Estadual pronto para voltar a pegar fogo

Gustavo Lucchesi

O carnaval ainda nem acabou e os clubes pernambucanos já estão concentrando suas forças para voltar a campo.

Após a pausa para a folia momesca, o Estadual retorna amanhã, com três jogos importantes.

 JOGOS

 Sport x Salgueiro, às 20h, na Ilha do Retiro.

É ganhar para melhorar essa cara, né Hélio? Foto: Site Oficial/Divulgação

Precisando esquecer a humilhante eliminação na Copa do Brasil, o Sport vai para cima do Carcará precisando vencer para se manter no G4.

Na quarta colocação, com 24 pontos conquistados, apenas um a mais que o Porto (quinto colocado e que joga apenas amanhã, em casa, contra o Ypiranga), os leoninos tentam ganhar uma tranqüilidade que ainda não tiveram neste Estadual.

Com um elenco inchado (36 jogadores), é bem provável que algumas dispensas e empréstimos sejam anunciados na Praça da Bandeira ainda nesta semana.

Aposto numa vitória do Sport, com certa dificuldade.

Petrolina x Santa Cruz, às 21h50, no Paulo Coelho (Petrolina).

Zé Teodoro continua sem contar com Thiago Cunha. Foto: Jédson Nobre/Folha de PE

Após fracassar diante do Araripína, em pleno Arruda, o Santa Cruz entra em campo tentando a retomada da vice-liderança, perdida para o Central.

A grande dificuldade dos tricolores será no ataque. Sem Thiago Cunha, ainda lesionado, o time perde bastante o poder de movimentação no ataque.

Mesmo com a boa qualidade na finalização, Rodrigo Gral não tem mais a característica de desempenhar o papel que Cunha desempenha.

Também acho que a Cobra Coral deve vencer, mas vai sofrer bastante. Principalmente com o estado duro do gramado.

Araripina x Central, às 20h, no Chapadão do Araripe.

Sem Simões, Central tenta seguir com a mesma força. Foto: Hesíldo Góes/Folha de PE

Com a saída inesperada do treinador Maurício Simões, o Central tenta juntar as peças com Serrão, no comandante, e provar que grande parte da sua força não vinha do agora ex-treinador.

Sinceramente, penso que a Patativa perdeu o seu grande maestro, que era Simões, e deve cair bastante de produção.

Claro que acredito que o Alvinegro se classifica para as semifinais, pelo excelente primeiro turno que fez, mas não será tão fácil assim como seria com o antigo treinador no comando.


Retrospectiva Estadual: números de ataque e defesa

Depois de 11 rodadas de Estadual, resolvemos fazer um balanço geral com algumas considerações e opiniões sobre essa primeira metade da fase.

Maurício Simões vem fazendo grande trabalho no Central. Foto: Folha de PE

Números de ataque e defesa

O melhor ataque da competição é o do Central, com 20 gols marcados, assim como o melhor saldo de gols (+12).

Bem no ataque, a Patativa já mostrou que tem um belo sistema defensivo, provando isso no critério de gols tomados, sofrendo apenas oito em 11 jogos, tendo a segunda melhor defesa, juntamente com o Náutico.

Os grandes responsáveis pelo sucesso da Patativa neste quesito são os zagueiros Breno e Valnei, que formam uma dupla forte e entrosada.

A defesa menos vazada é a do Salgueiro, que é um time que toma poucos gols e faz menos ainda, possuindo curiosamente o pior ataque da competição, com apenas cinco gols marcados.

A grande surpresa é que o terceiro pior ataque pertence ao Sport (oito gols), que investiu pesado na vinda de um artilheiro da Série B, como Alessandro, e ainda possuí Ciro e Carlinhos Bala para a função.


Balde de gelo no Santa Cruz

Central fez a festa no Arruda. Foto: Jédson Nobre/Folha de PE

Transbordando otimismo, pouco mais de vinte mil tricolores compareceram ao Arruda confiando numa vitória fácil diante do Central, mesmo sabendo que a Patativa tem um bom time.

