Folha Ajuda: Conheça a saga de Adriano Sena e o sonho de seus filhos em seguir carreira na dança

Em mais uma campanha do Folha Ajuda, auxiliar de açougueiro fala sobre a vontade de levar os três filhos mais novos para fazer testes no Bolshoi em Joinville (SC)

Adriano Sena, ao lado de Adriel, Adria e Adriano JrAdriano Sena, ao lado de Adriel, Adria e Adriano Jr - Foto: Maria Nilo

Adriano Sena tem quatro filhos, todos se interessam por balé. Adriele (14 anos) foi a primeira a ensaiar os passos da dança. "Ela entrou no Aria Social e depois entrou Adria. Adriano começou a ir para olhar as aulas. A professora disse que ele não podia assistir (a elas), então ele começou a chorar, dizendo que queria dançar. Tem 8 anos. Depois, Adriel se encantou e pediu para fazer balé também", detalha o pai. As crianças são integrantes do Aria Social, associação sem fins lucrativos, criada em 2004 para atender jovens de comunidades do Recife e Jaboatão dos Guararapes.

Em mais uma campanha do Folha Ajuda, convidamos o leitor a conhecer melhor a batalha de Adriano, 42 anos, que tenta realizar o sonho de suas crianças: levá-las para a cidade de Joinville, para fazer o teste para entrar na Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. "Ano passado, teve a passagem da Tocha Olímpica aqui no Recife. Decidi levar meus filhos. Coloquei eles na bicicleta. Estavam com a roupa do balé. Em frente à Prefeitura do Recife, a jornalista Evandreia Buosi viu a cena e se encantou. Ela fazia parte do Comitê Olímpico. Tirou fotos deles, se apaixonou pela história, perguntou se o balé era o sonho deles. Ela falou sobre o Bolshoi e se propôs a nos ajudar", lembra Adriano.

"Ano passado, a gente foi para fazer teste no Bolshoi, em Santa Catarina. Adriele foi eliminada na primeira etapa. Adriel ficou até o final, entre os 15 melhores. Neste ano, estamos tentando de novo. É o sonho dele. Depois, Adriano me disse: 'Painho, quero fazer o teste também'. Neste ano o teste é em Joinville, já inscrevi eles. Será em outubro", detalha o pai. "Evandreia começou a arrecadar dinheiro. Ela escreveu nossa história no Facebook. O valor total é R$ 6 mil, incluindo a viagem e a hospedagem. Até agora não chegou a R$ 500, com dois meses de campanha", revela.

Arrecadação
Para chegar ao valor, Adriano começa a traçar estratégias. "Meu compromisso é com meus filhos. Não vamos desistir. Temos fé em Deus. Estamos tentando fazer uma rifa para arrecadar dinheiro", diz Adriano, que trabalha como auxiliar de açougueiro num supermercado. "Para ajudar, basta entrar em contato comigo por telefone. Quero focar mais na campanha e ir atrás de recursos para a viagem. Se conseguirmos, vou ser muito grato, meus filhos vão ser muito gratos", ressalta. O celular dele é o (81) 99776-6279.

"Acordo às 4h, deixo o almoço deles pronto. Às 5h, saio de casa e começo as atividades no supermercado. Chego em casa às 15h, às vezes 16h. Quero focar mais na campanha, ir atrás de recursos para a viagem. Independentemente do resultado, está decidido: queremos ir ano que vem para Joinville. Tenho que ir atrás do futuro deles. Eu, como pai e responsável, tenho o dever de ir atrás do futuro deles. Não posso deixar isso para trás. Tenho que focar agora só neles. Se é isso que eles querem, tenho que ir atrás", destaca.

Fascínio
Os filhos de Adriano começaram a se interessar por balé através de referências diversas. "Adriel e Adriano querem seguir a carreira de Billy Eliot. Eles são fãs do filme. Já ganharam o livro", diz o pai. "O sonho do Adriel é seguir carreira de bailarino clássico. Já Adriano quer fazer o balé clássico para futuramente entrar no Cirque du Soleil. Eu já trabalhei em circo, no de Beto Carrero e quatro anos no de Marcos Frota. Esse pouco tempo de passagem que tive no circo incentivou Adriano", detalha.

Serviço:
Adriano Sena: (81) 99776-6279

Banco Santander (Evandreia Buosi)
Conta corrente: 01.012851.7
Agência: 2285



Veja também

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista
Coronavírus

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria