E-commerce cresce mais que o varejo tradicional no Brasil

Enquanto varejo tradicional crescer 2,3%, o comércio eletrônico cresceu 15% no País em 2018, chegando a R$ 69 bilhões de faturamento

Comércio eletrônicoComércio eletrônico - Foto: Reprodução/Internet

Apesar de o brasileiro ainda evitar compras desnecessárias, o comércio eletrônico faturou R$ 69 bilhões no Brasil em 2018. Com isso, o chamado e-commerce cresceu 15%, enquanto o varejo tradicional cresceu apenas 2,3% no País, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). É um bom resultado que, para o setor, mostra que o consumidor está cada vez mais disposto a trocar as compras físicas por compras virtuais.

“O comércio online tem crescido cinco vezes mais que o off-line no mundo. É uma tendência. E os números do Brasil mostram isso. Apesar de o consumo ainda estar retraído no País por conta da crise, o e-commerce teve um crescimento significativo porque novos consumidores passaram a testar as compras online”, explicou a líder comercial da consultoria Ebit|Nielsen, Ana Szasz, dizendo que, só em 2018, o e-commerce ganhou 10 milhões de novos consumidores no Brasil. E foi por isso que, além do faturamento, o e-commerce ampliou em 10% o número de transações, chegando à marca de 123 milhões de pedidos online com tíquete médio de R$ 434, segundo a Ebit|Nielsen.

Leia também:
Varejo fechou o ano de 2018 com queda em Pernambuco
E-commerce avança no mercado e alcança crescimento de 12%


“O e-commerce cresce muito por conta do que representa para o consumidor: facilidade, praticidade e a comodidade de comprar do conforto da sua casa, comparando preços, produtos e ofertas. E a tendência é continuar crescendo, porque muitas pessoas ainda estão conhecendo o universo digital”, reforçou o diretor da ABComm, Maurici Junior, destacando que, por isso, o Nordeste tem registrado a maior taxa de crescimento no uso do e-commerce no Brasil: 27% de aumento, segundo a Ebit|Nielsen. “A região vem ganhando maturidade digital. Por isso, o e-commerce tem ganhado muita força”, explicou Junior, dizendo que a expansão da internet móvel também ajuda a ampliar o setor, tanto que 33% das vendas online já vêm de smartphones e tablets.

Segundo a Ebit|Nielsen, são as compras de telefonia, como as de smartphones, que têm puxado a alta do comércio eletrônico no Nordeste. Também tem se destacado no e-commerce brasileiro, porém, as vendas de moda, perfumaria e cosméticos. “Categorias como as de tecnologia, eletroeletrônicos e eletrodomésticos continuam importantes. Mas o número de pedidos dessas outras categorias têm crescido. Afinal, o tíquete médio desse setores é menor e permite que os consumidores façam um teste ou efetuem mais compras”, explica Ana, dizendo que isso também mostra uma maturação do e-commerce no Brasil. “Estamos saindo do comércio de bens duráveis para o de bens não duráveis. É a mesma rota registrada em países que estão mais à frente nesse processo. A China e a Coreia, por exemplo, passaram por isso e hoje já estão em outra fase, a de consumo fresco, diário”, contou Ana.

O diretor da ABComm lembra, porém, que o e-commerce ainda tem muito espaço para crescer no Brasil. “Apesar das altas taxas de crescimento, essa modalidade só representa de 3% a 4% das vendas do varejo tradicional. É muito pouco. Em países como Estados Unidos e China, essa taxa é de 20%”, pontuou Junior, que, por tudo isso, espera continuar com taxas de crescimento de dois dígitos nos próximos anos.

Em 2019, o varejo tradicional projeta alta de 5,6%, mas a ABComm espera crescer 16%, atingindo R$ 79,9 bilhões em vendas online. A associação ainda espera registrar 265 milhões de pedidos em 87 mil lojas virtuais. E destaca: há espaço para as micro e pequenas empresas (MPEs) no comércio virtual, tanto que as MPEs devem representar 29% do faturamento do e-commerce neste ano.

Veja também

Caixa libera saques do auxílio para 3,8 milhões de beneficiários
AUXÍLIO

Caixa libera saques do auxílio para 3,8 milhões de beneficiários

Governo regulamenta renegociação de dívidas com o Fies
Educação

Governo regulamenta renegociação de dívidas com o Fies