Não adiantar ameaçar, berrar, chorar, gritar, urrar... futebol se ganha jogando. Fica a dica para os dirigentes e torcedores.

Gustavo Lucchesi

Quando tudo prometia ser apenas futebol de boa qualidade e doses cavalares de emoção para os torcedores, um dos Pernambucanos mais importantes da história do nosso futebol vai se transformando num vergonhoso e covarde campo de guerra.

E o pior: as promessas de pouco futebol e muita irracionalidade vem partindo dos próprios dirigentes de Sport e Náutico. Não que seja permitido que os torcedores pensem dessa forma, mas observem o perigo da declaração do presidente alvirrubro, Berillo Júnior, que em tom de ameaça, soltou um. “Eles estão esquecendo que existe o jogo da volta”.

Essa simples combinação de palavras já ganhou outra proporção na cabecinha fértil para bobagens de alguns “torcedores”. Uma sequência de planos e sugestões de idiotices extra-campo foi lançado numa comunidade ligada ao Náutico.

Nos textos, estão pérolas como “cortar a energia do vestiário rubro-negro”, “vigiar os arredores dos Aflitos para infernizar os rubro-negros” e até mesmo “invadir o gramado” caso o Timbu esteja perdendo.

Quero deixar claro que não estou generalizando e há torcedores do bem em qualquer equipe e lugar. Mas, esta pequena parcela de parasitas e agitadores, que estão se lixando para o futebol em sim, precisa ser eliminada dos estádios, mesmo que aos poucos.

É confundir rivalidade esportiva com guerra. Adversário com inimigo.

Já escutei rubro-negro e até mesmo alvirrubro dizendo que não vai para o estádio neste domingo, por medo da violência.

E claro que me refiro a todas as torcidas, principalmente as de Sport, Náutico e Santa Cruz.

Não colocaremos as imagens com essas idéias mirabolantes do Orkut alvirrubro para não dar publicidade aos “gênios de plantão”.

Que essas ameaças fiquem apenas no campo virtual e não manche um dos campeonatos mais importantes da história do futebol pernambucano.

E dirigentes, por favor, sigam o exemplo de Carlinhos Bala ou Eduardo Ramos: se for para falar besteira, é melhor ficar calado.