Restaurante Oleiro, na Zona Norte, é brasilidade pura

Nova casa propõe a valorização de ingredientes locais com preparações de rigor técnico

Tartar de atumTartar de atum - Foto: Wagner Ramos/Divulgação

Longe de ser apenas um novo restaurante, o Oleiro Cozinha Artesanal avança na experiência de mostrar a gastronomia como um feito compartilhado. É levar à mesa um prato que alimenta a cadeia produtiva local, repleto de ingredientes brasileiros, e fazer o visitante perceber naquele momento que ele também é parte do processo. Como o próprio nome diz, uma proposta inspirada no ofício de quem consegue transformar o produto bruto em algo encantador.

Projeto ousado nas mãos dos sócios Manoelzinho Fernandes, Thiago Vita e Claudemir Barros. Em poucos meses, eles organizaram a operação, onde funcionava o antigo Prouvot, no Parnamirim, e idealizaram junto ao escritório FM Arquitetura um espaço condizente com a mensagem da cozinha. Por todos os lados, peças de barro assinadas por artistas locais reafirmam a identidade sertaneja em meio a tons terrosos e iluminação aconchegante. Linguagem afetiva, que se estende ao enxoval com jogo americano de renda e pratos de barro preto, confeccionados por dona Terezinha, da Olaria Gonzaga, no Alto Do Moura.

Cenário para a comida se destacar pelo seu conjunto da obra. Seja pela valorização de ingredientes como chuchu, caju, fruta pão e maxixe, fornecidos por pequenos produtores, até as técnicas que Claudemir não abre mão de aplicar. Pesquisador, ele entende que certos ingredientes vão além da cozinha de subsistência e devem, sim, ganhar espaço ao lado dos itens de status. Na lista de entradas, por exemplo, o atum tipo exportação segue o mesmo processo de salga e cura usado pelo colega André Saburó. Sai brilhante e acompanhado por lascas de tapioca sequinha (R$ 35). Não menos marcante que as fatias de queijo de coalho defumado estruturando o carpaccio brûlleé no azeite (R$ 25).

Costela suína sobre musseline de castanha brejeira

Costela suína sobre musseline de castanha brejeira - Crédito: Wagner Ramos/Divulgação


“Mesmo sendo uma paixão antiga, esse trabalho ainda pode parecer novo para muita gente e a boa repercussão tem sido uma resposta”, diz o chef sobre o desafio de lidar com um cardápio tão inclusivo. A sutil intenção de provocar, surge de principal em opções como a costela suína sobre musseline de castanha brejeira, mais fatias de jerimum assado e roti de mel de engenho (R$ 45). Tão robusto quanto o peixe do dia recheado com camarão grelhado na palha, vatapá de jerimum e farofa de amendoim (R$ 59) ou nos pratos que levam tucupi, ossobuco cozido e cordeiro de sol na brasa. Quem estiver aberto, vale ir sem medo no menu degustação de três ou cinco etapas com possibilidade de harmonização.

Leia também
Conheça trabalhos que são 'fora da curva' na gastronomia
Novidades aquecem restaurantes
Restaurantes servem mais do que comida: vendem experiência


   Reforço de peso

 A presença do maître Otoniel Abílio revela que o serviço de salão e da carta de vinhos, é clássico e atencioso. Sua experiência em casas de peso reforça o capricho do Oleiro ao lado da chef Sofia Mota. Ela, por sua vez, criou sobremesas elegantes e distintas entre si, levando em conta a brasilidade do lugar. Vai da leveza de uma torta de banana nanica com sorvete de doce de leite (R$ 22) até a complexidade de uma cumbuca preenchida por creme de cupuaçu, mais paletas de suspiro de chocolate, musse de chocolate com café, castanha-do-pará e crocante de café torrado (R$ 25). É felicidade abastecida com sucesso até a próxima refeição.
Serviço:
Endereço: rua Albino Meira, 58, Parnamirim
Informações: 3128.1708

 

 

Veja também

Dia da Gula: você tem fome de quê?
Pandemia

Dia da Gula: você tem fome de quê?

Como será a alimentação ao longo de 2021?
Saúde

Como será a alimentação ao longo de 2021?