Relembre momentos marcantes de Gugu Liberato na TV

Com uma trajetória profissional de 40 anos, Gugu teve uma carreira repleta de sucessos e polêmicas

Gugu Liberato, apresentadorGugu Liberato, apresentador - Foto: Divulgação

Com mais de 40 anos de televisão, a morte do apresentador Gugu Liberato, 60, foi anunciada na noite desta sexta-feira (22). A informação foi confirmada pela família, em nota.

Gugu teve uma carreira repleta de sucessos e polêmicas, que incluem desde a famosa Banheira do Gugu até uma entrevista com supostos membros do PCC que faziam ameaças a políticos e jornalistas. Antes de ser apresentador, Gugu trabalhou como office-boy em uma imobiliária em São Paulo, mas na época já sonhava com a TV.

Ele contou à Folha de S.Paulo na década de 1990 que chegou a mandar cartas para Silvio Santos, com ideias e sugestões para os programas dele, até que foi chamado. Silvio resolveu dar uma chance ao menino, na época com apenas 14 anos, contratando-o como assistente de produção, quando o apresentador ainda estava na Globo.

Ao conseguir a concessão que daria origem ao SBT, Silvio lhe deu a verdadeira oportunidade de Gugu: "Acho que ele enxergou em mim um sucessor", chegou a dizer Gugu décadas depois.

Leia também:
Após acidente, Gugu Liberato morre aos 60 anos
Após morte de Gugu, Record diz que apresentador deixou últimas edições do Canta Comigo gravadas
Gugu Liberato sofre acidente; estado é grave

De Sessão Premiada, um programa que ia ao ar nos intervalos de filmes, Gugu passou para o Viva a Noite, programa que após estrear às terças passou para o horário nobre de sábado. Depois vieram Passa ou Repassa, Sabadão Sertanejo e Domingo Legal, este último abaixo apenas de Silvio Santos na grade do SBT.

Foi no Domingo Legal que Gugu se consolidou. O programa, que estreou em 1993, começou sendo gravado e veiculado no início das tardes, mas com o passar dos anos virou ao vivo e mudou para as 16h, para competir diretamente com o Domingão do Faustão (Globo), até então líder no horário.

Na disputa acirrada entre os dois programas dominicais, Gugu contou com quadros polêmicos, como a Banheira do Gugu, em que famosos lutavam para pegar sabonetes dentro de uma banheira, que lhe garantiram a liderança na audiência entre o final dos anos 1990 e começo dos anos 2000.

Em meio à disputa por audiência, o apresentador acabou se envolvendo na maior polêmica de sua carreira, quando veiculou uma entrevista com dois supostos membros do PCC, que faziam ameaças aos jornalistas Marcelo Rezende e José Luis Datena, ao padre Marcelo Rossi e ao então vice-prefeito de São Paulo, Hélio Bicudo.

Pouco depois do programa ir ao ar, em 2003, a própria facção desmentiu que os homens fizessem parte do grupo. Gugu virou alvo de investigações e disse não saber da farsa –segundo ele, teria confiado no relato do repórter Wagner Maffezoli. O apresentador deixou o SBT em 2009.

Gugu estreou na Record no mesmo ano, apresentando o Programa do Gugu de 2009 a 2013. Após um período longe da TV, ele retornou à emissora em 2015, conquistando a liderança de audiência já no primeiro episódio do programa batizado com seu nome: Gugu, com a veiculação de uma entrevista exclusiva com Suzane Von Ritchthofen.

O programa seguiu no ar até 2017, quando chegou ao fim. Desde então, o apresentador tem se dedicado a realities shows do canal, o Power Couple Brasil e o Canta Comigo. Esse último está hoje na reta final da segunda temporada. Segundo a Record, o apresentador chegou a gravar a final, prevista até então para ir ao ar dia 4 de dezembro.

"Nunca trabalhei tão pouco, intelectualmente falando. Reality é muito mais fácil para qualquer apresentador, mas em compensação, o volume de horas de trabalho é muito maior. Eu chego por volta das 9h e saio a 1h do dia seguinte. É bem difícil", chegou a afirmar Gugu em junho.

Veja também

Pais na vida real e na ficção, atores falam sobre paternidade
Famosos

Pais na vida real e na ficção, atores falam sobre paternidade

Ed Sheeran investe R$ 254 mil para deixar ecologicamente correto imóvel em que vive
Celebridade

Ed Sheeran investe R$ 254 mil para deixar ecologicamente correto imóvel em que vive