Clima para aprovar Previdência no Congresso é muito bom, diz secretário

Secretário ainda afirma que após a aprovação da Reforma governo deseja lançar projeto de reorganização de carreiras no serviço público

Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e TrabalhoRogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse nesta sexta (15) acreditar que o clima para aprovação da Reforma da Previdência no Congresso é muito bom. Ele afirmou, porém, que "não há gordura" no projeto que foi apresentado pelo governo no dia 20 de fevereiro.

Marinho diz que, desde a apresentação do texto ao Legislativo, tem visitado bancadas e que já recebeu mais de 50 parlamentares. "O clima é muito bom. Esse é o momento de aprovar a reforma da Previdência", comentou, em palestra durante evento na FGV do Rio.

Leia também
Folha esclarece dúvidas sobre a reforma da Previdência
Previdência: Bolsonaro defende negociações diferentes das do passado
INSS proíbe funcionários de falar sobre a reforma da Previdência para a imprensa

Em rápida entrevista antes de discursar, Marinho evitou estimar prazos para a votação, dizendo que o Congresso tem o seu próprio tempo. Ele comentou, porém, que, caso os parlamentares decidam manter privilégios a determinados setores, terá que explicar à sociedade o custo. "Se houver entidade que tenha algum benefício especial, será preciso mostrar quanto isso vai custar e que isso vai significar menos investimentos em casas populares e na saúde", afirmou o secretário. Ele frisou que o texto final será definido pelo Congresso, mas disse que a proposta do governo "não tem gordura".

"Foi apresentado dentro do que nós achamos adequado, do que achamos ideal para recuperarmos as finanças do Brasil, para impedir o crescimento da dívida explosiva", defendeu. Segundo o governo, a reforma economizaria R$ 1 trilhão em dez anos.

Em sua palestra, ele reforçou a defesa de que a reforma ataca privilégios e é fundamental para o ajuste fiscal. "Não é agenda de governo, não é agenda de partido político, não é agendas de presidente, é uma agenda de Brasil, da sociedade brasileira.

Militares
Ele reforçou que o governo pretende apresentar até o próximo dia 20 a proposta de reforma da Previdência dos militares. Na entrevista, evitou dar detalhes, mas confirmou que o governo pretende propor aumento do tempo de serviço e das contribuições, como tem sido noticiado. Servidores estaduais da segurança pública e bombeiros devem seguir algumas das regras que serão apresentadas aos militares.

Marinho afirmou ainda que, após a aprovação da reforma da Previdência, o governo planeja lançar um projeto de reorganização de carreiras no serviço público federal. Um dos pontos a ser atacado, disse, é a velocidade na progressão dos servidores. "Um jovem passa em um concurso e, em cinco, seis ou sete anos, já está no teto das remunerações, e isso gera toda a sorte de distorções", argumentou. Ele não deu detalhes sobre como e quando será feita essa proposta.

Veja também

Foz do Iguaçu aposta em “duty free shops” para retomar turismo
Roberta Jungmann

Foz do Iguaçu aposta em “duty free shops” para retomar turismo

Governo recria conselho de defesa do consumidor extinto em 1990
Economia

Governo recria conselho de defesa do consumidor extinto em 1990