Protestante palestino
Protestante palestinoFoto: Ahmad Gharabli/ AFP

As principais cidades da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, bem como Jerusalém Leste, aderiram nesta quinta (27) a uma greve geral convocada em apoio aos palestinos em prisões israelenses que completam o 11° dia em greve de fome. "A greve é um sucesso e afeta Israel", disse à Agência EFE Isa Qaraqe, presidente da Comissão de Assuntos para os Prisioneiros e Ex-Prisioneiros.

As lojas, bancos, fábricas e todas as instituições públicas dos territórios palestinos permaneceram fechadas e tiveram apoio da zona oriental ocupada de Jerusalém, incluída a Cidade Velha, onde não sempre é visível este tipo de greve. O transporte público também foi afetado.

Em Jericó, Ramala, Hebrom e Gaza, dezenas de pessoas levantaram cartazes em apoio aos prisioneiros e centenas de simpatizantes iniciaram uma greve de fome simbólica de um dia.

Além disso, houve enfrentamentos com as forças de segurança israelenses no campo de refugiados de Yazalon e no posto de controle de Qalandiya, que une Jerusalém com Cisjordânia.

A greve é realizada um dia antes da convocação para o "Dia da Ira", também em solidariedade aos prisioneiros palestinos.

Em 17 de abril, o carismático líder do partido nacionalista Fatah, Marwan Barguti, fez uma chamada para iniciar uma greve de fome indefinida nas prisões israelenses que até o momento é seguida por aproximadamente 1,2 mil presos, segundo o Serviço de Prisões de Israel.

A Comissão de Assuntos dos Prisioneiros e Ex-prisioneiros avalia que são 1,5 mil os que aderiram à greve de fome, denominada "Greve pela Liberdade e Dignidade" e que exige a melhoria de suas condições, fim de situações de isolamento e o aumento das visitas de familiares.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: