Energia eólica supera a hidrelétrica no NE

Afinal, há dez anos, a produção de energia através dos ventos respondia por apenas 0,3% da geração no Nordeste

Energia eólicaEnergia eólica - Foto: Divulgação

Os ventos superaram as águas do Rio São Francisco quando se fala em geração de energia elétrica no Nordeste. É que a energia eólica ultrapassou a hidrelétrica e também a termelétrica, tornando-se a principal fonte de geração de energia na região em 2016. A constatação é do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), do Banco do Nordeste (BNB). Segundo o Etene, em 2016, a energia eólica representou 37,2% da matriz energética nordestina, ante 34,1% das térmicas e 29,5% hidrelétrica. Foi a primeira vez que a fonte assumiu a dianteira na região.

Afinal, há dez anos, a produção de energia através dos ventos respondia por apenas 0,3% da geração no Nordeste.

“Historicamente, a geração era feita via hidrelétricas da Chesf, tanto que em 2008 a fonte hidráulica representou 91% da matriz nordestina. Porém, nos últimos anos, temos vivido uma crise hídrica grande e isso diminuiu o nível de água dos reservatórios dessas hidrelétricas. Paulatinamente, a fonte eólica tornou-se competitiva nos leilões da Aneel”, explicou o coordenador de estudos do Etene, Francisco Diniz Bezerra, acrescentando que, com isso, o Nordeste tornou-se a região que mais produz energia eólica do País.

Ele explicou que a região tornou-se o grande foco dos investidores do setor porque concentra os ventos mais favoráveis à geração de energia do Brasil. “A maior parte dos parques eólicos foi instalada aqui", afirmou Bezerra, lembrando que a construção desses parques gerou muitos empregos e investimentos na região. O BNB calcula até que os projetos já previstos para a região demandarão R$ 35 bilhões em recursos nos próximos anos.

Veja também

Presidente da Eletrobras troca empresa pela BR Distribuidora
Economia

Presidente da Eletrobras troca empresa pela BR Distribuidora

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia
Economia

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia