Bruno Araújo, ministro das Cidades
Bruno Araújo, ministro das CidadesFoto: Jedson Nobre/Arquivo Folha

A divulgação dos áudios e vídeos dos depoentes da Odebrecht que citam o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), viraram sua principal peça de defesa. É que tanto o ex-diretor da Odebrecht no Nordeste, João Pacífico, quanto o ex-diretor de Relações Institucionais da empresa, Cláudio Melo, negam em seus depoimentos que o tucano tenha recebido qualquer tipo de contrapartida pelos valores repassados pela empreiteira. O auxiliar ministerial é um dos nomes que integram a lista do relator da Lava Jato, Edson Fachin, por supostamente ter recebido R$ 600 mil para campanhas eleitorais em 2010 e 2012.

Em seu depoimento, João Antônio Pacífico Ferreira garante desconhecer qualquer atuação parlamentar a favor da Odebrecht ou alguma contrapartida pelas doações da empresa. Segundo ele, a empreiteira decidiu manter uma boa relação com o parlamentar por “fazer uma aposta de que ele seria um político de destaque”. Pacífico ainda relata ter uma ligação pessoal com a família do pernambucano e revela que o conhece desde adolescente.

Questionado se o deputado teria trabalhado ou beneficiado a empresa com alguma medida parlamentar, durante o interrogatório, Pacífico é incisivo e nega. O ex-diretor da empresa afirma que, se houve alguma contrapartida, teria sido conquistada por intermédio de Cláudio Melo. No entanto, o gestor também nega ter recebido qualquer favor do ministro.

“A gente sempre falava de política, de uma maneira geral do Brasil e do meu estado natal. Essa foi a minha relação e da parte dele não houve nenhuma solicitação de nada, em termos de campanha”, relatou Cláudio Melo, em seu depoimento. O ex-diretor conheceu o pernambucano em uma audiência pública no Congresso Nacional para tratar de um processo licitatório que a Odebrecht participava, em 2008.

A falta de base para as delações acabou virando o mote para o discurso de defesa do ministro Bruno Araújo. Em nota, enviada na semana passada, a assessoria do auxiliar ministerial afirma que seu nome somente é citado nos depoimentos por atividades “inerentes à atuação parlamentar” e “temas que beneficiavam a região Nordeste”.

“Cláudio Melo Filho foi claro ao afirmar que a minha relação com a empresa era puramente institucional, sem qualquer contrapartida, descaracterizando qualquer tipo de ilação à corrupção. Da mesma forma, João Antônio Pacífico Ferreira informa que desconhece qualquer atuação parlamentar minha a favor da empresa em questão. Por último, o sentimento é ainda de surpresa com as imputações que me foram feitas. Mas, diante do que está exposto, tenho convicção de que tudo ficará devidamente esclarecido”, garantiu, em nota, o ministro Bruno Araújo.

Os trabalhadores da rede estadual de ensino participam, nesta quarta-feira (19), de Assembleia Geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe). A reunião ocorre no Teatro Boa Vista, no Recife, às 9h.

No encontro, a entidade repassará informações à categoria, além de avaliar o contexto sócio-político nacional e estadual e vai compartilhar com os profissionais em educação a resposta do Governo do Estado sobre a pauta de reivindicações da categoria, referente à campanha salarial de 2017.

Por Luciano Siqueira*

Um país que se respeite há de ter sempre, nos momentos mais difíceis, vozes que se alevantam em defesa dos interesses nacionais e do povo.

O Brasil é um país de peso geopolítico próprio, mais do que respeitável, ainda que temporariamente – com José Serra e agora com Aloysio Nunes -, tenha abandonado a postura de independência e altivez e se realinhado com os EUA.

Num mundo em transição para uma nova ordem multipolar, voltamos a uma posição retrógrada.

Isto num cenário geral de crise mundial e interna, o que acentua nossas vulnerabilidades.

E para completar os infortúnios do momento, na esteira da controversa Operação Lava Jato se acelera o esgarçamento das instituições e a negação da política, abrindo um perigoso vazio muito próprio de situações pré-ditaduras.

Mas, nessas adversas circunstâncias, sob a liderança do ex-ministro Luiz Carlos Bresser-Pereira, renomados economistas, professores, físicos, engenheiros, sociólogos, músicos, arquitetos, cineastas, escritores, intelectuais, políticos, advogados lançaram dias atrás o Manifesto do Projeto Brasil Nação.