E a noite terminou com um balde de gelo despejado na cabeça da torcida coral.

O problema é que a equipe coral não acompanhou a sua torcida e fez um dos seus piores jogos neste Estadual.

Na primeira etapa, o jogo foi bastante equilibrado, com uma chance para cada equipe. Isso até os 30 minutos de bola rolando.

Depois disso, só deu Central, que abriu o placar com Wilson Surubim e poderia até ter aumentando, com Rosembrick perdendo boa chance ao chutar fraco para a defesa do vaiadíssimo André Zuba.

Na segunda etapa, o Tricolor buscou a igualdade de forma desordenada, atuando mais á base da emoção do que a razão.

Chegou até a empatar, mas o assistente marcou impedimento acertadamente.

Depois dos 20 minutos da etapa final, o Central voltou a dominar o campo e matou a partida.

Primeiro com Marcinho, após falha de André Zuba. Depois com Harlei, que teve total liberdade para dominar e mandar uma bomba de fora da área, sem defesa para o arqueiro coral.

Completamente entregue em campo, o Tricolor agradeceu à má pontaria de alguns centralinos e as chances desperdiçadas.

Os pontos negativos dos tricolores foram o sistema defensivo, que bateu cabeça durante todo o jogo e o meia Mário Lúcio, que mais uma vez foi peça nula em campo.

Sobre as críticas contra André Zuba, ele foi escolhido injustamente como vilão da história.

Verdade que o goleiro teve a sua parcela de culpa no segundo gol, mas está longe dele ser o personagem principal do fracasso coral.


Classificação do Estadual 2011 após 9 rodadas

1 – Santa Cruz – 21 pts

2 – Central – 20 pts

3 – Porto – 18 pts

4 – Náutico – 18 pts

5 – Salgueiro – 14 pts

6 – Petrolina – 14 pts

7 – Sport – 14 pts

8 – Vitória – 10 pts

9 – Cabense 9 pts

10 – Araripina – 8 pts

11 – Ypiranga – 6 pts

12 – América – 1 pt


Náutico seguro no “ensaio” do clássico

Timbu superou o Vitória e o gramado ruim do Carneirão. Foto: Jédson Nobre/Folha de PE

Gustavo Paes/Folha de PE

A vitória magra do Náutico diante do Vitória, por 1×0, é um retrato bem acabado das dificuldades do início do Campeonato Pernambucano.

O time de Roberto Fernandes saiu satisfeito de Vitória de Santo Antão, pois, além de juntar mais três pontos na classificação, a equipe demonstrou concentração e inteligência para jogar em situações adversas (no caso, o péssimo gramado do estádio Carneirão).

As ressalvas: o treinador perdeu o zagueiro Everton Luís e o lateral direito Peter, ambos com lesões musculares. Além disso, teve que poupar Meneghel e se viu obrigado a colocar os estafados Walter e Jeff Silva em campo.

Mas a vocação ofensiva, também trabalhada com Alexandre Gallo em 2010, parece estar trazendo frutos para os Aflitos. Principalmente no início das partidas, os três atacantes conseguem surpreender os zagueiros mais desatentos. ]

Bastou uma jogada mais incisiva, com a bela participação de Eduardo Ramos, para Rogério abrir o marcador, aos 17. Diante de um Vitória sem força ofensiva, o placar mínimo se transformou em uma garantia de três pontos

Projetando para o futuro, Roberto Fernandes tem vantagens em relação a Gallo. As peças de reposição podem alimentar o time em uma temporada que deve ser marcada pela maratona de jogos.

Se a diretoria acertar na contratação dos dois zagueiros que planeja trazer para reforçar o elenco, o Náutico deve chegar ao ato final do Campeonato Pernambucano em um patamar acima dos rivais.


Classificação do Estadual 2011 pós 6º rodada

1 – Santa Cruz – 18 pts

2 – Central – 16 pts

3 – Porto – 15 pts

4 – Náutico – 11 pts

5 – Sport – 8 pts

6 – Petrolina – 8 pts

7 – Salgueiro – 7 pts

8 – Cabense – 6 pts

9 – Araripina – 4 pts

10 – Vitória – 4 pts

11 – Ypiranga – 3 pts

12 – América – 1 pts

Próximos jogos

30/01 (domingo) – Náutico x Santa Cruz, Porto x Central, Petrolina x Ypiranga, Araripina x Cabense e América x Salgueiro (às 16h do Recife).

