A policiais, Bolsonaro diz que todos têm cota de sacrifício na Previdência

O presidente disse que está tratando do assunto com o diretor-geral da Polícia Federal

BolsonaroBolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que todas as categorias terão de dar a sua cota de sacrifício na reforma previdenciária, incluindo as forças policiais. Nesta terça-feira (2), lobistas das carreiras de policiais federal e civil fizeram protesto na Câmara dos Deputados para que o texto da proposta inclua emendas igualando os benefícios aos da categoria militar.

O presidente disse que está tratando do assunto com o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, e classificou como natural o protesto de lobistas. "Está sendo negociado. Liguei para o Valeixo. Estamos tratando do assunto. É natural os lobbies, mas todo mundo vai ter a sua cota de sacrifício, como as Forças Armadas tiveram", disse.

A bancada do PSL, partido do presidente, pode registrar uma baixa de até 22 votos a favor da reforma caso não sejam incluídos os destaques que beneficiariam os policiais civis e federais.

Leia também:
Governadores e líderes não fecham acordo por estados na reforma da Previdência
Bolsonaro diz que Brasil enviará equipe para interrogar sargento preso

A principal resistência é do ministro da Economia, Paulo Guedes, para o qual a mudança poderá desidratar ainda mais a proposta.

O presidente da comissão especial, Marcelo Ramos (PL-AM), convocou para esta terça-feira (2), às 16h, a sessão para que o relator da proposta, Samuel Moreira (PSDB-SP), apresente a nova versão do projeto.

Até o momento, no entanto, governo e oposição não chegaram a um acordo para a inclusão de estados e municípios na proposta.

Veja também

Iniciativa privada é página virada, diz Salim Mattar, que não volta para a Localiza
Economia

Iniciativa privada é página virada, diz Salim Mattar, que não volta para a Localiza

Livro mostra como Brasil gasta mal e bem-estar poderia ser maior com mesma despesa
Economia

Livro mostra como Brasil gasta mal e bem-estar poderia ser maior com mesma despesa