Jaciel Belo: "A ansiedade maior é para ver o estádio pronto".(Foto: André Nery)

MARCELO MONTANINI/PORTAL FOLHA PE

Aproveitar o desenvolvimento local para evoluir profissional e pessoalmente. A partir desta ideia, o garçom Jaciel Belo, 20 anos, observa os grandes eventos – Copa das Confederações 2013 e Copa do Mundo 2014 – e o crescimento de São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife (RMR), onde situa-se a Arena Pernambuco, palco dos jogos no Estado. Ele mora no alojamento do restaurante Bode do Mundinho, onde trabalha, e, quinzenalmente, vai para casa em Passira, no Agreste pernambucano.

O restaurante localiza-se a cerca de 500 metros do terreno da Arena, onde, segundo o próprio, antes situava-se o estabelecimento. “O proprietário recebeu a indenização e o restaurante se mudou para essa nova área”, afirmou Belo, que trabalha no local há oito meses e diariamente tem como pano de fundo as obras da Arena Pernambuco.

Esta localização pode dar visibilidade ao restaurante e, consequentemente, atrair turistas. “Vamos ganhar muita visibilidade. O restaurante está muito bem localizado, e temos que aproveitar a oportunidade. Mas para isso os funcionários têm que passar por um processo de qualificação”, analisou o rapaz humilde e de poucas palavras. “Acho que aprender um idioma será fundamental para melhorar o atendimento e facilitar a vida dos turistas”, afirmou, completando que o inglês seria interessante pela abrangência.

Com o privilégio de “fiscalizar” as obras do novo estádio, Belo aguarda ansioso para ver a Arena finalizada. “A ansiedade maior é para ver o estádio pronto. Ainda não tenho como imaginar como ficará tudo aqui em volta nos próximos meses. Nunca aconteceu nada parecido, então não tenho como comparar essa sensação. Mas é uma satisfação muito grande sentir que a região será valorizada”, ponderou, acreditando que esta é uma grande oportunidade de crescer na vida.