No Dia Mundial da Voz, artistas comentam como suas trajetórias no palco foram guiadas pelo instrumen

Artistas também mostram de que maneira saber usar a própria voz implica em autoconhecimento. Veja dicas de como preservar a voz e onde fazer cursos de canto

Anastacia valoriza vozes da diáspora africana em aulas no  Museu Afro-Brasil, no Bairro do RecifeAnastacia valoriza vozes da diáspora africana em aulas no Museu Afro-Brasil, no Bairro do Recife - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Sejam as que (en)cantam musicalmente ou as que (re)contam histórias. Femininas, masculinas, de pessoas de todas as raças, vozes são instrumentos que personificam clamores e representam multidões. E, nos palcos então, a serviço da arte, é entre as expressões a mais barulhenta, porque expõe vivências, ataca preconceitos e espanta males quando bradadas em chuveiros.

“Eu sou negro, gay, candomblecista, periférico. Sou minoria. Minha voz nos espetáculos sempre tentará alcançar esses lugares”, contou o ator e produtor Marconi Bispo, também formado pelo Conservatório Pernambucano de Música (CPM) e que, neste Dia Mundial da Voz, celebrado nesta terça-feira (16), ressalta a importância de vociferar em encenações como “Luzir é Negro”, do Teatro de Fronteira, ocasião em que ele interpreta a si mesmo e leva à plateia cicatrizes de sua convivência com o racismo.

Levado pelo que ele chama de sua “primeira paixão de infância”, o canto foi o pontapé inicial que levou Bispo a enveredar pelos caminhos da arte. Desde sempre havia ali uma voz potente que, no entanto, precisava ser lapidada entre aulas particulares e no Conservatório Pernambucano de Música.

“Minha voz sempre foi uma preocupação. Ao mesmo tempo em que ela se assinalava no mundo como uma voz pujante, ela precisava ser ajustada e educada. Mas entendi depois que muito do que se considerava como uma ‘necessidade de educação’ era para atender a uma formação que aprisiona em padrões e juízos de valor”, complementa o ator que atualmente atua e canta no espetáculo, de acordo com ele, “com timbre produzido pelo próprio corpo”. “Minha voz, meu canto, sou eu. Ela é meu registro no mundo e consequentemente, nos palcos”, ressalta.

Leia também:
Anitta se entrega à cartilha rasa da onda latina e bate recordes com álbum visual
Disco: voz e violão para o samba com Alfredo Del-Penho
Petrobras corta patrocínio de festivais de cinema, música e teatro


Assim como Marconi Bispo, que acredita na voz como primeiro recurso de autoconhecimento de artistas negros, a mezzo-soprano Anastacia Rodrigues também enxerga no instrumento uma expressão de linguagem que pode oprimir ou apaziguar ouvintes. Cantora com formação acadêmica em Letras e Música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e curso técnico no CPM, desde os 17 anos ela canta e foi a partir de uma experiência em coral que sua atenção para a voz mudou e em 2017, surgiu a ideia de outro coral: afro.

“Tudo começou quando a diretora do Museu Afro-Brasil abriu as portas para iniciarmos um trabalho de valorização das vozes da diáspora africana, com aulas de canto e expressão vocal. Os homens eram poucos e faltavam aos ensaios, assim as próprias integrantes democraticamente decidiram que o melhor seria fazer um coral exclusivamente feminino, o que me alegra muito porque trabalhar o canto feminino traz de volta vozes de todas as mulheres que vieram antes de nós”, ressaltou.

Além de artista vocal, Anastacia é educadora e - sobre esse aspecto - ela registra a ausência de políticas públicas voltadas para a pedagogia vocal nas escolas. “O principal seria a volta do ensino de canto e de canto coral nas escolas. O ensino de música. E passa também pelas escolhas que o poder público faz nas grades de programação de teatros e shows”, contesta.

A mezzo-soprano lembra que desde os anos de 1990 é realizado o “Encontro de Corais de Pernambuco”, mas - por falta de apoio e divulgação - é um evento esvaziado. “O incentivo do cantar coletivo é fundamental para uma sociedade mais humanizada”, ressalta ela.

Encantaria, trio vocal feminino

Encantaria, trio vocal feminino - Crédito: Divulgação



Representatividade que empodera

O foco do grupo “Encantaria” é a música popular nordestina, mas sua formação exclusivamente feminina dá o “tom” de que as vozes de Andreza Karla, Gal Menezes e Marcela Souza desejam dar expressão ao timbre feminino. “Acreditamos que a representatividade empodera”, afirmaram as meninas.

