Cerveja de mandioca movimenta produção em Araripina

Cervejaria Ambev distribui a cerveja chamada de Nossa em todo o Estado, utilizando insumo de agricultores do interior pernambucano

Silvano Coelho Silvano Coelho  - Foto: Rafael Martins/Divulgação

Cerveja com mandioca forma a casadinha que deu certo no lançamento mais recente da Ambev, chamada de Nossa. A bebida, distribuída em todo o Estado, leva a ideia de campo para o copo graças ao valor sertanejo agregado pelo insumo. Embora não seja a mesma raiz consumida na mesa nordestina, a espécie que a indústria transforma em fécula para fazer uma breja mais leve e barata em comparação às tradicionais, garante a manutenção da cadeia produtiva na microrregião de Araripina, no Sertão do Estado.

E isso é motivo para este ano ser um dos melhores na produção do agricultor Silvano Coelho, que se dedica à propriedade da família, localizada na Zona Rural da Serra do Inácio. Duas razões são fortes para ele comemorar o dobro de área cultivada, agora em 100 hectares. A chuva, que caiu entre os meses de maio e junho, e o contrato de fornecimento direto com a cervejaria.

“E mandioca na cerveja dá certo?”, ouvia Silvano de outros agricultores curiosos com a empreitada, lançada oficialmente na região no meio do ano, e que agora rende um produto com preço final de R$ 3, a garrafa de 600ml. Um projeto que começou bem antes, três anos atrás, ainda na fase de identificação das famílias com os requisitos para oferecer o insumo direto à fábrica, sem a presença de atravessadores. “A companhia surgiu com a vontade de fazer um produto local, através da pesquisa de mercado feita em parceria com a ONG internacional TechoServe, que mapeou onde poderíamos obter esse elemento nas condições ideais para os dois lados”, diz o engenheiro agrônomo e um dos responsáveis pelo desenvolvimento dessa cadeia produtiva junto à Ambev, Vitor Pistoia.

Mais de 300 famílias foram mapeadas em todo o Estado, sendo Araripina a região mais expressiva no cultivo da mandioca. Seu Silvano concorda. Ele, que deixou de lecionar geografia em escola municipal para se dedicar quase exclusivamente à lavoura, representa um dos seis produtores parceiros nesse projeto. “A Serra do Araripe tem 800 metros acima do nível do mar e essa altitude é considerada a melhor para o cultivo de quase 300 mil hectares. Já a Serra do Inácio tem cerca de 21 mil hectares. Juntas, elas fazem a diferença na região”, resume. A média de produção das duas fica em torno de 500 mil toneladas por ano.

Leia também:
Ambev faz cerveja de mandioca para Pernambuco
Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
Agricultura torna mais ágil importação de trigo da Rússia


Riqueza para famílias como a do agricultor Gilmar de Carvalho, que lida com o terreno de 400 hectares, na Serra do Araripe, e espera uma boa colheita já entre dezembro e janeiro. “Isso, porque conseguimos plantar um pouco mais. Cerca de dez hectares nos últimos meses”, enumera, reforçando que o novo fornecimento promete melhorar também o preço de mercado, “que oscilava muito e, agora, tende a ficar mais estável”, completa, sem adiantar a quantidade fornecida à cervejaria Ambev e o preço trabalhado. “Mas no geral, a tonelada nesse período de entressafra fica em torno de R$ 350”, solta. Até pouco tempo, a produção era voltada para as 70 casas de farinha da região. Esses lugares recebem a chamada 'mandioca brava' e seu alto teor de amido é valorizado pela indústria dos subprodutos.

Nova operação

Pronta para operar desde 2012, a Maxx Amidos do Brasil estava parada desde então. A fecularia, que tinha tudo para ser mais um elefante branco no meio do Sertão, iniciou as atividades oficialmente no mês de junho graças a dois impulsionadores. A boa safra de 2018 e o contrato de fornecimento para a Ambev. É lá que os agricultores depositam a mandioca para a extração do amido que levado à cervejaria, em Itapissuma.

Além da cerveja, o mercado mais promissor dessa produção é o da goma de tapioca. "Mas a fécula pode ser usada pela indústria para outros derivados, como polvilho azedo industrial, creme de confeiteiro, pasta de dente, glicose, papelão e até plástico biodegradável”, lista o gerente de produção Márcio Silva, que, nem de longe, quer lembrar o período de completo desabastecimento.

Veja também

Doze fornecedores do Carrefour anunciam aliança em defesa da diversidade racial
Beto Freitas

Doze fornecedores do Carrefour anunciam aliança em defesa da diversidade racial

Dólar sobe para R$ 5,43, com cenário externo
BOLSA DE VALORES

Dólar sobe para R$ 5,43, com cenário externo