Filme que critica política militarista de Israel vence Festival de Berlim

Synonyms, de Nadav Lapid, venceu o Urso de Ouro. Segundo maior prêmio foi do francês "Grâce à Dieu", de François Ozon.

Synonyms venceu o prêmio máximo do Festival de BerlimSynonyms venceu o prêmio máximo do Festival de Berlim - Foto: Divulgação

O filme israelense "Synonyms", de Nadav Lapid, foi o vencedor do Urso de Ouro, principal prêmio do Festival de Berlim. A história acompanha um jovem que deixa o Exército de Israel por discordar das políticas de seu país e se muda para a França, onde encontra acolhida de um casal parisiense.

Já o francês "Grâce à Dieu", de François Ozon levou a segunda principal honraria, o Grande Prêmio do Júri, por sua contundente denúncia contra os casos de pedofilia cometidos por um padre.

A cerimônia de premiação foi realizada neste sábado (16). A alemã Angela Schanelec, que usou elipses para construir "I Was at Home, But" levou o prêmio de melhor diretor. O longa é costurado por cenas que, a princípio, parecem não se comunicar num mesmo fio narrativo.

Leia também:
Dilsinho anuncia noivado e exibe aliança com mais de 300 diamantes
Cinema: mangá inspira Alita, superprodução sobre ciborgue
'Roma' triunfa nos prêmios do cinema britânico
 

Os prêmios de interpretação ficaram concentrados nos protagonistas do chinês "So Long, My Son", o ator Wang Jingchun e a atriz Yong Mei. Eles fazem um casal atravessado pelo luto e pelas convulsões político-econômicas que afetaram a China nos últimos 30 anos, como a política do filho único e o rescaldo da Revolução Cultural.

O prêmio de melhor roteiro foi para o italiano "La Paranza dei Bambini", que narra a história de um grupo de garotos napolitanos que se infiltram entre as gangues locais. A vitória foi um aceno à trajetória do jornalista Roberto Saviano, autor do livro que inspirou o filme, e que desde 2006 vive sob escolta policial por suas investigações sobre as ramificações da máfia, em especial do grupo criminoso Camorra.

"Talking about Trees", de Suhaib Gasmelbari, ganhou o prêmio de melhor documentário da edição por seu retrato de três sujeitos que decidem reativar um velho cinema sudanês enquanto lidam com as turbulências políticas do país.
O curta "Rise", da artista brasileira Bárbara Wagner em parceria com Benjamin de Burca, foi vencedor do Audi Short Film Award, concedido pela montadora que é uma das patrocinadoras do festival. A obra documenta atuação de um grupo de jovens rappers e poetas que se encontram num centro comunitário no subúrbio de Toronto.

PRINCIPAIS VENCEDORES
Melhor filme: "Synonyms", de Nadav Lapid (Israel)
Grande Prêmio do Júri: "Grâce à Dieu", de François Ozon (França)
Melhor direção: Angela Schanelec, "I Was at Home, But" (Alemanha)
Melhor ator: Wang Jingchun ,"So Long My Son" (China)
Melhor atriz: Yong Mei, "So Long, My Son" (China)
Melhor roteiro: "La Paranza dei Bambini" (Itália)
Prêmio de Novas Perspectivas: "System Crasher" (Alemanha)
Contribuição artística: "Out Stealing Horses" (Noruega), por sua direção de fotografia

 

Veja também

Bruna Marquezine nega affair com Arthur Aguiar e diz que ficou com Tiago Iorc
Celebridades

Bruna Marquezine nega affair com Arthur Aguiar e diz que ficou com Tiago Iorc

Nicolas Prattes adota cachorra após antiga dona morrer de Covid-19
Celebridades

Nicolas Prattes adota cachorra após antiga dona morrer de Covid-19