Preta Gil afirma que está curada do coronavírus

'Não é um vírus qualquer', disse a cantora

A cantora Preta GilA cantora Preta Gil - Foto: Reprodução/Instagram

Após 14 dias em isolamento em São Paulo, Preta Gil está curada da covid-19 e foi liberada para voltar para a sua casa no Rio. "Foram longos dias de muito aprendizado e preocupações comigo, com o mundo e com os mais próximos, hoje posso dizer que me sinto mais forte e mais certa de que devemos enfrentar esse vírus com coragem, união e pensamento positivo", disse.

A cantora afirmou que é fundamental diminuir o contágio do novo coronavírus no Brasil, porque ainda é o início da epidemia no país. "É muito importante que todos se conscientizem de que não se trata de um vírus qualquer."

Na tarde de quarta-feira (25), Preta fez exames de sangue, eletrocardiograma e ressonância magnética do pulmão. O resultado, segundo a assessoria de imprensa da cantora, mostrou que ela não apresenta sintomas de pneumonia e que não precisará fazer o uso de medicação. Ela também foi informada que está curada e não transmite mais o vírus.

Leia também:
Dinho Ouro Preto está com coronavírus
Britney Spears pede distribuição de renda e convoca greve em meio à pandemia de coronavírus


Preta Gil disse acreditar que foi infectada após cantar no casamento de Marcella Minelli, irmã da influenciadora Gabriela Pugliese, que foi realizado no dia 7 de março, em Itacaré, na Bahia. A festa virou notícia depois que alguns dos convidados descobriram que estavam com coronavírus.

Além da cantora, a própria Pugliese e a influenciadora Shantal Verdelho e o filho Filippo, de apenas um ano, foram diagnosticados com o novo coronavírus.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Covid-19: voo com carga de máscaras cirúrgicas chega ao Brasil
coronavírus

Covid-19: voo com carga de máscaras cirúrgicas chega ao Brasil

Especialistas da OMS viajam à China para analisar pandemia, que provocou 70.000 mortes no Brasil
coronavírus

Especialistas da OMS viajam à China para analisar pandemia, que provocou 70.000 mortes no Brasil