Lollapalooza começa com 'foi golpe sim' e 'liberdade para Rennan'

Duda Beat, banda e dançarinos saíram do palco e deixaram para trás as mensagens "1964 foi golpe sim" e "Liberdade para Rennan da Penha"

Lollapalooza 2019 terá ingressos a R$ 1.560; venda começa na próxima segundaLollapalooza 2019 terá ingressos a R$ 1.560; venda começa na próxima segunda - Foto: Divulgação

Foi a poderosa união de letras sofridas e batidas dançantes que fez de Duda Beat uma das maiores revelações da música brasileira de 2018 para cá que o palco Adidas do Lollapalooza foi aberto no sábado (6), dia que costuma ser o mais disputado do festival.

Os primeiros segundos da primeira música do show, "Bédi Beat", já sintetizaram a energia musical de Duda. O início do relato de uma decepção de amor é somado ao sotaque pernambucano e a um som sintético típico do tecnobrega e do pop, que ainda ganhou uma dupla de metais ao vivo. Os 40 seguintes foram de uma Duda 100% brasileira botando a massa de hipsters para curar a sofrência dançando tecnobrega.

Leia também
Tribalistas tem apresentação descomunal no Lollapalooza
Lollapalooza chega à oitava edição brasileira cada vez menos alternativo


No disco de estreia, "Sinto Muito" (2018), e ao vivo, quando o grupo formado por Lux Ferreira, Gabriel Bittencourt, Felipe Vellozo e Camila e Luiza D'Alexandre capricham ainda mais nas versões e ganham a companhia de dançarinos, misturam-se referências regionais como o brega, reggae, dub, pop e batidas de funk.

O repertório –uma surra de grave que não alivia a cintura nem da pessoa mais sem aptidão para a dança– emendou músicas como "Derretendo", "Pro Mundo Ouvir", "Meu Jeito de Amar", feita em parceria com Omulu, e "Chapadinha na Praia", uma releitura de "High By the Beach", de Lana Del Rey. A última, divulgada apenas no YouTube às vésperas do Carnaval, foi uma das mais dançadas pelo público. A surpresa foi a presença dos amigos Jaloo e Mateus Carrillo, que subiram ao palco para cantar a inédita parceria dos três –outro hit em potencial.

Mas o grande ouro de Duda ficou para o final. As versões original e remixada de "Bixinho", a música que alçou Duda ao mais próximo de mainstream que um artista alternativo pode chegar, foram cantadas em coro e dançadas até o chão, no melhor momento do show, e certamente um dos melhores do lineup nacional do festival.

Muito aplaudidos, Duda, banda e dançarinos saíram do palco e deixaram para trás as mensagens "1964 foi golpe sim" e "Liberdade para Rennan da Penha".

Um dos criadores do Baile da Gaiola, que leva milhares de fãs a uma favela da zona norte carioca, o DJ Rennan da Penha recebeu ordem de prisão da Justiça do Rio de Janeiro, em março. Ele é acusado de ser olheiro do tráfico e de fazer festas que exaltam o crime, mas foi inocentado pela primeira instância há três anos. Concluíram à época que as provas eram insuficientes. Agora, no entanto, uma nova testemunha incrementou a denúncia da Promotoria.

Veja também

Datena recebe visita de Bruno Covas no hospital após sofrer infarto
Infarto

Datena recebe visita de Bruno Covas no hospital após sofrer infarto

Demi Lovato será a apresentadora do People's Choice Awards 2020
Premiação

Demi Lovato será a apresentadora do People's Choice Awards 2020