Bandeira tarifária em outubro será amarela, decide Aneel

Consumidor pagará acréscimo de R1,50 extra para cada 100 kWh

EnergiaEnergia - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou hoje (27) que a bandeira tarifária para o mês de outubro de 2019 segrá na cor amarela, com acréscimo de R1,50 extra para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em agosto e setembro houve a cobrança da bandeira tarifária vermelhas no patamar 1, quando há um acréscimo de para R$ 4 a cada 100 kWh consumidos.

De acordo com a agência, a decisão de alterar a bandeira se deve ao fato de outubro ser um mês de transição ente a estação seca e a chuvosa. Com isso, diminuiu a necessidade de acionar usinas termelétricas, que possuem custo de geração de energia mais caro.

"A previsão hidrológica para o mês sinaliza elevação das vazões afluentes aos principais reservatórios, o que também permitirá reduzir a oferta de energia suprida pelo parque termelétrico", disse a Aneel.

Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Leia também:
Aneel: luz terá bandeira vermelha em setembro
Aneel anuncia bandeira tarifária vermelha para agosto
Aneel aprova reajuste médio de 5,04% nas tarifas de luz da Celpe 

O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês) e o preço da energia (PLD). Segundo a agência, o cenário favorável reduziu o preço da energia para o seu patamar mínimo, o que "diminui os custos relacionados ao risco hidrológico e à geração de energia de fontes termelétricas", possibilitando a manutenção dos níveis dos principais reservatórios próximos à referência atual.

No dia 21 de maio, agência aprovou um reajuste no valor das bandeiras tarifárias. Com os novos valores, caso haja o acionamento, o acréscimo cobrado na conta pelo acionamento da bandeira amarela passou de R$ 1 para R$ 1,50 a cada 100 kWh consumidos. Já a bandeira vermelha patamar 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh e no patamar 2 da bandeira passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos. A bandeira verde não tem cobrança extra.

Os recursos pagos pelos consumidores vão para uma conta específica e depois são repassados às distribuidoras de energia para compensar o custo extra da produção de energia em períodos de seca.

Veja também

Captação da poupança bate recorde para meses de julho
economia

Captação da poupança bate recorde para meses de julho

PIB despenca, mas socorro estatal evita que famílias caiam no abismo, diz OCDE
PIB

PIB despenca, mas socorro estatal evita que famílias caiam no abismo, diz OCDE