Com acordes que variam entre tônica e graves, o trio se diz consciente de que “o mundo ainda é machista e na música não é diferente”. Dessa forma elas tentam, seja na escolha do repertório ou de nomes femininos na música, afirmar a voz da mulher na música. “Carecemos de um interesse público que valorize ideias como a do Encantaria. Precisamos de apoio maior e de uma valorização baseada no fato de que a cultura do local está sendo continuada. E nós sentimos o reflexo disso na luta para conquistar um espaço e ter um trabalho consciente”, complementa o trio.

E para elas, embora considerem a voz humana como o instrumento mais difícil de se trabalhar, é também o mais perfeito e elevado meio de “fabricar sons musicais”, porque através dele há possibilidade de traduzir e transmitir ideias. “Creio que o maior elogio feito a um instrumento musical é dizer que ele canta”, concluem.

Mas a melhor voz pode não servir (para a música) se não houver um ouvido musical e dicção perfeitas, além de ritmo, órgãos fonéticos, expressões faciais, corporais e leitura musical. Uma composição que deve ser pensada por quem deseja "profissionalizar" os timbres e manifestar, nos palcos (e na vida), o poderio de fazer se ouvir e esbravejar a arte.

Dia Mundial da Voz: celebrações e cuidados

Foi aqui no Brasil que tudo começou. Em 1999, a celebração da voz ganhou data oficial, no dia 16 de abril. A partir de 2003 o instrumento humano que é a voz passou a ser comemorado também em países da Europa e Ásia, além dos Estados Unidos.

Nesta terça-feira (16), das 7h às 14h, na Estação Central de Metrô, no Centro do Recife, e na Praça do Derby, fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas estarão juntos no Plantão da Voz, oferecendo avaliação vocal, orientações e encaminhamentos para realização de videolaringoscopia.

A ação também será realizada em toldo montado embaixo do Viaduto de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes. O tema da campanha do Conselho Regional de Fonoaudiologia (Crefono - 4ª região) deste ano, que tem como padrinho o ator Lázaro Ramos, é "Seja Amigo da sua Voz".

E para quem acha que cabe só aos profissionais os cuidados com a saúde vocal, é bom ficar de olho "na garganta", mesmo para os "cantores da chuveiro", os tagarelas ou até os que falam pouco. Precauções e zelos são recomendados por fonoaudiólogos para todos, sem distinção e sintomas de tosse frequente, alterações no timbre e rouquidão constantes, também devem ser observados com cuidado.

Dicas para a saúde da voz

- Ingerir bastante água, de preferência em temperatura ambiente, para manter as pregas vocais hidratadas, e praticar exercícios físicos

- Não realizar abuso vocal, como gritar, falar alto (ou em tom agudo), falar em ambiente barulhento (pois estará competindo com os ruídos)
- Falar pausadamente

- Não abusar de bebidas gasosas, para evitar efeitos como o refluxo, e não fumar (além do risco de câncer, a fumaça causa desconforto na garganta, levando ao pigarro e tosse constantes). Evitar bebidas alcoólicas

- Dormir bem. Como as pregas vocais são músculos, dormir descansa a voz, por descansar também a musculatura

- Não deitar logo após as refeições para evitar refluxo laringofaríngeo

- No caso de artistas, é importante fazer aquecimento e desaquecimento da voz, durante o exercício da profissão. E manter um período de repouso vocal durante o intervalo entre as atividades/ shows/ apresentações

Fontes: Fonoaudiólogas: Karine Pontes - Contato: (81) 99952-7098/ Glauciene Maciel (HapVida Boa Viagem)


Espaços com Aulas de Canto

Conservatório Pernambucano de Música (CPM)

Canto Popular e Erudito, nas modalidades iniciante e avançado, a partir dos 17 anos
Inscrições: em janeiro e em junho
Curso técnico é gratuito e, para iniciantes, é efetuado o pagamento mensal de uma taxa
Onde: av. João de Barros, 594, Santo Amaro
Informações: (81) 3183-3400

Centro de Educação Musical de Olinda (Cemo)
Canto e Canto Coral, iniciante a partir dos 6 anos e técnico
Inscrições: em janeiro e em julho
R$ 40 (mensalidade)
Onde: av. Pan Nordestina, s/n, Salgadinho, Olinda
Informações: (81) 3241-5065

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Graduação e extensão
Inscrições por vestibular
Gratuito

Veja também

Rede nacional de drive-ins montará arena multiuso no Recife
Drive-in

Rede nacional de drive-ins montará arena multiuso no Recife

Filho de Naya Rivera terá estudos custeados por criadores de 'Glee' em homenagem
Tributo

Filho de Naya Rivera terá estudos custeados por criadores de 'Glee' em homenagem