Atriz fala sobre os efeitos dos assédios em Hollywood

Diane Krüger diz que, na indústria cinematográfica, homens têm medo após caso Weinstein

Diane Krüger, atrizDiane Krüger, atriz - Foto: Divulgação

A atriz alemã Diane Krüger afirmou que o movimento #Metoo, surgido após o caso Weinstein, mudou as coisas no mundo do cinema "porque os homens sentem medo", mas ela diz temer que estas mudanças durem pouco. "Por enquanto isto mudou porque os homens sentem medo. Todos os dias tem alguém novo que é 'denunciado'", declarou a estrela em uma entrevista à emissora de televisão francesa BFMTV, por ocasião da estreia de "Em Pedaços", filme de Fatih Akin, que rendeu a ela o prêmio de melhor atriz em Cannes.

Leia também:

2017: O ano em que o assédio não foi silenciado
Após manifesto, Catherine Deneuve pede desculpas às vítimas de assédio
Novas denúncias de escândalos sexuais abalam Hollywood

"No entanto, temo que em seis meses, em um ano, em dez anos, não voltemos a cair na mesma conversa", continuou Diane Krüger, de 41 anos, que também denunciou as desigualdades salariais entre homens e mulheres. "Nunca recebi o mesmo salário do meu companheiro masculino. Não é normal", indignou-se a atriz de "Bastardos Inglórios" e "Troia".

A atriz pediu que os homens se unam às mulheres na luta por uma mudança de comportamento duradoura. "Cada um de nós deve estar atento, temos que estar realmente unidos nesta causa. Mas, muito sinceramente, acho que os homens devem estar ao nosso lado, devem lutar por nós, devem ter cabeça e defender nossos interesses também". "Não somos só nós, as mulheres, que podemos mudar as coisas", avaliou.

Veja também

Violão de Elvis Presley é leiloado por R$ 7 milhões e bate recorde
Leilão

Violão de Elvis Presley é leiloado por R$ 7 milhões e bate recorde

Carlinhos Maia diz que se reinventou na pandemia e projeta filme e reality show
famosos

Carlinhos Maia diz que se reinventou na pandemia e projeta filme e reality show