Nele, com clareza e consistência, a denúncia do desmonte do Estado nacional e a regressão de conquistas e direitos sociais, o esfacelamento de nossa indústria a partir da espoliação da Petrobras – que ameaçam conduzir o Brasil “à dependência colonial e ao empobrecimento dos cidadãos, minando qualquer projeto de desenvolvimento.”

“Privatizar e desnacionalizar monopólios serve apenas para aumentar os ganhos de rentistas nacionais e estrangeiros e endividar o país”, assinala o documento.

E acentua que “o governo reacionário e carente de legitimidade não tem um projeto para o Brasil. Nem pode tê-lo, porque a ideia de construção nacional é inexistente no liberalismo econômico e na financeirização planetária. Cabe a nós repensarmos o Brasil para projetar o seu futuro – hoje bloqueado, fadado à extinção do empresariado privado industrial e à miséria dos cidadãos”.

Nessa direção, os subscritores do documento se ajuntam aos que se batem pela necessidade de se combinar a denúncia e o protesto – no parlamento, nas redes e nas ruas – com a construção de uma plataforma capaz de unir amplos segmentos sociais e políticos verdadeiramente comprometidos com a defesa da Nação.

O documento sentencia que “nossos pilares são: autonomia nacional, democracia, liberdade individual, desenvolvimento econômico, diminuição da desigualdade, segurança e proteção do ambiente – os pilares de um regime desenvolvimentista e social.”

Uma palavra sensata, aguerrida e oportuna – a ser considerada e debatida amplamente.

* Luciano Siqueira é vice-prefeito do Recife e escreve todas as terças-feiras no Blog da Folha.
https://www.facebook.com/LucianoSiqueira65/
www.lucianosiqueira.blogspot.com
https://twitter.com/lucianoPCdoB

Deputado foi escolhido para compor o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados
Deputado foi escolhido para compor o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos DeputadosFoto: Divulgação

O deputado federal Augusto Coutinho (SD) integrará, ao lado do também parlamentar pernambucano Kaio Maniçoba (PMDB), o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados. Coutinho foi escolhido como um dos membros titulares do colegiado para o biênio 2017-2019. O Conselho é formado por 21 membros titulares e 21 suplentes.

A nova composição do colegiado terá na presidência o deputado federal Elmar Nascimento (DEM-BA), além dos deputados João Marcelo Souza (PMDB-MA) e José Carlos Araújo (PR-BA), como primeiro e segundo vice-presidentes, respectivamente.

“Teremos uma missão importante. O Conselho de Ética vem tendo um papel cada vez mais destacado nos últimos tempos, e nossa missão aqui é zelar pelos bons trabalhos na Casa. Trabalharemos com muita responsabilidade, sobriedade e independência”, afirmou Augusto Coutinho.

A Comissão da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados transferiu para a quarta-feira (19) a apresentação do parecer do relator da matéria, PEC 287/16, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). A reunião do colegiado está prevista para às 9h, em plenário a ser definido.

Maia apresentou uma versão preliminar do seu parecer na semana passada. O texto trazia mudanças que eliminam a idade mínima para que uma pessoa entre na regra de transição da reforma - que na proposta original era de 45 anos para a mulher e de 50 anos para o homem.

Na proposta do governo, o cidadão teria que cumprir um pedágio de 50% do tempo de contribuição calculado pelas regras atuais.

Para o relator da matéria, sem a idade mínima, cada um saberá se a transição é mais favorável que as regras novas ou não. Mesmo assim, todos teriam que obedecer a uma idade mínima de aposentadoria logo após a promulgação da reforma - uma idade que seria elevada progressivamente até 65 anos.

Padre Reginaldo Manzotti
Padre Reginaldo ManzottiFoto: internet

O padre Reginaldo Manzotti recebe o título de cidadão pernambucano na quinta-feira (20), na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), às 18h. A iniciativa é da deputada estadual Terezinha Nunes (PSDB) e foi aprovada por unanimidade. A solenidade acontece no Plenário do Palácio Joaquim Nabuco.

Padre Reginaldo Manzotti é natural de Paraíso do Norte, no Paraná, e exerce seu sacerdócio há 22 anos. Sua primeira experiência como religioso foi em Camocim de São Félix, no Agreste pernambucano.


Um grupo de deputados estaduais, entre eles o presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico e Turismo da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), fará, na próxima quinta-feira (20), uma visita técnica ao Distrito Industrial e Portuário de Suape. A agenda está marcada para às 11h.

Em Suape, a comitiva dos parlamentares será recebida pelo vice-governador de Pernambuco e secretário de Desenvolvimento Econômico estadual, Raul Henry (PMDB), e pelo presidente de Suape, Marcos Baptista.

