Exatta, entre os dias 14 e 16 de agosto, com 453 pessoas do município do Agreste pernambucano. O pedetista obteve 34% das intenções de voto, contra 41% da sua principal adversária, Miriam Lacerda (DEM), que encabeça a chapa de uma coligação de oposição formada por sete partidos. O terceiro candidato da disputa caruaruense ficou muito distante dos dois primeiros colocados, Fábio José (PSOL) figurou no levantamento da Exatta com um percentual de apenas 2%. Ainda de acordo com a consulta, 9% dos entrevistados disseram que não votariam em nenhum dos candidatos postos e 14% não opinaram ou não souberam responder. A margem de erro da pesquisa é de 4,6 pontos.

O cenário político de Caruaru já foi avaliado outras duas vezes pela Exatta, nos meses de janeiro e maio deste ano, nas duas ocasiões os candidatos ainda não estavam definidos. Fazendo um comparativo entre os dois momentos anteriores e a consulta de agora é possível observar o caminho percorrido pelos candidatos e também que houve uma aproximação entre os números dos dois. Em janeiro, a candidata que hoje está na frente da pesquisa tinha 31% das intenções de votos, em maio ela subiu para 43% e, portanto, agora registrou uma discreta queda de dois pontos percentuais na pesquisa de agosto.

José Queiroz, na primeira consulta realizada em Caruaru, obteve 35% das intenções de voto, em seguida, no mês de maio, caiu para 31% e, agora em agosto, obteve uma pequena recuperação chegando ao percentual de 34%. Apesar de ter melhorado, o gestor ainda está sete pontos atrás da postulante democrata.

“Os números mostram que está havendo uma convergência entre os dois principais candidatos, porém essa convergência está sendo lenta. De maio para cá, por exemplo, Queiroz cresceu apenas dois pontos, apesar de toda a sua força e apoio na cidade”, avaliou o diretor de pesquisa da Exatta, João Matos. O candidato do PSOL não pontuou no levantamento realizado em janeiro e em maio obteve 1% das intenções de votos.

Talvez por ser mulher, a candidata do DEM parece ter maior simpatia do eleitorado feminino e isso se traduziu nos números da pesquisa, onde a prefeiturável foi a preferência de 42% das 255 mulheres que responderam ao levantamento, contra 31% do pedetista. O psolista ficou com apenas 1% das intenções das eleitoras.  Com relação à faixa etária Miriam Lacerda obteve sua melhor pontuação entre os mais jovens, com idade entre 16 e 24 anos (48%).

José Queiroz ficou melhor posicionado na faixa que vai dos 35 aos 44 anos (39%); já Fábio José obteve 2% em todas as faixas etárias, exceto na que vai de 45 a 59 anos, onde teve 1% da preferência dos eleitores.

ESPONTÂNEA
Na pesquisa espontânea, ou seja aquela em que o entrevistador não apresenta o nome dos candidatos para os entrevistados da pesquisa, 32% responderam que votariam na candidata democrata, Miriam Lacerda; enquanto que 29% declaroaram que votariam no atual prefeito;  30% não souberam ou não opinaram sobre a questão e 9% não votariam em ninguém. O candidato do PSOL não foi lembrado no levantamento espontâneo.


Queda no Ibope não assusta o candidato do PT

(Foto: Hesíodo Góes/Arquivo Folha)

Por Manoel Guimarães
Da Folha de Pernambuco

A terceira pesquisa Folha /TV Globo/Ibo­pe sobre a sucessão no Recife foi comemorada pelo candidato do PT, senador Humberto Costa. Ele obteve 32% das intenções de voto, figurando novamente na liderança, mas oscilando negativamente em relação aos levantamentos anteriores. No primeiro, divulgado em 16 de julho, o postulante obteve 40%, mas caiu para 35% no dia 3 de agosto. Além disso, a diferença para o segundo colocado – posição na qual estão empatados Mendonça Filho (DEM) e Geraldo Julio (PSB) – diminuiu de 20, na primeira pesquisa, para 16 pontos percentuais. Apesar da queda, Humberto acredita que começará a reverter o gráfico nos próximos dias, com o guia eleitoral, que iniciará na próxima quarta-feira para os candidatos majoritários.

