Departamento de Comércio dos EUA propõe tarifa ao aço brasileiro

órgão apontou três alternativas: a primeira é uma taxa global de ao menos 24% a todas as importações

Cabo de açoCabo de aço - Foto: Pixabay

Um relatório do Departamento de Comércio dos Estados Unidos divulgado nesta sexta (16) sugere a imposição de tarifas à importação de aço e alumínio do país, com o objetivo de ampliar a produção local. O órgão apontou três alternativas: a primeira é uma taxa global de ao menos 24% a todas as importações.

A segunda seria uma tarifa de ao menos 53% ao aço importado de 12 países: Brasil, China, Costa Rica, Índia, Malásia, Coréia, Rússia, África do Sul, Tailândia, Turquia e Vietnã.  Além disso, há uma possibilidade de criar uma cota a todos os produtos de aço de todos os países equivalente a 63% das importações dos Estados Unidos em 2017.

Leia também:
Exportação de café reduz 5,9% em janeiro
Estado prepara exportação de mel


A meta é que a atual capacidade ociosa no país caia dos atuais 27% para cerca de 20% -uma taxa mínima necessária para que a indústria seja viável em um longo prazo, segundo o relatório, que destaca que os Estados Unidos é o maior importador de aço do mundo. O departamento colocou o problema como uma questão de segurança nacional.

Em relação ao alumínio, a proposta é impor uma tarifa de 7,7% a todas as importações ou aplicar uma taxa de 23.6% aos produtos vindos da China, de Hong Kong, da Rússia, da Venezuela e do Vietnã.  O relatório interno foi elaborado pelo departamento de comércio e ainda não representa uma decisão final, que ainda será dada pelo presidente Donald Trump.

Negociação
O Brasil vai mandar uma comitiva com membros da indústria siderúrgica nacional a Washington, para negociar com membros da Casa Branca e parlamentares a exclusão do país de possíveis medidas restritivas, afirmou o presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes.

A missão será realizada entre os dias 26 e 28 de fevereiro, e deverá ter a presença de executivos da Usiminas e da Vallourec, disse ele. "Queremos mostrar que o Brasil não é parte do problema. 80% das exportações brasileiras são de produtos semiacabados, que são reprocessadas pelas siderúrgicas americanas. Se [os EUA] adotarem alguma medida, o Brasil tem que estar fora", afirmou Lopes.

Os Estados Unidos representaram 32,7% das exportações da indústria brasileira em 2017. Foram cerca de 5 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos, dos quais 4,1 milhões de toneladas foram de itens semiacabados.

O presidente da entidade, que representa a indústria brasileira, destacou que, assim como há grupos favoráveis a maiores restrições, existem pressões contrárias à medida, com receio de que o bloqueio leve a um aumento do preço interno do produto.

A comitiva que viajará no fim deste mês aos Estados Unidos também deverá pedir auxílio à indústria americana de carvão nas negociações, afirma Lopes.
O Brasil é um dos maiores importadores de carvão dos Estados Unidos. "Tem uma troca. Vamos falar [a eles] que têm que nos ajudar."

Veja também

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA

Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
economia

Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi