Cordel vive: poetas se reúnem e criam associação para fortalecer categoria em PE

Associação, criada em assembleia virtual, conta com mais de 70 cordelistas

Acordel foi criada por poetas da cultura popular de PernambucoAcordel foi criada por poetas da cultura popular de Pernambuco - Foto: Divulgação

As métricas, rimas e sextilhas da literatura de cordel em Pernambuco permanecem em movimento, e agora com:

“(...) força e engajamento

Vem mostrar o envolvimento
Dos poetas cordelistas
Que lutam para incluir
Valorizar os artistas
Na defesa do cordel
Surge assim a Acordel
Como uma grande conquista
”.

Assim disse a cordelista Susana Morais em um dos trechos de uma literatura popular, Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil e que passa a contar no Estado com a Associação pelo Cordel em Pernambuco (Acordel-PE), recém-criada por mais de 70 poetas durante reunião virtual realizada com o intuito de fomentar a arte e viabilizar projetos para o setor, agora institucionalizado.



“A Acordel-PE surge como somatório de forças em prol do cordel e um desejo incessante por reorganizarmos a categoria. Engana-se quem pensa que o cordel está morto. Em Pernambuco, ele é forte e vigoroso e está sempre atento às modificações do mundo moderno, como exemplo do uso da tecnologia para nos reaproximarmos”, conta o poeta Felipe Junior, nomeado em assembleia (virtual) presidente da Associação. Além dele, os cordelistas Ângela Paiva (vice-presidenta), Josué Limeira (diretor administrativo), Susana Morais (diretora financeira) e Shirley Izabela (diretora executiva) completam a chapa “União Pelo Cordel”, eleita para o biênio 2020/2022. 

Leia também:

Antônio Nóbrega: cordel e vídeos sobre danças brasileiras online

Projetos de cultura popular lideram no Funcultura Geral

Patrícia Pillar: há um plano de extermínio contra os artistas e a cultura no Brasil

A discussão para formação da Acordel começou em março, em meio à pandemia que passou a assolar o mundo, obstando setores da cultura a seguirem em frente. O futuro (e o presente) da poesia, portanto, passou a ser mote para encontros marcados via WhastApp. “Sempre acreditei que a composição formal de uma associação é fundamento para debate, produção, formação e organização. São muitas cabeças pensantes, muitos desejos com um só objetivo: valorizar o cordel. É extremamente necessária essa reorganização, pois é através da força dela que entramos no debate por políticas públicas voltadas para a cultura. Nossa proposta é incomodar, mostrando a riqueza presente na cultura popular através da Literatura de Cordel”, complementa Felipe, em conversa com a Folha de Pernambuco.

Ainda de acordo com ele, a Acordel - que abrigará, além de poetas, pesquisadores, autores e participantes da cadeia produtiva da literatura de cordel - surgiu "a pedido dos próprios cordelistas”, que mantiveram esforços de não se perderem, de compartilharem poemas e pensamentos para os dias vindouros de um setor que anteriormente já havia contado com a União dos Cordelistas de Pernambuco (Unicordel), criada em 2005 mas que não seguiu adiante.

“A Unicordel resgatou a Literatura de Cordel no Recife, foram muitos os projetos executados e as conquistas, mas a associação se perdeu no tempo”, explica José Felipe Nazário Junior, paraibano, tataraneto de Agostinho Nunes da Costa, “precursor da cantoria de viola e da literatura de cordel no Brasil” como ele mesmo expôs.

Admirador dos cordéis de São José do Egito, no Pajeú pernambucano, Felipe é também professor e pesquisador da poesia popular e, entre outras coisas, assina mais de 60 livretos e romances de feira. “O futuro do cordel independe do término da pandemia. A própria vida precisou de reorganização e a pandemia é uma resposta da vida. A gestão já está trabalhando na elaboração de projetos e no mapeamento dos cordelistas no Estado”, conclui ele, não sem antes, é claro, entregar mais rimas, métricas e poesias.


A Folha solicitou


E eu com bastante alegria,
Através da inspiração
Nos braços da poesia,
Também construo cordel
Em tempos de pandemia.
Vemos bem no dia a dia
A urgência do momento.
O povo se desespera
Atrás de medicamento,
Mas a melhor prevenção
É ficar no isolamento.
Dizer que tá 100%
É história que tudo atrasa.

Se for pra dar uma dica,
Vou logo mandando brasa:

Essa dica é verdadeira...
Deixe de pesar besteira
E fique na sua casa
!”


Veja também

Em livro, afegã conta como se vestiu de homem por 10 anos para sobreviver ao Taleban
Livro

Afegã conta como se vestiu de homem para sobreviver ao Taleban

Levantamento do Ecad indica que Norte e Nordeste são as regiões que mais ouvem rock
Música

Levantamento do Ecad indica que Norte e Nordeste são as regiões que mais ouvem rock