Novo presidente da AD Diper, Leonardo Cerquinho já atuou no Porto de Suape
Novo presidente da AD Diper, Leonardo Cerquinho já atuou no Porto de SuapeFoto: Divulgação

Leonardo Cerquinho é o novo presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper). O anúncio foi feito nesta segunda-feira (17) pelo governador Paulo Câmara, que acertou com o vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Raul Henry, a indicação.

Leonardo Cerquinho, que assume a presidência da empresa nesta terça-feira (18), esteve à frente da gerência regional da Comexport Trading, tendo sido responsável pela implantação e operacionalização de centro de distribuição da Toyota, em Suape.

Desempenhou, também, entre 2011 e 2013, a função de coordenador de novos negócios de Suape e, entre 2013 e 2015, ocupou o cargo de diretor de Gestão Portuária de Suape. Foi responsável no período pela atração e implantação de empreendimentos estruturadores no complexo industrial portuário, em especial nos setores naval, eólico e logístico.

“Cerquinho é um técnico experiente que irá se juntar à nossa equipe no desafio de alavancar o desenvolvimento econômico do estado de Pernambuco”, comentou Henry.

Nascido no Recife, Cerquinho é graduado em Relações Internacionais, mestre em Economia pela UFPE e atua há 16 anos nas áreas de comércio exterior e logística, com passagens por indústrias importadoras, exportadoras, empresas de navegação, portos e tradings.

Vereador Rinaldo Junior (de barba) entrega o relatório da audiência pública ao presidente da Câmara, Eduardo Marques
Vereador Rinaldo Junior (de barba) entrega o relatório da audiência pública ao presidente da Câmara, Eduardo MarquesFoto: Divulgação

Após coletar sugestões, durante audiência pública, sobre o combate aos assaltos em coletivos, o vereador Rinaldo Junior (PRB) entregou relatório de seis páginas com as propostas ao presidente da Casa, Eduardo Marques, e também no gabinete de todos os vereadores e vereadoras. O documento foi enviado, ainda, para publicação no Diário Oficial do Município e nesta terça-feira (18) será protocolado no Ministério Público de Pernambuco.

"É uma contribuição do nosso mandato. Escutamos o povo do Recife, que lotou o Plenarinho e trouxe diversas sugestões. Faço a entrega desse documento hoje (segunda-feira), mas espero que a gente possa continuar reverberando em outras sessões para que o povo do Recife se sinta representado, principalmente no combate a violência", conclamou Rinaldo Junior.

Promovida pelo vereador Rinaldo Junior, a audiência pública foi realizada no dia 24 de março com a participação de representantes do Governo do Estado, da sociedade civil, sindicatos, associações de moradores e população em geral.

Entre as sugestões registradas no documento estão a implantação de câmeras de vídeo nos ônibus com transmissão online; a instalação de botão de pânico para acionamento em situações de assalto ou violência contra a mulher; instalação do dispositivo “Anjo da Guarda” na porta traseira dos coletivos e iluminação das paradas de ônibus.

Governador recebeu representantes de entidades do campo e anunciou o resultado das negociações aos manifestantes
Governador recebeu representantes de entidades do campo e anunciou o resultado das negociações aos manifestantesFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Sempre cobrado pelos aliados para colocar a cara na rua, o governador Paulo Câmara mudou, nesta segunda-feira (17), o modus operandi que vinha utilizando até então. Recebeu uma comissão formada por integrantes de movimentos ligados a terra, discutiu uma pauta de demandas e, por fim, anunciou na frente do Palácio do Campo das Princesas o resultado das negociações para os manifestantes, que desta vez puderam se colocar diante da sede do Governo e não ao lado do Teatro Santa Isabel, como sempre ocorre.

Outra diferença dos protestos anteriores. Sempre que manifestantes chegavam ao Palácio, quem recebia os representantes dos atos era o secretário-executivo de Coordenação da Casa Civil, Marcelo Canuto.

Segundo palacianos, a mudança de postura, nesta segunda-feira, se deveu ao fato de os governadores do PSB terem ligação história com os movimentos do campo. Tanto que Paulo Câmara, ao discursar, citou o ex-governador Miguel Arraes.

Ao anunciar as medidas, como reajuste no benefício do Programa Chapéu de Palha e a posição contrária à mudança na Previdência rural da forma como está sendo posta no projeto enviado pelo Governo Michel Temer ao Congresso Nacional.

Aliados do governador afirmam ser necessário ampliar o diálogo com os movimentos sociais, sempre afinados com os governos socialistas. O encontro desta segunda-feira caminha nessa linha.

comece o dia bem informado: