‘White Lines’ mistura trama morna em paisagens atraentes

Série da Netflix é do mesmo criador que ‘La Casa de Papel’ e ‘Vis a Vis’

'White Lines' tem protagonista atrás de respostas sobre assassinato do irmão'White Lines' tem protagonista atrás de respostas sobre assassinato do irmão - Foto: Divulgação/Netflix

Sabe quando assistimos a um filme sem saber nada sobre a história ou bastidores e pensamos: “Isso é tão Tarantino”? Pois é, esses elementos e métodos de criação, que não são exclusivos, mas que determinam o reconhecimento do público diante da obra, acontece em todas as ramificações do entretenimento. Os mais atentos podem atrelar os diálogos extremamente rápidos de “Grey’s Anatomy” e “Scandal” à mesma showrunner, por exemplo. Propositalmente ou não, isso não acontece em um dos mais recentes lançamentos da Netflix, a série britânico-espanhola “White Lines”.

É que ela é escrita e dirigida por Álex Pina, conhecido principalmente por “La Casa de Papel” e “Vis a Vis”, ambas também disponíveis na Netflix. Nesses dois casos, os seriados são quase irmãos. Enquanto um é ambientado durante um assalto na Casa da Moeda da Espanha, o outro apresenta o dia a dia de uma penitenciária feminina, há embates entre criminosos e policiais nos dois contextos. E tem mais, parte do elenco marca presença nas duas séries. Com isso, muitos podem ir para “White Lines” esperando encontrar o ritmo frenético das tramas anteriores, mas não é bem isso que acontece.

Leia também:
Racismo e maternidade são temas fortes em “Little Fires Everywhere”
‘Hollywood’: Saiba quem é quem na minissérie da Netflix

“White Lines” é ambientada 20 anos após o desaparecimento do DJ Axel Collins (Tom Rhys Harries), em Ibiza, na Espanha. Quando seu corpo é encontrado nas terras da família mais rica da cidade com sinais de que ele foi morto por uma terceira pessoa, seu pai e irmã, a protagonista Zoe Walker (Laura Haddock), saem da Inglaterra e vão até o local tentar descobrir quem foi o responsável pelo crime.

Ao longo dos 10 episódios da série, é mostrada a ambição de Axel em se tornar o DJ mais popular de Ibiza, tudo regado a drogas, tráfico e orgias, até culminar em sua morte. O não uso de um cliffhanger dificultou a permanência do interesse na história, recurso muito utilizado nas séries de Pina, que consiste em deixar um grande acontecimento em aberto para o próximo episódio, fidelizando a curiosidade do público.

Isso somado a personagens que não cativam tornam os 50 minutos por episódio difíceis de finalizar. De novo, o currículo de Álex Pina parece ser um contra, já que em retrospecto temos exemplos como Nairóbi (Alba Flores) e Soledad (María Isabel Díaz), das séries já citadas, enquanto ninguém conquista apreço no seriado novo. O único que parece chegar perto de agradar é Boxer (Nuno Lopes), ainda que não haja muita empatia pelas situações que o ‘faz-tudo’ da família Calafat acaba se envolvendo.

O tráfico de cocaína faz alusão ao título da série (do português “Linhas Brancas”) que é colocado como parte da economia de Ibiza e suas paisagens turísticas. Cenários esses de encher os olhos, principalmente em época de isolamento social. No aspecto fotográfico, “White Lines” é nota 10.

À medida que Zoe descobre informações sobre a vida que o irmão levava, sua ideia sobre ele que foi construída na adolescência, começa a ruir. Nesse ponto, a história começa a ficar interessante, mas não há novidade no roteiro nem na forma como os fatos estão ligados. O próprio crime do enredo já está prescrito – nas leis do país –, servindo como um aviso de que não haverá muitas consequências sobre isso além de descobrir o responsável.

Na tentativa de emplacar uma terceira série de sucesso, “White Lines” acaba sendo vencida pelas expectativas criadas, mas que alcança o posto de série mediana se o público pensar na produção sem relacionar ao seu criador.



*Fernando começou a assistir a séries de TV e streaming em 2009 e nunca mais parou. Atualmente ele já maratonou mais de 300 produções, totalizando aproximadamente 7 mil episódios. A série mais assistida - a favorita - é 'Grey's Anatomy', à qual ele reassiste com qualquer pessoa que esteja disposta a começar uma maratona. Acesse o Portal, Podcast e redes sociais do Uma Série de Coisas neste link.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Em livro, afegã conta como se vestiu de homem por 10 anos para sobreviver ao Taleban
Livro

Afegã conta como se vestiu de homem para sobreviver ao Taleban

Levantamento do Ecad indica que Norte e Nordeste são as regiões que mais ouvem rock
Música

Levantamento do Ecad indica que Norte e Nordeste são as regiões que mais ouvem rock