Alianças com Avianca e Copa serão foco da United na América Latina

O acordo entre Latam e Delta que surpreendeu o mercado não deve mudar os planos da United para o Brasil

AviancaAvianca - Foto: Divulgação

O inesperado acordo entre Latam e Delta, anunciado há cerca de um mês, foi comparado pelo presidente-executivo da United, Oscar Munoz, a um movimento típico de "Game of Thrones". "Todo esse negócio de alianças é muito como 'Game of Thrones'. Todo mundo quer evitar o Casamento Vermelho", afirmou ele durante evento da United com jornalistas nesta sexta-feira (25), em Chicago.

A analogia com o seriado da HBO, repleto de estrategemas, traições e mortes, várias delas ocorridas durante o citado casamento, se explica pelo fato de Latam e Delta cultivarem até então parcerias duradouras com as rivais American e Gol.

Apesar da espirituosa comparação, porém, o acordo que surpreendeu o mercado não deve mudar os planos da United para o Brasil. A companhia americana é uma importante parceira da Azul, tendo uma fatia de 10% em ações da empresa brasileira, e negocia agora um ambicioso acordo de joint-venture com a Azul, a colombiana Avianca e a panamenha Copa para rotas entre EUA e a América Latina.

Leia tamém:
Gol libera pagamento de passagem aérea nas lotéricas
Acordo Latam-Delta deixará Brasil fora do mapa das alianças aéreas
Delta fecha compra de 20% da Latam por US$ 1,9 bilhão

Enquanto a aliança entre Latam e Delta tem o potencial de turbinar a presença desta última na América do Sul, a United indica que seu foco será incrementar os voos para Bogotá (hub da Avianca) e Cidade do Panamá (hub da Copa).

Foi o que afirmou à reportagem Andrew Nocella, diretor comercial da United, durante o evento em Chicago. De acordo com ele, a United não planeja inaugurar novas rotas para o Brasil. Hoje, a companhia opera em São Paulo (Guarulhos) e Rio de Janeiro (Galeão) para quatro destinos nos EUA: Nova York (Newark), Chicago, Washington e Houston.

É mais do que oferece a Delta, que liga São Paulo e Rio a Atlanta e Nova York, mas inferior à presença da American, que opera em quatro cidades brasileiras -São Paulo, Rio, Brasília e Manaus- com voos para Nova York, Dallas, Los Angeles e Miami. A cidade da Flórida, aliás, é o principal hub de entrada de latino-americanos nos EUA.

Nocella afirmou que a United não estuda abrir rotas do Brasil para os EUA partindo do Norte ou Nordeste -onde a Azul tem um hub, Recife. Segundo ele, a "estratégia da United em fortalecer os hubs de Bogotá e Cidade do Panamá será a mais acertada".

Esse movimento, porém, deixa de fora a Azul, cujos três hubs -Campinas, Belo Horizonte e Recife- não são atendidos por voos da United. *O jornalista viajou a convite da United

Veja também

Brasileiros acreditam em inflação de 4,8% nos próximos 12 meses
Economia

Brasileiros acreditam em inflação de 4,8% nos próximos 12 meses

Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos, diz Ministério das Comunicações
Brasil

Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos, diz Ministério das Comunicações