Pernambucana Paradoxum estreia com foco no mercado editorial na internet

Selo literário será lançado nesta quinta-feira (4) no auditório do Porto Digital buscando ajudar o escritor em pontos como os direitos autorais

Fabiola Blah e equipeFabiola Blah e equipe - Foto: Paradoxum Zero/Divulgação

A atividade de uma editora vai além da publicação de livros. A pernambucana Paradoxum, que começa nesta quinta-feira (4) a operar no mercado editorial, preza por um trabalho próximo ao escritor. "Queremos ser facilitadores para novos autores e pessoas que têm vontade de lançar um livro.

A gente quer ser essa ponte para quem tem esse material pronto ou semi-pronto, mas não sabe como fazer para chegar às prateleiras, físicas e digitais", diz Fabiola Blah, gerente-executiva da editora. O lançamento oficial será a partir das 19h, no auditório do Porto Digital.

O projeto inclui acompanhar o autor de perto, para ajudar na resolução dos problemas. "Um exemplo é um livro que vamos lançar, sobre Maria Bonita. A autora conseguiu bastante material fotográfico, mas não estava pensando em fazer e-book. A gente sentou com ela para ver foto por foto, ver cada autor, para preparar a negociação para o formato digital", pontua.

"A gente viu com a autora quais eram as fotos mais importantes, para se concentrar nas alterações necessárias. Isso que eu digo de pegar o autor pela mão, resolver os problemas dele ponto a ponto", explica Fabiola, que avisa que ainda está negociando os lançamentos da editora. A proposta da Paradoxum é oferecer um atendimento personalizado para os clientes, que devem entrar com um investimento.

"Não gostaria de falar de números, mas posso dizer que é um investimento baixo", avisa Fabiola. A proposta da editora é que os escritores ganhem até 70% dos direitos autorais, enquanto o mercado paga 10%. "O direito autoral repassado é baixo. A gente trabalha diferente. O autor precisa fazer um investimento, acessível, e a gente faz a negociação para que ele seja beneficiado por 70% dos direitos autorais", destaca.

A Paradoxum surge num momento em que o digital ainda procura espaço no mercado editorial. "A gente nota pela comparação que existe um campo a ser explorado aqui na área de e-books. Nos Estados Unidos, o número de leitores de livros digitais está entre 20 e 25%, enquanto no Brasil não chegou a 10%", explica ela.

"É um mercado que anda. A gente quer fazer com que esses livros sejam lidos com conforto, tanto em aparelhos como Kindle quanto por quem prefere usar aplicativos no celular. A gente cuida para que a leitura seja confortável em todos os ambientes", detalha.

Além de trabalhar com o livro digital, a Paradoxum, que conta com programadores, designers e editores de conteúdo, também está equipada para operar no mercado impresso. "Queremos pegar o livro do autor e colocar nas livrarias. Nosso foco é o e-book, mas se o autor tem esse interesse pelo impresso e quer chegar aos meios físicos, a gente é capaz de ajudá-lo", diz Fabiola.

"Se for o desejo dele, vamos tentar entender tudo o que o autor quer, conduzi-lo, pegar pela mão, para que ele não se preocupe com nada além da escrita, da literatura que ele quer fazer", ressalta.

Serviço:

Lançamento da editora Paradoxum
Nesta quinta-feira (4) , às 19h
Porto Digital (rua do Apolo, 235, Recife Antigo)
Informações: [email protected]

Veja também

Fundação Banco do Brasil celebra 35 anos com apresentação do maestro João Carlos Martins
Concerto

Fundação Banco do Brasil celebra 35 anos com apresentação do maestro João Carlos Martins

Borat, de Amor e Sexo, segue em estado grave após ser baleado
Violência

Borat, de Amor e Sexo, segue em estado grave após ser baleado