Netflix recorre ao STF contra liminar que censurou especial do Porta dos Fundos

A determinação judicial censurando o programa foi expedida nesta quarta-feira (8) pelo desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal do Rio de Janeiro

Especial de Natal do Porta dos FundosEspecial de Natal do Porta dos Fundos - Foto: Divulgação

A Netflix registrou nesta quinta-feira (9) reclamação no Supremo Tribunal Federal contra uma liminar que determinou a censura do "Especial de Natal Porta dos Fundos".
O programa está sendo exibido pela plataforma de streaming desde o fim do ano passado e permanece no ar.

A determinação judicial censurando o programa foi expedida nesta quarta-feira (8) pelo desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal do Rio de Janeiro.Na liminar, ele afirma que decidiu recorrer à cautela para "acalmar ânimos". A ordem passa a valer quando a plataforma foi notificada, o que não havia ocorrido até a manhã desta quinta.

Já há dez ações na Justiça contra a Netflix por causa do programa, com pedidos de indenização a fiéis e para que o programa seja censurado. Na história, Jesus é retratado como gay, em uma trama na qual ele comemora seu aniversário e recebe entidades de outras religiões durante uma 'trip' lisérgica.

Leia também:
Quem é o homem apontado como autor do ataque ao Porta dos Fundos
Marcius Melhem diz que 'aceitam um Jesus bêbado, mas não um Jesus gay'
Justiça determina retirada do ar de especial de Natal do Porta dos Fundos para 'acalmar ânimos'

O STF confirmou o recebimento da reclamação, que foi distribuída a Gilmar Mendes, porém um pedido de liminar deve ser encaminhada à presidência do colegiado, uma vez que o tribunal está em período de recesso. Com a reclamação, o ministro Dias Toffoli pode tornar sem efeito a determinação de Abicair.

Veja também

Carlinhos Maia diz que se reinventou na pandemia e projeta filme e reality show
famosos

Carlinhos Maia diz que se reinventou na pandemia e projeta filme e reality show

Justiça nega liminar e diz que Cinemateca deve ser gerida pela União
governo

Justiça nega liminar e diz que Cinemateca deve ser gerida pela União