31/01 (segunda-feira) – Sport x Vitória (às 19h30 do Recife).


Ô seu prefeito, tu és Bode ou Leão?

Léo Lisboa/Folha de PE

Araripina viveu uma semana atípica. Num intervalo de sete dias, os três times de maior torcida do Estado passaram pela cidade.

Com eles, estiveram a imprensa esportiva local, noticiando não só os jogos do Bode, mas também divulgando o município.

Após empatar com o Náutico e perder para o Santa Cruz, os sertanejos enfrentam, neste domingo, o Sport, atual pentacampeão Estadual.

“Eu fiquei pensando. Será que o Bode vai vencer logo o meu Sport?”, disse um torcedor que possui paixão pelas duas equipes.

A partida vai dividir o coração do prefeito de Araripina, Lula Sampaio, amante do futebol, e que esteve na última Copa do Mundo, acompanhando de perto o maior evento da modalidade.

Ele é torcedor do Sport, mas depois da fundação do Bode, torce primeiramente pelo time que conquistou acesso à elite do futebol pernambucano em 2009.

Quando o bicho pega, o prefeito costuma ir diretamente aos atletas, cobrando melhor desempenho.

Foi assim na decisão da Série A2 do Estadual em 2009, quando foi no vestiário do time, pedindo maior empenho dos jogadores. Na ocasião, a equipe que perdia por 1×0, nos últimos 45 minutos virou o placar.

O Araripina Futebol Clube não vem bem no torneio, conquistou apenas um ponto, dos 12 disputados. Está na décima colocação, uma à frente da zona de rebaixamento.

Somar pontos diante do Leão é fundamental para o Bode e Lula Sampaio já disse: É Bode desde pequenininho. Pensar no Sport? Só depois do apito final.


Juniores 2011 – Classificação

Um pouquinho mais folgado que os profissionais, os juniores do Sport bateram o Ypiranga ontem, por 2×0, e assumiram provisoriamente a liderança isolada do Estadual de Juniores 2011.

Com o triunfo, os leoninos chegaram aos 12 pontos, três a mais que o Porto, que joga hoje à noite, no Lacerdão, contra o Salgueiro.

Porém, o destaque da rodada vai para a garotada do Santa Cruz, que deu um baile no Araripina, goleando por 5×0 os donos da casa e assumindo a terceira posição na tabela.

E bem diferente dos seus profissionais, que anda bem das pernas é o Vitória, que bateu ontem o Petrolina, no Carneirão, por 1×0, e pulou da sexta para a quarta posição.

Mal da pernas em todas as categorias, o América reagiu ao menos no Juniores, vencendo o Central por 1×0, ontem. Apesar de permanecer na nona colocação, a garotada do Mequinha não perdeu o pelotão intermediário de vista.

Hoje à noite, completando a quarta rodada: Náutico x Cabense e Porto x Salgueiro.

Classificação

1 - Sport – 12 pts / 4J

2 - Porto – 9 pts / 3J

3 - Santa Cruz – 8 pts / 4J

4 - Vitória – 7 pts / 4J

5 - Náutico – 6 pts / 4J

6 - Salgueiro – 4 pts / 3J

7 - Central – 4 pts / 4J

8 - Ypiranga – 4 pts / 4J

9 - América – 4 pts / 4J

10 – Araripina – 1 pt / 4J

11 – Petrolina – 0 / 4J

12 – Cabense – 0 / 4J


Voa Patativa, voa

Nada como enfrentar o lanterna da competição para esquecer uma “amarelada”.

Após estar vencendo o Petrolina por 3×1 e acabar cedendo o empate nos minutos finais, o Central aproveitou bem a oportunidade de enfrentar o saco de pancadas América e voltou a vencer para assumir provisoriamente a vice-liderança do Estadual, com dez pontos em quatro jogos.

