Hoje vamos trabalhar uma questão da Covest que envolve três assuntos que se complementam entre si: regência verbal, emprego dos artigos e o uso do sinal indicativo de crase. Vejamos:

Considerando a regência dos verbos e o uso adequado do artigo definido, o acento indicativo da crase está correto na alternativa:


A) Os estrangeirismos entraram no Brasil já à partir da colonização. À quem responsabilizar?
B) De 15 à 20 do próximo mês, estarão abertas as inscrições do concurso. Estejamos atentos à essa data.
C) Daqui à três meses, teremos novos candidatos à concursos. Estamos à procura de oportunidades.
D) Não é à toa que a função de formar o cidadão tem sido atribuída à educação. Todos têm direito à conquista de sua autonomia.
E) De janeiro à junho, a visita à cidades do interior é bem mais acentuada.

Como sempre fazemos, vamos destrinchar letra a letra para entendermos os erros e acertos:

Letra a: Sabemos que diante de locuções prepositivas com palavra femininas, o uso do sinal indicativo de crase é obrigatório. Mas vejamos que, na letra A, o núcleo da locução é um verbo, e: NÃO EXISTE CRASE DIANTE DE VERBO. Na sequência, outro erro, NUNCA HÁ CRASE DIANTE DO PRONOME “QUEM”.

Letra b: Temos um intervalo em que a palavra diante do primeiro numeral (15) é uma preposição (DE), logo o “A”, diante do segundo numeral (20), tem que ser apenas uma preposição, portanto não haverá crase.

Letra c: O “A” está diante de um numeral (três), que, além de tudo, está no plural. Lembremo-nos: “A” SINGULAR DIANTE DE PLURAL à CRASE FAZ MAL! A única coisa que está correta é a locução “À procura de” à locução prepositiva.

Letra d: Essa é a única alternativa correta! A locução com palavra feminina: à toa; Atribuída a a educação: o primeiro “A” provém de atribuída; o segundo “A” pertence ao substantivo “educação”, logo “à educação” está correta; por fim “à conquista de” à locução prepositiva com palavra feminina.

Letra e: Novamente, outro intervalo: “de janeiro à junho”à preposição diante do primeiro substantivo, só preposição diante do segundo. Na continuação, “à cidades” à “A” singular diante de plural à CRASE FAZ MAL!

*Li­cen­cia­da em Língua Portuguesa e Espanhola pela UFPE, especialista em Gramática Normativa e professora de Português do Nuce.

comece o dia bem informado: