Bolsa cai 1% com nova previsão de desaceleração da economia global

Em relatório desta terça, o FMI diminuiu pela segunda vez as estimativas de crescimento para a economia em 2019

déficit encerrado em março de 2019 somou US$13,7 bilhõesdéficit encerrado em março de 2019 somou US$13,7 bilhões - Foto: Marcello Casal / Agência Brasil

O mercado teve uma terça-feira (9) marcada por pessimismo e cautela gerados por dados do FMI (Fundo Monetário Internacional) que reforçaram previsões de desaceleração da economia global. Somou-se a isso uma nova frente de disputa comercial travada pelo presidente americano, Donald Trump. O resultado foi a queda das principais Bolsas mundiais, que levou a uma baixa de mais de 1% do Ibovespa. O dólar avançou.

Em relatório desta terça, o FMI diminuiu pela segunda vez as estimativas de crescimento para a economia em 2019. O número esperado para 2019, agora, é de 3,3%. Em janeiro, era de 3,5% e, em outubro de 2018, de 3,7%. Para o Brasil, o número ficou em 2,1%.

Ainda pela manhã, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou impor novas tarifas sobre US$ 11 bilhões (R$ 42 bilhões) em produtos da União Europeia, abrindo uma nova frente de disputa comercial ao mesmo tempo em que tenta encerrar a batalha travada há mais de um ano com a China.

"A Organização Mundial do Comércio determinou que os subsídios da União Europeia à Airbus tiveram impacto adverso sobre os Estados Unidos, que agora vão colocar tarifas sobre US$ 11 bilhões em produtos da UE! A UE se aproveitou dos EUA no comércio por vários anos. Isso vai parar logo", escreveu o presidente americano no Twitter.

Leia também:
Sem novidades sobre Previdência, Bolsa brasileira tem alta discreta
Bolsa recua e dólar tem quarta queda consecutiva 

O receio de uma nova crise chegou ao mercado brasileiro, e o Ibovespa, principal índice acionário do país, recuou 1,1%, a 96.291 pontos. O giro financeiro foi de R$ 12 bilhões, em linha com a média de abril, mas abaixo dos R$ 16 bilhões que vinham sendo movimentados diariamente desde o começo do ano.

No entanto, o fechamento foi em um patamar superior às mínimas do dia. A reação veio por volta das 14h30, quando começou a reunião na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, que debate a reforma da Previdência.

PSL, o partido do presidente Bolsonaro, e demais partidos favoráveis à reforma da Previdência se alinharam e aprovaram requerimento para inversão de ordem dos trabalhos, para diminuir movimentos de obstrução da oposição à pauta nesta terça-feira.

"A CCJ hoje foi boa, melhor articulada. O presidente conduziu bem e não deixou a oposição dominar", afirma Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da corretora Órama.

No Brasil, a articulação em torno da reforma da Previdência ainda é o centro das atenções. Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmaram que não são os articuladores da PEC. Para Guedes, a coordenação está a cargo do secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Para Maia, a responsabilidade é do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

"Sem sinais claros de quanto será economizado na reforma, o mercado vai oscilar entre 93 e 95 mil pontos e ficar longe dos 100 mil conquistados em março. Hoje tivemos um cenário pior lá fora e a Bolsa refletiu isso", disse Espírito Santo.

A agência de classificação de risco Moody's afirmou nesta terça contar com a aprovação da reforma até o final do ano, mas esperar economia entre R$ 600 bilhões e R$ 800 bilhões, abaixo do R$ 1,1 trilhão projetado pelo governo.

O dólar também refletiu o dia de incerteza, mas teve alta modesta, de 0,15%, a R$ 3,8550.

Veja também

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros
Negócios

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda
LUTO

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda