Dólar comercial fecha abaixo de R$ 5 pela primeira vez em duas semanas

Bolsa de valores subiu pelo terceiro dia seguido

DólarDólar - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Em meio ao clima de alívio nos mercados globais, o mercado financeiro teve mais um dia de recuperação. A bolsa de valores subiu pela terceira sessão seguida e voltou a aproximar-se dos 80 mil pontos. O dólar fechou abaixo de R$ 5 pela primeira vez em quase duas semanas.

O índice Ibovespa, da B3, a Bolsa de Valores brasileira, fechou esta quinta-feira (26) aos 77.709 pontos. O índice, que chegou a operar com alta de 5% por volta das 12h30, desacelerou durante a tarde, mas fechou com valorização de 3,67%.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,996, com recuo de R$ 0,038 (-0,75%). A última vez em que a moeda norte-americana tinha fechado abaixo de R$ 5 tinha sido no último dia 13 (R$ 4,81). A cotação operou em baixa durante praticamente todo o dia. Na mínima do dia, por volta das 11h30, a moeda chegou a ser vendida a R$ 4,97.

Leia também:
EUA oferecem recompensa de 15 milhões de dólares pela prisão de Maduro
G20 vai injetar 5 trilhões de dólares na economia mundial


A divisa acumula alta de 24,49% em 2020. O Banco Central (BC) não interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais nem fez operações de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Estados Unidos
A aprovação no Senado norte-americano de um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões para reativar a economia dos Estados Unidos ajudou o mercado em todo o mundo. Paralelamente, o Federal Reserve, Banco Central norte-americano, está comprando indefinidamente dívidas corporativas e emprestando recursos diretamente a empresas pelo tempo necessário.

O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, voltou a fechar em alta, tendo subido 6,38%. Esse foi o terceiro dia seguido de valorização da bolsa norte-americana. Hoje, os países do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo, inclusive o Brasil, comprometeram-se a injetar US$ 5 trilhões na economia global.

Pacote de medidas
No Brasil, o mercado continua a reagir às medidas para aliviar o impacto da crise do coronavírus. No momento, a Câmara dos Deputados está votando uma ajuda temporária de R$ 500 para trabalhadores autônomos.

Nos últimos dias, o governo brasileiro anunciou uma ajuda emergencial de R$ 88,2 bilhões para estados e municípios. O Banco Central (BC) liberou R$ 1,2 trilhão na economia, principalmente por meio da redução de compulsórios, dinheiro que os bancos são obrigados a reter no BC. A edição de medidas provisórias para flexibilizar a legislação trabalhista durante a crise aliviam a perda do valor de ações de diversas empresas.

Petróleo
A intensificação da guerra de preços do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia continua a interferir no mercado. Os dois países estão aumentando a produção de barris, o que tem provocado uma redução na cotação do produto.

O barril do tipo Brent, que na semana passada atingiu o menor nível em 18 anos, voltou a cair depois de vários dias de alta. Por volta das 18h, a cotação estava em US$ 26,97, com recuo de 1,53%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, operaram em queda durante quase todo o dia, mas conseguiram se recuperar no fim da tarde. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 0,34% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) subiram 0,49%.

Veja também

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento
Nova rotina

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento

Bolsonaro liga para empresária que chamou fechamento de loja de ato da 'ditadura'
Pandemia

Bolsonaro liga para empresária que chamou fechamento de loja de ato da 'ditadura'