Ceplan aponta os desafios para o ano de 2020

Na avaliação da consultoria, Estado precisa consolidar investimentos industriais, melhorar indicadores de emprego viabilizar PPPs e concessões

Ceplan aponta projeção de crescimento do PIB nacional em torno de 1% para 2019 a taxa de 2% a 2,5% no próximo anoCeplan aponta projeção de crescimento do PIB nacional em torno de 1% para 2019 a taxa de 2% a 2,5% no próximo ano - Foto: Divulgação

O Brasil vivenciou uma lenta retomada no crescimento da atividade econômica em 2019 e até o terceiro trimestre deste ano cresceu em ritmo vagaroso. Apesar disso, o cenário é otimista para o ano que vem, mas ainda há uma série de desafios que devem ser enfrentados para alavancar o crescimento.

As tendências econômicas e os números do ambiente de negócios para 2020 foram os assuntos da análise realizada pela Consultoria Econômica e Planejamento (Ceplan) em parceria com o Lide-PE, que reuniu nesta terça-feira (10), empresários de vários setores econômicos e contou com a avaliação dos economistas Tânia Bacelar e Jorge Jatobá.

A Ceplan aponta que a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nacional gira em torno de 1% para 2019 e estima uma taxa de 2% a 2,5% no próximo ano. Em Pernambuco, a oscilação positiva do PIB estadual deve se manter acima do nacional. As políticas públicas de incentivos vêm permitindo que o Estado sofra os efeitos da crise com menos intensidade em relação a boa parte das outras economias estaduais.

Para Tânia Bacelar, “isso se deve aos impactos das políticas estaduais de desenvolvimento e atração de investimentos implementadas nos anos 2000 e que garantiram uma forte expansão e diversificação da matriz econômica local entre a década passada e o início da atual”.

Os principais desafios apontados pela Ceplan para 2020 são consolidar e adensar os investimentos industriais atraídos pelo Estado, melhorar os indicadores do mercado de trabalho, viabilizar parcerias entre os setores privado e público por meio de PPPs e concessões, e a implementação de um ajuste fiscal na esfera pública para conter a escalada do déficit no sistema previdenciário estadual, que cresceu de R$ 719 milhões para R$ 2,6 bilhões entre 2005 e 2018, podendo alcançar R$ 2,8 bilhões em 2019.

Leia também: 
Para economistas, PIB ficará acima de 2% no ano que vem
PIB cresce 0,6% no terceiro trimestre, revela IBGE


A precarização do trabalho e a dificuldade de gerar empregos são também outros fatores preocupantes no Estado. No mercado de trabalho, o quadro em Pernambuco evidencia uma recuperação frágil, marcada pela informalidade e que contrasta com o desempenho do PIB estadual. O saldo na movimentação dos empregos formais atingiu 17,3 mil postos de janeiro a outubro de 2018 e 11,5 mil vagas nos mesmos 10 meses de 2019.

“Os indicadores do mercado de trabalho, por sua vez, demonstram uma queda lenta do desemprego, com uma característica preocupante: a precarização crescente da ocupação. Puxada pelo trabalho precário e informalidade, a ocupação se expandiu em 1,5 milhão de pessoas, de 92,6 milhões de trabalhadores para 94,1, milhões entre outubro de 2018 e o mesmo mês de 2019”, ressalta Jorge Jatobá. 

Veja também

Desafio Nova Economia tem prazo até dia 16 de agosto
Tecnologia

Desafio Nova Economia tem prazo até dia 16 de agosto

Folha Finanças esclarece sobre como investir seu dinheiro
FOLHA FINANÇAS

Tendo em vista os custos, vale a pena investir quantias pequenas?