Caixa eleva a 20% entrada para compra de imóvel novo

Para imóveis usados financiados pela tabela SAC, o percentual de entrada é de 30% desde março do ano passado

A Caixa vai reduzir o percentual que poderá ser financiado na compra de um imóvel novo de 90% para 80% do valor da propriedade. As regras vão valer para quem optar pelo financiamento pela tabela SAC (que reduz o valor das prestações ao longo dos anos), a mais utilizada pelo banco público.

Leia também
Caixa reduz teto do financiamento da casa própria para 80% do valor do imóvel


A partir de agora, quem quiser comprar um imóvel novo precisará ter 20% do valor para dar de entrada. Para imóveis usados financiados pela tabela SAC, o percentual de entrada é de 30% desde março do ano passado.

Na tabela Price (em que as parcelas vão aumentando ao longo do tempo; menos procurada pelos interessados na casa própria), a entrada cai de 70% para 60% com recursos da Pró-Cotista e de 80% para 70% na CC FGTS.

Segundo uma pessoa próxima ao banco, a mudança é uma decisão estratégica de segurança e garantia.

João da Rocha Lima Jr., professor titular de "real estate" da USP, sugere que a mudança tenha relação com o desejo de financiar mais imóveis com o mesmo volume de recursos, em meio à escassez de recursos da poupança e do FGTS.
"Com o desemprego, as empresas estão fazendo contribuição menor para o FGTS. A força de aplicação do FGTS na casa própria cai", diz.

O efeito colateral positivo da medida, no entanto, é reduzir o risco desses empréstimos em um cenário em que o valor dos imóveis não deve subir nos próximos anos.

Em nota, a Caixa diz que "redimensionou as cotas máximas de financiamento para adequação em relação à política de alocação de capital do banco" e que a maioria dos clientes não será impactada pela nova medida.

Cerca de 90% dos empréstimos para a compra da casa própria já financiam 80% ou menos do valor do imóvel, segundo o banco público.

A Caixa detém quase 70% de todo o financiamento imobiliário do país, mas tem enfrentado a concorrência dos grandes bancos, que veem na linha uma alternativa para continuar a conceder empréstimos na crise.

Alguns bancos privados estão reduzindo as taxas de juros dessa linha, na esteira da queda da taxa básica de juros (Selic), hoje em 9,25% ao ano. Já a Caixa sinalizou que não pretende cortar os juros. O crédito imobiliário é considerado um dos menos arriscados do mercado.

Pró-cotista
Na semana passada, a Caixa obteve orçamento extra de R$ 15 bilhões para financiar imóveis, segundo apurou a reportagem. Porém, o dinheiro não será destinado à linha Pró-Cotista, uma das mais baratas do mercado. A linha ganhou espaço com o enxugamento dos recursos da poupança, consequência do aumento dos saques nos últimos meses.

Veja também

ESA-PE realiza webinar gratuito sobre o agronegócio em tempos de pandemia
Palestra

ESA-PE realiza webinar gratuito sobre o agronegócio em tempos de pandemia

Iniciativa privada é página virada, diz Salim Mattar, que não volta para a Localiza
Economia

Iniciativa privada é página virada, diz Salim Mattar, que não volta para a Localiza