Após contestações, Caixa estuda reduzir taxa de administração do FGTS

O relator da proposta que libera saques do FGTS, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), considera elevada a taxa de 1% ao ano sobre ativo total do fundo

Presidente da Caixa, Pedro GuimarãesPresidente da Caixa, Pedro Guimarães - Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse nesta quarta (16) que estuda uma redução da taxa de administração dos recursos do FGTS. A afirmação foi dada após declarações contestando a tarifa e o monopólio do banco na gestão do fundo.

"A Caixa está estudando neste momento potenciais reduções na taxa de gestão. Já temos um número e há tranquilidade para ter essa redução", disse em entrevista sobre a liberação dos saques do FGTS.

Guimarães não quis dar mais detalhes, dizendo que precisaria de aval do ministro da Economia, Paulo Guedes, para comentar o assunto. Segundo ele, no entanto, o avanço tecnológico (com várias operações feitas pelo celular, por exemplo) possibilita a redução das taxas cobradas.

Leia também:
Caixa começa nova etapa de saques do FGTS e estende horário
Presidente da Caixa defende manutenção do banco como gestor do FGTS


Os técnicos da Caixa defendem que o banco usa a taxa de administração do FGTS para cobrir custos com o transporte do dinheiro e a segurança envolvida nas operações, como a do saque imediato que libera até R$ 500 por conta do fundo.

"A gente tem claramente um potencial de redução. Por outro lado, teríamos um gasto de R$ 1 bilhão nesses pagamentos [do saque imediato do FGTS]. Estamos totalmente abertos à redução da taxa de gestão porque o objetivo da Caixa é retornar aos brasileiros esses resultados que nós temos", disse.

A declaração foi dada depois de surgir um movimento crescente no Congresso para baixar a cobrança. O relator da proposta que libera saques do FGTS, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), considera elevada a taxa de 1% ao ano sobre ativo total do fundo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta semana que a Caixa rouba R$ 7 bilhões do trabalhador com a cobrança da taxa de administração do FGTS.

Também nesta semana, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, disse que o banco tem interesse em disputar uma concorrência pública para a gestão dos recursos após um possível fim do monopólio da Caixa Econômica Federal. O governo, no entanto, até hoje não propôs nenhuma medida nessa direção.

Veja também

Governo prepara MP para pagar 100 milhões de doses da vacina de Oxford
Coronavírus

Brasil deve pagar 100 milhões de doses da vacina de Oxford

Lucro do Itaú cai pela metade no 2º tri com novo aumento de reserva contra calote
bancos

Lucro do Itaú cai pela metade no 2º tri com novo aumento de reserva contra calote