Como ainda não tive oportunidade de ver a equipe de Maurício Simões “de perto”, alguns números e fatos chamam a atenção..

Com três vitórias e um empate, a Patativa é um dos três invictos da competição, juntamente com Santa Cruz e Porto, com este último podendo roubar o segundo lugar dos centralinos hoje, caso vença o Salgueiro, no Lacerdão.

Além disso, a defesa alvinegra só foi vazada em apenas um jogo, contra o Petrolina, ficando  os outros 270 minutos de bola rolando sem levar um golzinho sequer.

Outro fator que chama a atenção é que muito se falava que o Central dependeria das atuações do meia falastrão Rosembrick, com o próprio jogador avisando que seria o grande craque deste Estadual.

Porém, o “Mago” atuou apenas na partida de estréia da Patativa, ficando de fora últimos três jogos. Enquanto isso o zagueiro Émerson e o atacante Danilo Pittbull vão roubando a cena.

Caso não amarele na reta final, o Central tem imensas chances de abocanhar uma vaga entres os quatro semifinalistas, mesmo tendo grandes adversários como Salgueiro e Porto.


Abertura de Salgueiro x Náutico

Léo Lisbôa/Folha de PE

Léo Lisboa/Folha de PE

Por Léo Lisbôa, da editoria de Esportes da Folha de PE, diretamente de Salgueiro.

Salgueiro x Náutico, esta noite, no Cornélio de Barros, será o duelo da afirmação. As duas equipes, neste Estadual, ainda não engrenaram. O Carcará começou a competição cheio de expectativa por parte de todos, por conta do histórico acesso à Série B.

O feito fez a diretoria sertaneja aplicar mais recursos no gramado do estádio. Melhora essa que atrapalhou a preparação da equipe. Foram poucos trabalhos com bola na casa do Carcará. O resultado pode ser visto nas atuações sertanejas.

Na estreia, o time estava sendo derrotado 1×0 pela Cabense, no Cornélio de Barros até que houve a queda de energia. O Azulão se recusou a entrar em campo novamente e perdeu por W.O. A decisão final será na Justiça.

No rodada seguinte, no duelo das aves, quem se deu melhor foi a Patativa diante do Carcará: 1×0. Após o revés e sabendo da dificuldade de um confronto contra o Náutico, o técnico Cícero Monteiro espera que José Guilherme e Clebel Souza tenham paciência e não queiram interferir no projeto ainda em seu início.

A base do Carcará é a mesma do ano passado, mas o elenco é pequeno. Com a contusão de Clébson, o treinador do Salgueiro ficou sem opção der armador.

Ainda assim, ele disse que vai para cima dos alvirrubros. Só uma vitória vai dar tranquilidade ao grupo, que nunca jogou sob tanta responsabilidade neste Estadual.

No lado do Náutico, a vontade é de repetir a atuação da estreia, quando foi superior ao adversário durante os 90 minutos e o placar de 3×0 sobre Petrolina foi pequeno para o volume de jogo dos comandandos do técnico Roberto Fernandes.

Mas sequência de jogos desgastantes e o curto intervalo de tempo entre os duelos impedem os alvirrubros de repetirem a escalação de uma partida para a outra.

Hoje, Fernandes colocará em campo a terceira formação diferente em três jogos. Sempre com três modificações de um duelo para outro. O esquema tático mais uma vez será alterado: Sai o 3-5-2, entra o 4-4-2.

Contra o Araripina o Timbu oscilou. Jogou de igual para igual durante 20 minutos, depois recuou. Se “apequenou”, tomou pressão, mas segurou o empate. O ponto foi comemorado por todos, principalmente por Roberto Fernandes.

Bastar saber quem vai se dar melhor logo mais. O Salgueiro, que quer se afirmar no status de quarta força do futebol do Estado, ou o oscilante Náutico. As pessoas de dentro do clube podem até dizer que não, mas ver o Santa Cruz, com uma folha salarial bem inferior liderar o Estadual, incomoda.