Documentário de Marcelo Gomes aborda relação entre tempo e trabalho

'Estou me guardando para quando o Carnaval chegar' é centrado no envolvimento entre os moradores de Toritama, no Agreste de Pernambuco, com a produção de jeans

Marcelo Gomes revela cansativa rotina de trabalho em Toritama Marcelo Gomes revela cansativa rotina de trabalho em Toritama  - Foto: Divulgação

Toritama, no Agreste de Pernambuco, faz parte da memória de infância do diretor Marcelo Gomes (de "Cinemas, aspirinas e urubus", "Era uma vez eu, Verônica" e "Joaquim"). Quando criança costumava acompanhar o pai fiscal de tributos em inspeções na cidade, que ele recorda como um local pacato e rural. Responsável por 20% da produção de jeans do país, o município de agora já não lembra mais o lugar que o cineasta conheceu. Essas mudanças são apresentadas no documentário "Estou me guardando para quando o Carnaval chegar", que estreia amanhã nos cinemas brasileiros.

"No início, não era um desejo que eu fosse um personagem. Depois, dividindo minhas histórias com a equipe, percebi que deveria estar presente para trazer o passado e confrontá-lo com o presente", afirma o diretor, que surge em cena como uma voz narradora. Ele e parte da equipe do filme participam de um debate, após sessão de pré-estreia, que ocorre hoje, às 19h30, no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco (Derby).

O longa-metragem, que esteve na seleção oficial da Mostra Panorama do Festival de Berlim 2019, trata da relação dos moradores de Toritama com a produção de jeans. A maior parte dos entrevistados trabalha em fábricas de fundo de quintal, conhecidas como facções. O ritmo de trabalho é frenético e repetitivo, o que o diretor faz questão de evidenciar em imagens e som. O barulho irritante das máquinas de costura está presente em quase todo o filme, contrastando com o silêncio campestre que as lembranças de Marcelo evocam.

Leia também:
Gabriel Mascaro imagina Brasil evangélico em 'Divino amor'
'O olho e a faca' estreia com Rodrigo Lombardi como protagonista


Apesar de labutarem de domingo a domingo, em jornadas que ultrapassam doze horas por dia, os trabalhadores ouvidos não costumam reclamar. A satisfação de serem seus "próprios patrões" e a utopia de que um dia - com muito esforço - serão ricos é o que move a maioria. Esse microcosmo revela um capitalismo não só feroz, mas também alienante. Nesse sentido, o diretor encontra um estreito diálogo entre o documentário e o momento que o Brasil vive hoje. "Registrei a última faceta do neoliberalismo, que tem a ver como o estimulo à autonomia. Na verdade, as pessoas vivem um processo de auto-escravização. O filme acabou virando um documento existencial sobre a vida, o trabalho e o tempo", aponta.



Próximo do fim, o longa revela a razão do título escolhido. Um dos motivos que levou Marcelo a filmar em Toritama foi a informação de que as pessoas que vivem lá costumam vender seus próprios eletrodomésticos para passarem o Carnaval na praia. Em uma das poucas épocas do ano em que a indústria local para, a cidade fica praticamente vazia. Quase todos os moradores partem para o litoral, deixando de lado o ofício extenuante.

"O Carnaval é o único momento em que eles podem fazer o que querem com o tempo deles. É um espaço tão íntimo que resolvi entregar a câmera nas mãos dos personagens e esperar o resultado. O material que recebi foi maravilhoso. Há cenas lindas, melhores do que eu imaginava", revela.

Veja também

Juliano Holanda ao vivo da Rua da Aurora neste sábado (15)
Música

Juliano Holanda ao vivo da Rua da Aurora neste sábado (15)

Antônio Fagundes diz que já namorou Aracy Balabanian no início da carreira
famosos

Antônio Fagundes diz que já namorou Aracy Balabanian no início da carreira