Curso gratuito em shopping dá dicas para ser youtuber

Com a câmera apontada para o rosto e falando de assuntos que gosta, youtubers conseguem se aproximar do público, criar portfólio e até mesmo gerar renda

Raisa Brennichi mantém o canal Nerdivinas desde 2016Raisa Brennichi mantém o canal Nerdivinas desde 2016 - Foto: Divulgação

Desde seu primeiro vídeo, publicado em dezembro de 2005, o YouTube expandiu e ganhou a internet a ponto de se consolidar como a principal rede social de vídeos. Com mais de um bilhão de usuários - mais da metade através de dispositivos móveis -, a rede se tornou um grande espaço para compartilhamento de conteúdo e até oportunidade para geração de renda.

Para quem tem curiosidade sobre o assunto e não sabe por onde começar, o minicurso gratuitoEscola de youtubers” é realizado pela Saga (School of Art, Game and Animation) até a próxima terça-feira (31), no Shopping Guararapes, no município de Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife.

Com direito a certificado, o curso tem seis horas e meia de duração (das 10h às 17h30) e um limite de 40 alunos por turma. Para participar, os interessados devem se inscrever gratuitamente no próprio local, das 14h às 20h. Entre as atividades do curso, estão manipulação de câmeras, criação de vinhetas, edição de vídeos e técnicas básicas para começar um canal no YouTube.

Leia também:
YouTube vai investir US$ 25 milhões para impulsionar notícias confiáveis
Youtuber Jout Jout ganha quadro no programa Saia Justa
YouTube endurece regras para ganhar dinheiro com publicidade
Empresário aprende a consertar celulares no YouTube e cria rede Hospital do iPhone


Youtuber
"O YouTube abre a possibilidade de alcançar mais pessoas com meu trabalho porque não é todo mundo que tem paciência para ler um post grande no blog, mas não tem problemas em assistir um vídeo de até 10 minutos”. O depoimento é da youtuber recifense Raisa Brennichi, de 26 anos, que criou o canal Nerdivinas em 2016 como uma extensão do seu blog homônimo a pedido das leitoras. Designer de formação, ela se desdobra entre trabalhar como freelancer, blogueira e ainda produzir conteúdo para o canal. 

Sobre a possibilidade de o YouTube ser uma fonte de renda, ela alerta que é muito difícil para os canais pequenos. “YouTube só é uma carreira sustentável financeiramente para quem já passou dos 100 mil inscritos. Para os canais menores, é, no máximo, um complemento de renda, quando se consegue lucrar algo com ele”, apontou.

Para Raisa, o cenário ainda é bastante dividido. "Os youtubers grandes raramente se misturam com os pequenos e também existem as divisões temáticas dos canais. Aqui em Pernambuco e Recife, principalmente, não existe realmente uma comunidade de youtubers como vemos em outros locais."

Transmita a si mesmo
Para o professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Bruno Nogueira, o potencial do YouTube está na possibilidade de um diálogo direto com um segmento específico. "Você atingir um grupo de 300 - 600 [pessoas], que gostam daquele assunto que você fala e gostam da abordagem que você traz para ele e poder conversar com elas. E, a partir disso, criar e consolidar uma determinada comunidade. Seja de pessoas que gostam de Minecraft ou de maquiagem, de cozinhar ou de cinema. Por isso que o conteúdo favorece tanto o ponto de vista", argumentou o professor.

Câmera apontada para o rosto, imagens sendo intercaladas, distante do que seria um apresentador em telejornal e mais de alguém em seu próprio quarto. Assim pode ser definida a "estética" do YouTube, o "broadcast yourself" (transmita a si mesmo) segundo o professor. "É a estética de Whinderson Nunes, por exemplo, que não é apenas o maior canal hoje no País, mas também um dos maiores no mundo. Mas é também a do Cadê a Chave, do PC Siqueira etc. É o que dá o tom aos canais com tutoriais de maquiagens, que são alguns dos mais populares."

O professor ainda aponta que, paralelamente, o YouTube ajuda como uma plataforma para quem quer trabalhar com audiovisual crie seu portfólio. "Muitos YouTubers, hoje, fazem exatamente isso. O Putz Vei, que tem uma das maiores quantidades de assinantes na cidade [Recife], tem uma agência de conteúdo audiovisual, por exemplo."

Bruno conta que, como jornalista, sempre gostou de criar conteúdo, seja em programas de rádio, podcasts e vídeos que fez para o Vimeo há cerca de dez anos. A fim de continuar a fazer esse tipo de coisa, criou um canal no YouTube, a Quarenta e Dois. O canal surgiu também com o objetivo de aprender como funciona a plataforma. "Como professor de comunicação, o YouTube é uma plataforma que interessa muito mais à maioria dos meus alunos, hoje, do que uma TV tradicional", destaca.

Serviço
Escola de youtubers
Quando: Diariamente, até terça (31), das 10h às 17h30
Onde: Shopping Guararapes

Veja também

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia
Economia

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia

Estados arrecadaram 2,14% a mais em 2020, diz ministério
Economia

Estados arrecadaram 2,14% a mais em 2020, diz ministério