Bolsonaro diz que privatizações do BB e da Caixa não estão no radar da próxima gestão

Presidente eleito disse, ainda, que não acredita na aprovação da reforma da Previdência proposta por Temer; a caracterizou como 'um pouquinho agressiva'

Núcleo militar do governo Bolsonaro pode ser um obstáculo às privatizaçõesNúcleo militar do governo Bolsonaro pode ser um obstáculo às privatizações - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira (29) que a privatização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal não estão no radar da próxima gestão federal. "Qualquer privatização tem que se responsável. Não é jogar para cima e ficar livre. Algumas privatizações ocorrerão. Outras estratégicas, não. Banco do Brasil e Caixa Econômica não está no nosso radar", declarou o presidente eleito.

Bolsonaro disse ainda que considera difícil a aprovação de uma reforma da Previdência ainda este ano. Ele disse que vai oferecer uma nova proposta no início do seu mandato. Segundo o presidente eleito, a atual proposta da gestão Michel Temer é "um pouquinho agressiva para com o trabalhador".

"No corrente ano é difícil qualquer reforma andar. O Parlamento está dividido porque metade não se reelegeu. Devo sim apresentar uma reforma da Previdência no início do meu mandato. Não essa que está no momento, que nós achamos um pouquinho agressiva para com o trabalhador", disse ele, após evento na Vila Militar, zona oeste do Rio de Janeiro.

Leia também:
Assessor convida Bolsonaro para encontro com Trump
Bolsonaro bate continência para assessor de Trump
Título para Bolsonaro na Câmara do Recife
Bolsonaro diz que futuro governo poderá ter 22 ministérios

Veja também

Foz do Iguaçu aposta em “duty free shops” para retomar turismo
Roberta Jungmann

Foz do Iguaçu aposta em “duty free shops” para retomar turismo

Governo recria conselho de defesa do consumidor extinto em 1990
Economia

Governo recria conselho de defesa do consumidor extinto em 1990