“Achei boa a pesquisa. Tem algumas coisas meio contraditórias. Foi a única pesquisa em que Daniel Coelho (PSDB) ficou com 10%. Minha rejeição caiu (era 27%, passou para 29% e agora está em 23%) e ampliei a vantagem no segundo turno sobre Mendonça. Em relação ao candidato do PSB, a dianteira é bastante expressiva. É um sinal de que a gente pode melhorar o nosso desempenho no primeiro turno”, analisou Humberto. Sobre as quedas no percentual de intenções de voto, o candidato considerou que estão dentro da margem de erro. “Uma hora aumenta para um, depois para o outro. Mas vou recuperar isso”, colocou.

A convite do ex-presidente Lula, maior cardeal do PT nacional, Humberto viajou ontem para São Paulo, onde gravou imagens para o guia eleitoral com o correligionário. Na pauta, a estratégia que será a tônica da campanha: o foco deverá ser alavancar o nome do petista, deixando de lado a candidatura do PSB do governador Eduardo Campos – o que teria estremecido a relação com Lula.

O encontro durou cerca de uma hora, e o ex-presidente ainda garantiu: virá ao Recife participar da campanha no início de setembro. “Levei um material, que ele ficou de gravar depois, coisas para os comerciais. Mas fizemos algumas gravações no improviso. Estará no primeiro dia do guia eleitoral, mas tem conteúdo para vários dias. Falamos sobre a questão eleitoral, a importância de manter o PT à frente da Prefeitura. E Lula falou até na gravação que estará no Recife no início de setembro, mas eu disse que preferia que sua vinda fosse mais cedo, e ele ficou de se organizar. Mas ele virá sim para a nossa campanha”, ressaltou Humberto.


Eleitores apontam Saúde como principal problema

Por Mirthyani Bezerra
Da Folha de Pernambuco

A saúde continua sendo considerada como um dos principais problemas da cidade a ser enfrentado pela nova gestão municipal. Dos entrevistados, 62% apontaram a saúde como uma das três dificuldades que mais preocupam os recifenses. O índice é o mesmo apresentado na pesquisa anterior, divulgada no dia 3 de agosto. A saúde é seguida pela segurança pública (46%), educação (34%), rede de esgoto (24%) e trânsito (21%).

Na pesquisa anterior, segurança pública e educação também figuraram como as mais problemáticas, após saúde, com 49% e 33%, respectivamente. Do total de entrevistados, 22% tinham apontado a rede de esgoto como um dos três principais problemas e 24% o trânsito do Recife. É importante salientar que o índice leva em consideração o somatório das três áreas consideradas mais deficitárias pelos participantes da pesquisa.

A saúde também ficou em primeiro lugar quando os participantes foram solicitados a apontarem apenas um principal poblema. O segmento foi considerado pior por 33% dos entrevistados, seguido pela segurança pública (14%), rede de esgoto e calçamento de ruas (8%) e trânsito (7%). Os índices praticamente se mativeram em relação à pesquisa anterior. Quando apontada como um dos três piores problemas da cidade, o índice relativo à saúde também tendeu a crescer entre os grupos mais vulneráveis, como na última rodada.


João da Costa rejeitado pela maioria dos recifenses

.

Por Jumariana Oliveira
Da Folha de Pernambuco

Na reta final da sua gestão, o prefeito João da Costa (PT) ainda tem altos índices de desaprovação. Na terceira pesquisa Folha/TV Globo/Ibope, 57% do eleitorado respondeu que não concorda com a forma que o gestor vem administrando a cidade. Por outro lado, 37% disseram que aprovam o prefeito, enquanto 6% não souberam ou não responderam. Na primeira e na segunda avaliação, João da Costa foi reprovado por 53% e 56%, respectivamente. Os números, no entanto, estão dentro da margem de erro, que é de três pontos percentuais. Apesar de ter sido rifado da disputa, o índice ainda é considerado alto para quem teve quase quatro anos para mostrar seus projetos.

Nesta pesquisa, os entrevistados ainda tiveram a oportunidade de avaliar o desempenho da gestão. Para 40% dos questionados, o governo do petista é ruim ou péssimo. Já 22% declararam ser uma administração boa ou ótima, enquanto 37% avaliaram como regular. Apenas 1% não soube ou não quis responder. O petista amarga os piores índices entre os eleitores do sexo masculino (47%), com faixa etária de 25 a 29 anos (47%), com pessoas de renda familiar acima de cinco salários (49%) e entre aqueles que estudaram até o Ensino Fundamental da 5ª a 8ª série ou Ensino Médio (40%).

Numa eleição onde os cabos eleitorais estão sendo bastante explorados pelos candidatos, foi possível observar que tanto a avaliação da gestão do governador Eduardo Campos (PSB) – apoiador do candidato Geraldo Julio (PSB) -, quanto a da presidente Dilma Rousseff (PT) – que apoia Humberto Costa (PT) – estão em alta. Nesse quesito, Eduardo sai na frente. Para 68% dos entrevistados a administração do governador é ótima ou boa. Enquanto 25% consideraram regular e apenas 7% disseram ser ruim ou péssima. Não souberam ou não responderam representou 1%.

Já o governo de Dilma é considerado bom ou ótimo por 59% dos entrevistados. O total de pessoas que disseram ser uma gestão regular somou 29%. Aqueles que acham a administração ruim ou péssima representaram 10% e apenas 1% não soube ou não quis responder.


Deputado e Edna Costa são os mais rejeitados

(Foto: Wagner Ramos/Arquivo Folha)

Por Valdecarlos Alves

Nesta terceira rodada da pesquisa Folha/Globo/Ibope sobre o cenário eleitoral, os candidatos a prefeito do Recife apresentaram índices de rejeição bem próximos: o deputado Mendonça Filho (DEM) e Edna Costa (PPL) aparecem empatados entre os mais rejeitados pelos eleitores, com 25%, cada postulante. Em seguida, estão Humberto Costa, com 23%; Jair Pedro (PSTU), 21%; Esteves Jacinto (PRTB), 19%; Daniel Coelho (PSDB), 18%; e Roberto Numeriano (PCB), 17%. Com 14%, o socialista Geraldo Julio é o menos rejeitado pelos pesquisados na Capital pernambucana. Ainda 13% dos eleitores declararam que poderiam votar em todos os postulantes à Prefeitura do Recife e 16% não sabem ou não responderam à pergunta.

No levantamento divulgado no dia 3 de agosto, o senador Humberto Costa liderava o índice de rejeição ao lado de Mendonça Filho. Cada um dos prefeituráveis apareceu com 29% de desaprovação por parte do eleitorado recifense. Nesta terceira rodada do Ibope, o petista é disparado o mais rejeitado entre os eleitores que ganham mais de cinco salários mínimos. Neste quadro, 40% dis­­­­seram que não votariam de jeito nenhum no candidato. Mendonça e Edna Costa, mais uma vez, ficam empatados com 29% cada um. Entre os que ganham até um salário, Edna aparece com 25% de rejeição e Mendonça fica colado na prefeiturável com 24%.

Mendonça Filho tem ainda maior rejeição no universo masculino pesquisado pelo Ibope, no qual 30% declararam que não votariam no parlamentar. Essa tendência também se aplica aos mais jovens (entre 16 e 24 anos), onde 28% não querem o democrata como chefe do Executivo municipal. Edna Costa é a mais rejeitada entre os que têm 50 anos ou mais (27%) e também junto ao eleitorado que cursou até a 4ª série do Ensino Fundamental. Nesse segundo grupo, a representante do PPL tem 21% de rejeição. Mendonça e Humberto assumem a dianteira dos mais rejeitados entre os pesquisados de nível superior, com 31% e 30%, respectivamente.