Golpe

Alerta: não caia no golpe do boleto falso

Como as despesas de início de ano trazem mais faturas para o consumidor pagar, o Procon dá dicas para ajudar o consumidor a evitar problemas

Boletos bancáriosBoletos bancários - Foto: Flávio Japa/Folha de Pernambuco

Todo começo de ano é igual. A maioria das pessoas acumula mais boletos a pagar devido a despesas extras e típicas da época, como impostos, matrícula da escola dos filhos, entre outros. Pensando nisso, o Procon Recife está alertando os consumidores para que não caíam em golpes de boletos falsos.

De acordo com a presidente do Procon Recife, Ana Paula Jardim, a população precisa prestar mais atenção nos sites que emitem os boletos, mas o primeiro passo é ter um bom antivírus no computador, para evitar problemas.

Leia também:
Família denuncia golpe de agência de viagem e prejuízo de mais de R$ 52 mil no Recife
Saques do FGTS: Caixa dá dicas para evitar golpes contra o trabalhador

Esses golpes aumentaram em mais de 55% desde 2018. “Para fazer um pagamento não precisa necessariamente ter conta em banco e muitas pessoas utilizam boletos para quitar as contas. O que a gente orienta o consumidor é para que quando for tirar um boleto pela internet, ele deve manter ativo e atualizado o antivírus do computador. Alguns golpistas utilizam um vírus que aparece na hora que você imprime. Ele modifica a agência e a conta do boleto, fazendo com que o dinheiro não vá para a conta correta”, afirmou.

A presidente do órgão recomenda que as pessoas utilizem ferramentas como a Nova Plataforma de Cobrança (NPC), desenvolvida pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) em parceria com as instituições bancárias, que pode aderir ao Débito Direto Autorizado (DDA). Nele, ao se cadastrar, o cliente recebe a versão eletrônica de todos os boletos emitidos em seu nome. “Conferir o boleto é fundamental. A Febraban desenvolveu essa plataforma, e tem o DDA, onde a pessoa tem como conferir os boletos registrados no CPF. São opções de prevenção”, destacou.

O que requer muita atenção do consumidor, de acordo com Ana Paula Jardim, é a questão dos boletos com impressos com falha no código de barras, onde os números podem vir adulterados e o pagamento não ser feito da forma correta. “Outra coisa que chama a atenção é quando o boleto vem com falha no código de barras. É muito difícil modificar código de barras. Quando ele vem apagado e o consumidor é obrigado a digitar o número, muitas vezes ele acaba indo para uma conta diferente. Conferir todos os números e nomes do banco, para não ir pra uma conta errada, é preciso atenção”, disse.

Além de chegar ao consumidor como uma correspondência comum e pela internet, a presidente do Procon aconselha que as pessoas desconfiem quando encontrarem grandes lojas que vendem somente pelo boleto. Segundo ela, essa característica representa um golpe para o consumidor. “Pessoas caem porque golpistas fazem sites parecidos, e não tomam cuidado. Orientamos a ter mais cuidado. Na hora que ver uma promoção em rede social, deve-se digitar o nome da empresa pra ver se ela existe. Empresas grandes não recebem só em boleto, recebem em cartão. É bom sempre desconfiar”, contou.

O Procon recomenda que as pessoas vítimas desses golpes devem fazer um boletim de ocorrência, procurar o banco responsável e a empresa que adquiriu o produto ou o serviço para solucionar o problema. Caso não consiga uma solução, o órgão entrará como um mediador

Veja também

Cidadão poderá contestar via Dataprev negativa do auxílio emergencial
Auxílio

Cidadão poderá contestar via Dataprev negativa do auxílio emergencial

Semana Brasil terá edição 2020 e deve ajudar na retomada da economia
Economia

Semana Brasil terá edição 2020 e deve ajudar na retomada da economia