Versão em quadrinhos de 'Os sertões' é relançada

Com roteiro de Carlos Ferreira e desenho de Rodrigo Rosa, 'Os sertões - A luta' adapta para a linguagem dos quadrinhos o clássico de Euclides da Cunha

"Os sertões - A luta""Os sertões - A luta" - Foto: Reprodução

No próximo dia 15, completa-se 110 anos da morte trágica de Euclides da Cunha, figura controversa, mas de genialidade incontestável. Nesta leva de homenagens que a efeméride provoca, é natural que os holofotes estejam virados para a mais importante obra do escritor. Entre as reedições de "Os sertões" recentemente publicadas, a editora Companhia das Letras - através do selo Quadrinhos na Cia - relança a versão em quadrinhos do livro, com roteiro de Carlos Ferreira e desenho de Rodrigo Rosa.

A dupla de artistas gaúchos embarcou numa missão nada fácil: adaptar um dos maiores clássicos da literatura brasileira para outra linguagem, condensando tudo em menos de 100 páginas de textos e ilustrações. Publicada pela primeira vez em 1902, a obra transita entre o relato jornalístico e a prosa poética para retratar a Guerra de Canudos, conflito armado que levou ao massacre de milhares de sertanejos no interior da Bahia. O livro possui mais de 600 páginas, mas o romance gráfico se restringe apenas a sua terceira parte, intitulada "A luta".

"Esse último capítulo tem uma construção narrativa mais próxima do drama, o que facilitou a transposição para os quadrinhos, já que havia bem mais ação. Apesar de ter sido esse o foco, a gente não deixou de introduzir um pouco de cada uma das outras duas parte do livro", afirma Carlos. A adaptação foi publicada pela primeira vez em 2011, por meio do selo Desiderata, da editora Ediouro. Após três anos sem novas tiragens, o trabalho foi reeditado, com direito a uma capa nova e inclusão de cenas inéditas.

Leia também:
Supermãe, personagem de Ziraldo, ganha almanaque comemorativo
Coletânea reúne a obra de Caco Galhardo nos quadrinhos


O trabalho de criação da graphic novel exigiu grandes esforços dos autores. Antes de colocar as ideias no papel, eles viajaram para a região onde ocorreram as batalhas entre o Exército e os membros da comunidade de Antônio Conselheiro. Durante cinco dias, registraram fotograficamente o ambiente e conheceram alguns dos moradores, para auxiliar na produção visual e textual.

Capa do livro

Capa do livro "Os sertões - A luta" - Crédito: Divulgação



"Foi uma viagem muito intensa e vital para o livro ter essa profundidade que tem. Apesar de ser um fato que aconteceu há tanto tempo, parece permanecer na memória das pessoas que nem estavam vivas naquela época. Por coincidência, o Zé Celso também estava lá, apresentando uma peça sobre 'Os sertões'. Então, a gente fazia as pesquisas pela manhã e via o espetáculo de noite. Foi muito inspirador", revela.

A base bibliográfica também foi fundamental para a construção do roteiro. Além da obra original, Carlos aponta como primordial para o processo a sorte de ter encontrado em um sebo baiano uma das raras edições do diário de apurações de Euclides da Cunha. Nesta versão, o escritor acaba se tornando um personagem da trama. "No momento em que estou trabalhando a partir de um texto de outro autor, procuro me desprender dele. Prestei atenção na estrutura do livro, trouxe comigo as referências da minha leitura e tentei captar a sua essência, mas sem partir por um caminho fácil", conta.

Serviço

"Os sertões - A luta", de Carlos Ferreira e Rodrigo Rosa
Quadrinhos na Cia, 96 páginas
Preço médio: R$ 49,90

Veja também

Após desfalcar The Voice Kids, Claudia Leitte volta como jurada em versão sênior do programa
disputa musical

Após desfalcar The Voice Kids, Claudia Leitte volta como jurada em versão sênior do programa

Com A Fazenda, Record fica à frente da Globo pela terceira vez em uma semana
televisão

Com A Fazenda, Record fica à frente da Globo pela terceira vez em uma semana