Livro se debruça sobre a atuação do Teatro de Cultura Popular em Pernambuco

Braço teatral do Movimento de Cultura Popular (MCP) aproximou as artes dramáticas das camadas mais populares no Estado, entre 1960 e 1964

Rudimar Constâncio, autor de livro sobre o Teatro de Cultura PopularRudimar Constâncio, autor de livro sobre o Teatro de Cultura Popular - Foto: Divulgação

Fundado em 1960, durante a primeira gestão de Miguel Arraes na Prefeitura do Recife, o Movimento de Cultura Popular (MCP) empregou seus ideais de educação conscientizadora em diferentes frentes. O Teatro de Cultura Popular (TCP) era o braço teatral do projeto, responsável por aproximar a arte dramática das camadas populares de Pernambuco.

Leia também:
Livro inédito de Ariano Suassuna terá lançamento no Recife
Livro ensina a arte da renda em bolos
Livro 'Esther - Uma Estrela na Guerra' trata do holocausto para o público infantojuvenil


Encerrada após o golpe militar brasileiro, a iniciativa tem sua história devidamente documentada e resgatada em um livro assinado pelo historiador Rudimar Constâncio. "Teatro da Cultura Popular: uma prática teatral como inovação pedagógica e cultural no Recife (1960-1964)" (224 páginas, R$ 40) é fruto de uma dissertação de mestrado realizada pelo autor na Universidade da Madeira, em Portugal, e demandou dois anos de pesquisas.

"Sempre me interessei muito por esse teatro mais político e não havia nenhum estudo publicado sobre o TPC. O livro é uma forma de deixar essa trajetória registrada para as gerações futuras", afirma o pesquisador, que colheu informações por meio de publicações da época e de entrevistas com pessoas que participaram do grupo.

Leia também:
Escritor Marcus Accioly deixou 15 livros inéditos
Gerusa Leal lança livro de microtextos 'Se', nesta quinta
Marilena de Castro, médica e escritora, lança o livro "O passado é noite"


Reunindo nomes como Germano Coelho, Ariano Suassuna, Hermilo Borba Filho, José Wilker, Luiz Mendonça e Ilva Niño, o TCP teve um importante papel junto a operários e camponeses. "A proposta do movimento como um todo era tirar o povo da extrema pobreza e ignorância. O braço teatral se fortaleceu nesse sentido, porque se uniu à pedagogia do oprimido de Paulo Freire, empregando esse conceito em suas ações", aponta.

Ainda em seus primeiros anos de atuação, o grupo foi impactado pela troca de experiências com o Teatro de Arena, de São Paulo. Em 1961, o diretor Augusto Boal, líder da companhia, veio ao Recife para ministrar um seminário de dramaturgia.

Como resultado da experiência, o encenador escreveu a peça "Julgamento em Novo Sol", em parceria com Benedito Araújo, Hamilton Trevisan, Modesto Carone e Nelson Xavier. Este último dirigiu a primeira montagem do texto, com os atores do TCP, em 1962.

"A história brasileira, normalmente, é contada a partir do ponto de vista do Sudeste. Mas o TCP é a prova de que, já na década de 1960, nós tínhamos aqui um teatro de interesse nacional. Mesmo que os militares tenham atrapalhado essa caminhada durante 20 anos, o movimento influenciou o que veio depois. Percebemos isso nos espetáculos de rua, no teatro feito nas comunidades, na arte-educação. Isso é um legado", defende. Após o lançamento, o livro estará à venda no Sesc Piedade.

Veja também

Patrick Quinn, promotor do desafio do balde de gelo na cabeça, morre aos 37 anos
internet

Patrick Quinn, promotor do desafio do balde de gelo na cabeça, morre aos 37 anos

Pabllo Vittar divulga capa do seu disco, "111", na versão deluxe
Música

Pabllo Vittar divulga capa do seu disco, "111", na versão deluxe