Ana pediu um empréstimo consignado no valor de R$ 40 mil para pagar uma dívida do marido. O valor deveria ser pago em parcelas de R$ 1.180, mas ele não quitou nem a primeira prestação. Ana acreditava estar fazendo um bem para a família. Ocorre que depois disso eles entraram em um processo de divórcio e, apesar de reconhecer a dívida, o ex-marido diz não ter condição de saldar o débito.

A consultora Georgina Santos, da Ágilis/RH, explica algumas peculiaridades do empréstimo consignado e detalha por que é arriscado fazer uma dívida em nome de um parente ou amigo.

comece o dia bem informado: