Brasil assume presidência rotativa do Mercosul em cúpula na Argentina

A cúpula avançou em acordos que influenciarão a vida dos habitantes do bloco

Bandeira Brasil e MercosulBandeira Brasil e Mercosul - Foto: Wikimedia Commons

Os presidentes do Mercosul celebram sua 54ª cúpula semestral nesta quarta-feira (17), comprometidos a avançar com seu novo acordo de livre-comércio com a União Europeia, quando o Brasil assume a presidência rotativa do bloco.

O encontro é o primeiro a ser assistido pelo presidente Jair Bolsonaro, que antes de assumir o cargo em janeiro havia avisado que se retiraria do bloco se não obtivesse melhores oportunidades de negócios.

Bolsonaro recebeu do presidente argentino Mauricio Macri a liderança semestral do Mercosul, integrado também por Paraguai e Uruguai, duas semanas depois do anúncio de um pacto com Bruxelas negociado por 20 anos e que vai gerar um mercado de 780 milhões de habitantes.





Leia também:
Brasil assume a presidência pró-tempore do Mercosul
Bolsonaro diz que vai trabalhar pela modernização do Mercosul
Mercosul deve assinar acordo para compartilhar consulados pelo mundo

Acordo UE-Mercosul deve entrar em vigor em dois anos, diz secretário argentino

A cúpula avançou em acordos que influenciarão a vida dos habitantes do bloco. Entre eles, a eliminação da cobrança de "roaming", que permitirá o uso de telefones celulares em todo o bloco sem custos adicionais. Também são esperados acordos sobre questões de família, imigração e saúde.

Ao assumir a presidência semestral do grupo Bolsonaro acusou o governo de Nicolás Maduro na Venezuela - suspensa do bloco desde 2017 por violar regras de respeito à democracia e compromissos comerciais assumidos - e disse que "não há mais espaço para governos autoritários".

"Como pode um país tão rico chegar onde chegou? E a gente sabe como nasceu, o populismo e a irresponsabilidade e um projeto de poder que não tinha limites", criticou Bolsonaro.

Ao final da reunião, os líderes assinaram uma declaração em que expressaram sua preocupação "pela grave crise que a Venezuela atravessa, que afeta seriamente a situação humanitária e de direitos humanos" e pediram a realização de "eleições presidenciais livres, justas e transparentes" o quanto antes.

Com exceção do Uruguai, os outros três membros do Mercosul, assim como o Chile, que é associado, condenam o governo de Nicolás Maduro e o consideram uma ditadura. A Bolívia, que tenta entrar no Mercosul, apoia Maduro. Seu presidente, Evo Morales, participou desta reunião.

Veja também

Intenção de consumo das famílias pernambucanas recua em outubro
Consumidor

Intenção de consumo das famílias pernambucanas recua em outubro

Lucro da Vale mais que dobra e vai a R$ 15 bilhões
Economia

Lucro da Vale mais que dobra e vai a R$ 15 bilhões