Afeganistão ordena suspensão dos aplicativos WhatsApp e Telegram

Redes são muito utilizadas pelos insurgentes para transmitir seus comunicados

Aplicativo de mensagens WhatsAppAplicativo de mensagens WhatsApp - Foto: Pixabay

As autoridades afegãs ordenaram a suspensão durante três semanas dos aplicativos de mensagens WhatsApp e Telegram, muito utilizados pelos insurgentes para transmitir seus comunicados, por questões "técnicas", segundo o ministério das Telecomunicações.

"Há dois dias, muitos cidadãos reclamam do bloqueio do WhatsApp e Telegram", escreveu em sua página do Facebook o ministro das Telecomunicações, Shahzad Aryobee.

Leia também:
China bloqueia WhatsApp antes de congresso do Partido Comunista
WhatsApp pode ser vulnerável a intercepções


"O ministério prevê introduzir novas tecnologias para melhorar estes serviços e solucionar os problemas técnicos, mas isto exige a suspensão temporária do WhatsApp e Telegram", completou na mensagem publicada na sexta-feira.

O ministro afirmou que "não se trata de um atentado à liberdade de expressão".

O acesso aos telefones celulares disparou nos últimos anos no Afeganistão, com mais de 21,5 milhões de linhas ativas. Oito milhões de afegãos (de um pouco mais de 30 milhões) têm acesso à internet, especialmente a través do celular.

Os afegãos utilizam muito os aplicativos para trocar mensagens. Mas os talibãs também recorrem a estas plataformas para publicar suas reivindicações, especialmente o WhatsApp, enquanto os partidários do grupo Estado Islâmico preferem o Telegram.

"Esta mensagem é totalmente certa: não há intenções ocultas", insistiu neste sábado o porta-voz do ministério das Telecomunicações, Nayib Nangyalay.

"A suspensão vai de 1 a 20 de novembro. Não há nenhum atentado à liberdade de expressão, as pessoas podem continuar usando o Facebook, Twitter...", completou.

Veja também

Beneficiário do Bolsa Família pode contestar auxílio até 30 de novembro
bolsa família

Beneficiário do Bolsa Família pode contestar auxílio até 30 de novembro

Ações do Carrefour caem mais de 5% após assassinato de homem negro
Beto Freitas

Ações do Carrefour caem mais de 5%