Paródia do Chaves com Bolsonaro no Tá no Ar é reprovada por Grupo Chespirito

Em comunicado aberto em seu Instagram, o grupo disse não compactuar com a ideologia política citada

O humorista Marcelo AdnetO humorista Marcelo Adnet - Foto: Divulgação

Se a paródia do Tá no Ar que colocou os personagens do seriado Chaves em uma vila militar e abordou a política com Bolsonaro fez sucesso no Brasil, o mesmo não se pode dizer em relação ao México. O Grupo Chespirito, que detém os direitos da série, não aprovou o que viu na TV.

Em comunicado aberto em seu Instagram, o grupo disse não compactuar com a ideologia política citada. "O Grupo Chespirito não aprova, nem compartilha das opiniões ou pensamentos apresentados no esquete do Chaves exibido no programa Tá no Ar. Respeitamos as correntes de pensamento e a liberdade de expressão, no entanto não nos associamos a qualquer opinião e conceito geral e político expressado pelos atores caracterizados", dizia o comunicado.

Leia também:
Adnet: 'Terminar em um momento legal é gesto de carinho com Tá no Ar'
Atrizes de 'Segundo Sol' fazem paródia de música contra Jair Bolsonaro
Carlos Villagrán, o Quico de 'Chaves', vai aposentar o personagem


No esquete, o ator Marcelo Adnet está vestido de Jair Bolsonaro, chama Seu Madruga (Marcius Melhem) de "vagabundo" e cita termos como o kit gay, darwinismo e ideologia de gênero. Ele também diz, em uma das cenas, que o Seu Maduga "deu uma fraquejada" por ter tido uma filha mulher e que o personagem Quico (Maurício Rizzo) é "afeminado". Procurada, a Globo não se manifestou até a publicação deste texto. O Tá no Ar exibe a sua última temporada.

Veja também

Patrick Quinn, promotor do desafio do balde de gelo na cabeça, morre aos 37 anos
internet

Patrick Quinn, promotor do desafio do balde de gelo na cabeça, morre aos 37 anos

Pabllo Vittar divulga capa do seu disco, "111", na versão deluxe
Música

Pabllo Vittar divulga capa do seu disco, "111", na versão deluxe