Amaro Freitas une a cultura popular afro-brasileira e o jazz em 'Rasif'

O pianista pernambuco leva ao Teatro de Santa Isabel, nesta sexta-feira, a turnê do seu segundo disco, que mostrou primeiro nos palcos da Europa

Amaro Freitas se apresenta com Jean Elton (baixo acústico) e Hugo Medeiros (bateria)Amaro Freitas se apresenta com Jean Elton (baixo acústico) e Hugo Medeiros (bateria) - Foto: Divulgação

Ao lançar seu primeiro disco, "Sangue Negro" (2016), o pianista pernambucano Amaro Freitas, de 27 anos, conquistou a crítica especializada, que costuma apontá-lo como a renovação do jazz brasileiro. A boa reputação alcançada fez com que o artista assinasse contrato com o renomado selo musical londrino Far Out, pelo qual lançou seu segundo álbum, "Rasif". O trabalho será apresentado ao público recifense nesta sexta-feira (26), às 20h30, no Teatro de Santa Isabel.

Antes de chegar à capital pernambucana, o show passou por diversos clubes de jazz da Europa, no segundo semestre do ano passado. Amaro sobe ao palco em trio, ao lado de Jean Elton (baixo acústico) e Hugo Medeiros (bateria). Os dois músicos também participaram da gravação do disco, que ocorreu no estúdio Carranca, no Recife. Composto por nove faixas inéditas, o álbum aprofunda as experiências musicais iniciadas por Amaro em seu primeiro trabalho.

"Eu levei cerca de um ano para finalizar as composições novas, que foram ficando prontas durante o período de tour de 'Sangue negro'. As músicas tiveram um processo de amadurecimento, sendo tocadas nos shows da turnê anterior. Por isso, elas chegam ao disco com vivência, corpo e consistência", conta o pianista. A apresentação no Recife ainda conta com participação de Henrique Albino (sax e flauta).

Leia também:
Amaro Freitas está entre as revelações do Prêmio Instrumental da MIMO
'Caruaru Por Paixão' traz atrações nacionais do blues e jazz
Cena jazz cresce e conquista novos artistas no Recife


Em "Rasif", Amaro repete e aprimora características que o fizeram despontar entre os músicos de sua geração. Ao traçar novos caminhos em seu piano, o artista promove um casamento entre a cultura popular afro-brasileira e o jazz. Fugindo da hegemonia do samba jazz e da bossa nova, já amplamente difundidos internacionalmente, ele insere nessa mistura ritmos como frevo, baião, ciranda e maracatu.

"Temos uma música chamada 'Trupé', que é inspirada no Coco Trupé de Arcoverde. Observei o som da sandália de madeira em cima do tablado e trouxe aquela célula rítmica, que é diferente do coco tradicional, para o piano. Isso está totalmente ligado a um movimento mundial de pensar esse instrumento a partir de outras perspectivas. O piano ficou muito caracterizado por sua melodia, lirismo e harmonia e acabou perdendo possibilidade rítmica que ele também tem", explica o músico.



"Eu penso que, para que a música se conecte com as pessoas e seja verdadeira, a gente precisa tocar a nossa realidade, juntando isso com a nossa dedicação e as nossas referências. Eu não me sinto na função de alguém que está revelando algo novo, mas de quem conseguiu entender o seu tempo. O que eu trago no meu trabalho é a minha verdade", complementa o músico. Em junho, ele estará entre as atrações da primeira edição do Rio Montreux Jazz Festival, braço brasileiro de um dos maiores festivais de música, que ocorre na Suíça desde 1967.

Serviço:

Amaro Freitas em "Rasif"
Nesta sexta-feira (26), às 20h30
No Teatro de Santa Isabel (praça da República, s/n, Santo Antônio)
R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355-3323

" target="_blank">

Veja também

Arraiá da Musa, com Priscila Senna, será em novo horário
Roberta Jungmann

Arraiá da Musa, com Priscila Senna, será em novo horário

Longe de fábricas abandonadas, raves de techno migram para o Zoom
VIRTUAL

Longe de fábricas abandonadas, raves de techno migram para o Zoom