Conheça o Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP)

Não respeitar os limites do corpo e extrapolar várias vezes à mesa pode ser indício de transtorno grave

Alimentação compulsivaAlimentação compulsiva - Foto: Arte/Folha de Pernambuco

Comer além da conta pode ser um indicativo bem mais preocupante do que diz a expressão “ter o olho maior que a barriga”. Na verdade, é sinal de alerta, por ser um dos sintomas do Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP), caracterizada pela ingestão de uma quantidade exagerada do alimento em curto espaço de tempo. E isso se repete por dias e até horas, quando o indivíduo perde a completa noção do que está ingerindo ao se tornar refém da própria comida.

É como se não houvesse limite, mesmo com a sensação de saciedade e de desconforto abdominal. Forma que muitos encontram de aplacar a ansiedade, distraindo o pensamento em colheradas preenchidas de sabor marcante, muitas vezes à base de sal, açúcar ou gordura. Segundo o professor, médico psiquiatra e psicanalista Mario Louzã, durante o episódio de compulsão alimentar, a pessoa se sente incapaz de controlar a ingestão excessiva, mesmo sabendo que está agindo fora do padrão habitual de alimentação. “É comum o indivíduo preferir comer sozinho, sem ninguém olhando, pois ele se sente culpado e envergonhado quando se dá conta do quanto comeu”, completa.

No entanto, o preço que se paga é altíssimo, pois essas pessoas estão sujeitas a uma série de doenças que começam com o sobrepeso e passam por distúrbios emocionais como depressão, síndrome do pânico, transtorno bipolar e baixa autoestima. “Os portadores de TCAP normalmente apresentam índice de massa corporal acima do adequado, levando-os a desenvolver síndromes metabólicas, que inclui obesidade, diabetes, hipertensão arterial e glicemia alterada”, diz a nutricionista Edlanne Firmino.

O tratamento adequado inclui atendimento multiprofissional com especialistas de nutrição e psicologia atuando de maneira conjunta. “O processo pode ser medicamentoso, com antidepressivos e químicas que reduzam a compulsão alimentar”, reforça a nutricionista. De acordo com um estudo da Universidade de Munique, na Alemanha, a melhora dos pacientes acontece durante a terapia, com estabilidade em cerca de quatro, cinco ou seis anos ao término do tratamento, dependendo da gravidade da situação.

Veja também

Aos 74 anos, morre Seu Yoshi, do Sushi Yoshi. Um chef que ensinou técnica e otimismo na gastronomia
Luto

Aos 74 anos, morre Seu Yoshi, do Sushi Yoshi- um chef que ensinou técnica e otimismo

O que são os polifenóis
BACO & CIA

O que são os polifenóis