Bradesco quer tornar Next banco independente até março de 2020

A medida também diminuirá os custos operacionais e regulatórios do banco

Bradesco. Bradesco.  - Foto: Cortesia/Whatsapp

O Bradesco pretende separar seu banco digital Next da estrutura principal da instituição até março de 2020. O objetivo é fazer com que a plataforma siga regulamentações mais leves impostas pelo BC (Banco Central) e equivalente a de seus concorrentes digitais.

A medida também diminuirá os custos operacionais e regulatórios do banco.
De acordo com o presidente do Bradesco, Octávio de Lazari, o grande banco tem investido fortemente em capacidade de análise de dados para deixar o Next pronto para a separação.

"O intuito é fazer com que o Next tenha vida própria, com balanço e avaliações separados", afirmou Lazari nesta quarta-feira (13).

Leia também:
Bancos começam a enviar dados de clientes para cadastro positivo
Seis bancos privados vão pagar benefícios do INSS concedidos entre 2020 e 2024

Os grandes bancos brasileiros se ressentem das imposições regulatórias mais simples impostas pelo BC (Banco Central) às fintechs (empresas novatas que prestam serviços financeiro com uso de tecnologia) e mesmo bancos menores.

Nas duas edições do livro publicado pela Febraban (entidade dos grandes bancos) para justificar porque os juros são altos no Brasil, os bancos manifestaram insatisfação com o que consideram assimetrias regulatórias e o risco de que os pequenos tenham vantagens competitivas.

O Next deve encerrar o ano com 2 milhões de contas e atingir 3,5 milhões ao fim de 2020, segundo Lazari. O número é inferior a de seus principais concorrentes, como o Nubank, que superou 10 milhões de clientes na Nuconta, e o Banco Inter, que tem 3,3 milhões de correntistas.

Inicialmente, o Next chegou a cobrar algumas tarifas de clientes, mas precisou abrir mão de receitas de serviços para tentar ganhar escala.

O presidente do Bradesco também não descarta a possibilidade de abertura de capital do banco digital em Bolsa. "Mas se formos pensar nisso, será só para 2021, inclusive se surgirem parceiros querendo participar da jornada. O próximo ano será de ajuste de todo esse desacoplamento, e só depois disso vamos avaliar essa possibilidade", disse.

O Bradesco lançou o Next em outubro de 2017 de olho no público avesso à estrutura dos grandes bancos e à burocracia e custos ligados aos serviços bancários. A iniciativa replica o que fizeram alguns grandes bancos no exterior, nem todos bem-sucedidos.

O J.P. Morgan, por exemplo, encerrou a sua operação exclusivamente digital em junho deste ano, após um ano de operação.

A ideia de criar um banco do zero também foi alvo de alfinetadas de concorrentes: o presidente do Itaú, Candido Bracher, chegou a afirmar que, se criasse um novo banco do zero, estaria admitindo que sua estrutura é anacrônica.

Ainda assim, os grandes bancos seguem fazendo grandes esforços para promover o que chamam de transformação digital. Nisso está incluído o fechamento de agências e PDVs (Programas de Demissão Voluntária).

O presidente do Bradesco afirma que 3.500 pessoas aderiram ao PDV lançado em agosto, o equivalente a 3,5% do quadro de funcionários. Segundo Lazari, apenas no último dia do PDV foram 500 adesões.

Isso incrementou o custo com as demissões de R$ 1,5 bilhão para aproximadamente R$ 2,1 bilhões.

"Ainda não dá para precisar a economia, mas com certeza ela será boa", disse.
Além das movimentações com o Next, o Bradesco também anunciou que investidores da Bradesco Corretora serão incorporados à Ágora, antiga corretora independente que havia sido comprada pelo banco no passado e até então foi pouco aproveitada.

Com a fusão, a empresa terá 800 mil clientes e R$ 50 bilhões de ativos sob custódia em renda variável, o que corresponde por 16% de participação (market share) do segmento. Com a centralização, a Ágora será a terceira maior corretora do país, perdendo para Itaú e XP, corretora que o Itaú tem participação.

Enquanto olha para a concorrência privada, o Bradesco nega plano de seguir movimentos da Caixa que poderiam elevar a competição no setor.

Na terça-feira, o banco público anunciou corte na taxa de juro do cheque especial de 9,99% para 4,99% ao mês. A taxa média do sistema financeiro está ao redor de 12% ao mês.

"Não há espaço para reduzir as taxas do cheque especial porque, para o Bradesco, esse juro de 4,99% é deficitário. É preciso que a modalidade tenha uma nova dinâmica e o ideal seria uma combinação de tarifa com taxas de juros. Pode ser uma tarifa maior para o público de alta renda e vice-versa, mas é assim que tem que ser para baixar essa taxa", disse Lazari.

Os bancos têm pleiteado o direito de cobrança de tarifa no cheque especial, como ocorre em outros países. Agora o BC tem se mostrado mais disposto a aprovar a mudança.

Tampouco no crédito imobiliário o segundo maior banco privado do país mostrou interesse em acompanhar as novas modalidades idealizadas pela Caixa, como o empréstimo corrigido pela inflação

"São linhas que o Bradesco vai oferecer, mas eu não vou fomentá-las. Só vou emprestar desse jeito para o cliente super esclarecido e que entenda os riscos que está correndo em cada uma dessas modalidades", acrescenta o presidente do Bradesco.

Lazari disse ainda que, após a intensa disputa que derrubou o crédito imobiliário para perto de 7% ao ano, agora a modalidade pode ter chegado a um piso: "Tudo vai depender de como o mercado vai se comportar, mas acreditamos que a taxa que temos já está bastante adequada e que não há espaço para outras reduções", concluiu.

Veja também

Celpe dá desconto para quem pagar contas atrasadas com cartão de crédito
Serviço

Celpe dá desconto para quem pagar contas atrasadas com cartão de crédito

Mega-Sena acumula e vai a R$ 40 milhões
Loteria

Mega-Sena acumula e vai a R$ 40 milhões