Economia da Coreia do Norte contraiu em 2018 em razão de sanções

A Coreia do Norte está sujeita a múltiplas sanções internacionais por causa de seus programas balísticos e nucleares

Trump e Kim Jong Un se encontraram no último final de semana na Coréia do NorteTrump e Kim Jong Un se encontraram no último final de semana na Coréia do Norte - Foto: Brendan Smialowski / AFP

A economia norte-coreana, atingida pelas sanções internacionais, voltou a contrair em 2018, em 4,1%, seu pior resultado desde a fome da década de 1990, anunciou nesta sexta-feira o banco central sul-coreano.

A Coreia do Norte registrou, pelo segundo ano consecutivo, crescimento negativo, já que o PIB caiu 3,5% em 2017, segundo o Banco da Coreia (BOK).

O país não publica estatísticas econômicas oficiais, e apenas estimativas de instituições estrangeiras estão disponíveis, as quais, por definição, só têm acesso a informações fragmentadas.

Leia também:
Mercado projeta crescimento de 0,82% para a economia
Coreia do Norte volta a lançar mísseis

Este é o pior retrocesso desde 1997, o auge de uma fome que deixou centenas de milhares de mortos (algumas estimativas falam de milhões).

A Coreia do Norte está sujeita a múltiplas sanções internacionais por causa de seus programas balísticos e nucleares.

Em 2017, o Conselho de Segurança da ONU proibiu as principais exportações norte-coreanas, carvão e outros minerais, produtos pesqueiros e têxteis.

Segundo o BOK, as sanções fizeram as exportações norte-coreanas cair mais de 85% em 2018.

Veja também

Dólar tem maior queda diária em quase um mês e fecha abaixo de R$ 5,40
BOLSA DE VALORES

Dólar tem maior queda diária em quase um mês e fecha abaixo de R$ 5,40

CGU estima gasto de R$ 1 bi com auxílio emergencial irregular para 680 mil servidores
auxílio emergencial

CGU estima gasto de R$ 1 bi com auxílio emergencial irregular para 680 mil servidores